Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Seria para rir caso não fosse trágico

por josé simões, em 05.03.20

 

Jamie Reid Nowhere Bus.jpg

 

 

Contava o malogrado Jorge Palhas que chegado à Argélia por via terrestre não o tinham deixado entrar porque vinha de Marrocos com quem estavam de relações cortadas, por causa de guerras antigas e da Frente Polisario, e que regressado a Marrocos, pelo mesmo caminho e apenas alguns minutos depois, os mesmos guardas fronteiriços que havia pouco o tinham visto sair agora não o queriam deixar entrar porque vinha da Argélia com quem Marrocos estava de relações cortadas, por causa de guerras antigas e da Frente Polisario, tendo ele ali permanecido, em "terra de ninguém", um dia inteiro à conversa com os ditos fronteiriços e só conseguindo voltar a entrar depois da mudança da guarda e pelo seu conhecimento do Alcorão. E ria-se muito de todas as vezes que contava a história.

 

Hoje a Turquia envia reforços para a fronteira para impedir a Grécia de repelir migrantes mandados para a fronteira pela Turquia. Não há rendição da guarda nem Alcorão que os salve e seria para rir caso não fosse trágico.

 

[Na imagem o Nowhere Bus de Jamie Reid]

 

 

 

 

50 anos antes, 50 anos depois

por josé simões, em 03.03.20

 

The Immigrant - Walid Ebeid.jpg

 

 

Em 1970 Walid Ebeid pintou The Immigrant, uma cena que viria a ser banal 50 anos depois nas praias do sul da Europa.

 

 

 

 

Land ho!

por josé simões, em 03.03.20

 

1 (18).jpg

 

 

2 (14).jpg

 

 

3 (12).jpg

 

 

4 (9).jpg

 

 

6 (6).jpg

 

 

7 (6).jpg

 

 

8 (6).jpg

 

 

9 (3).jpg

 

 

10 (3).jpg

 

 

11 (1).jpg

 

 

12 (1).jpg

 

 

13.jpg

 

 

14.jpg

 

 

15.jpg

 

 

16.jpg

 

 

17.jpg

 

 

18.jpg

 

 

19.jpg

 

 

20.jpg

 

 

Thousands of Migrants Attempt to Cross Into Europe From Turkey

 

 

 

 

"O coração das trevas" vs. a "aliança europeísta" de António Costa para derrotar a extrema-direita

por josé simões, em 02.07.19

 

1 (18).jpg

 

 

2 (19).jpg

 

 

3 (20).jpg

 

 

4 (16).jpg

 

 

Mais uma vez a extrema-direita a cumprir a função para a qual foi criada: perpetuar no poder a direita do "sentido de Estado", com o voto da "aliança europeísta" constituída para derrotar a extrema-direita e salvar a Europa. Se o ridículo matasse...

 

[Imagem]

 

 

 

 

O que é que mudou desde 1982?

por josé simões, em 14.05.19

 

Matteo Salvini and Viktor Orban view the Hungary-Serbia border from a watchtower near Roszke-AP.jpg

 

 

               "Can you really cough it up loud and strong
               The immigrants
               They wanna sing all night long
               It could be anywhere
               Most likely could be any frontier
               Any hemisphere
               No man's land and there ain't no asylum here
               King solomon he never lived round here

               Go straight to hell boys"

 

 

O que é que realmente mudou na Europa, e no mundo, desde 14 de Maio de 1982, dia em que Straight To Hell saiu em formato vinil como sexto e último tema do Lado A de Combat Rock?

 

[Na imagem "Matteo Salvini and Viktor Orban view the Hungary-Serbia border from a watchtower near Roszke" © AP]

 

 

 

 

"Alors merde!"

por josé simões, em 16.09.18

 

 

 

En Luxemburgo, querido señor, tuvimos decenas de miles de italianos que vinieron a trabajar, como inmigrantes, porque en Italia no teníais dinero para vuestros hijos

 

 

 

 

O triunfo dos gordos

por josé simões, em 29.08.18

 

Bono U2.jpg

 

 

Ainda sou do tempo em que os U2 eram magros e genuínos e que foi mais ou menos por entre 1980 com Boy e 1983 com o inaudível War, quem disser que o conseguiu ouvir de seguida da primeira à última faixa está a mentir, passando por 1981 com October, no tempo de tocarem para umas quantas centenas em Vilar de Mouros, que na sua grande maioria nem sequer lá tinham ido por eles, e no tempo em que não faziam "grandes músicas" para a RFM passar e as que eram realmente grandes iam parar ao Index.

Depois veio a cedência comercial The Unforgettable Fire, que a vidinha custa a todos, e é legitímo e cada um escolhe o caminho que quer trilhar e, fezada, logo no ano seguinte, na embalagem do sucesso global (Feed The World) Do they Know It's Christmas Time pela Band Aid, vem o Live Aid, que cai que nem ginjas numa juventude globalizada, a ressacar da new wave e do pop manhoso dos 80s, sem choque de gerações e órfã de grandes causas. Alimentou-se África e o 'Virgin Prune" frontman Bono, que já tinha perdido a virgindade e que de ameixa não tinha nada, rapidamente percebeu que quanto mais aparecesse e quanto mais desse a cara ao manifesto mais pingava. E foi um fartote. ONU, presidentes, ministros, governos, era ir a todas e até a Davos, Mandela, meter umas imagens fortes nos ecrãs dos concertos ao vivo e umas palavras do Dr. King, beija-mão papal, o Papa a beijar a mão a Bono, e era o "nosso" homem global, a "nossa" voz, o "nosso" líder a bater o pé às corporações, às marcas, aos donos do mundo Nem sei se não ganharam um Nobel qualquer, os U2 por interposta pessoa, o vocalista.

Alimentaram-se assim e engordaram os U2 e, como diz o pagode, "dinheiro puxa dinheiro" e como o dinheiro é sempre pouco e um músico não dura sempre, vai de retirar o dinheirinho da querida Irlanda e depositá-lo na Holanda, que isto é tudo Europa e a carga fiscal é mais baixa. E, como diz o pagode "dinheiro puxa dinheiro" e como o dinheiro é sempre pouco e um músico não dura sempre, vai de investir através de paraísos fiscais, que é tudo legal, não há aqui qualquer espécie de crime, não há aqui nada para ver, é circular, é circular.

Mas, como já são muitos anos a virar palcos e a fazer depósitos bancários e África saiu da agenda mediática e o mainstream não importuna nem políticos nem multinacionais, há que inventar uma bandeira para enfeitar os concertos, e o nacionalismo e o autoritarismo e o Steve Bannon e o Orbán e o Salvini estão mesmo aqui à mão, mesmo que se alimentem de apontar à opinião pública dos respectivos países os ricos e os poderosos que fogem a pagar os impostos nos países de origem e investem o pecúlio amealhado pelos labirintícos paraísos fiscais, de bandeira da união Europeia na mão e na lapela do casaco. 

 

Europe is a thought that needs to become a feeling

The word patriotism has been stolen from us by nationalists and extremists. Real patriots seek unity above homogeneity. Can we put our hearts into this struggle?

 

Ainda sou do tempo em que os U2 eram magros. E genuínos.

 

 

 

 

Dia da Europa

por josé simões, em 09.05.18

 

afd.jpeg

 

 

bnp.jpg

 

 

Fdi-Azione-nazionale.jpg

 

 

FN.jpg

 

 

FPOe-Die-soziale-Heimatpartei.jpg

 

 

jobbik.jpg

 

 

logo_udc_blanc.jpg

 

 

 

Polonia (1).jpg

 

 

[Dia da Europa]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 06.03.18

 

clown (2).jpg

 

 

"A Europa ficou muito desiludida com Itália" diz, sem se rir, Frans Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia, e sem perceber que o resultado destas eleições é consequência da Itália ter ficado muito desiludida com a Europa.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 09.02.18

 

Ai Wei Wei cover Focus magazine from Germany (1).jpg

 

 

A capa da Focus, Alemanha, assinada por Ai Weiwei.

 

 

 

 

Siga para fim-de-semana

por josé simões, em 30.11.17

 

Tara Wray.jpg

 

 

Mário Centeno, ministro das Finanças de um Governo, parafraseando a direita radical, constituído, contra a tradição, por um partido que não ganhou as eleições, é candidato a um cargo que legalmente não existe nem é consignado em nenhum tratado europeu, e que, oficialmente, define a política económica dos governos dos diversos estados europeus, eleitos em eleições livres e democráticas. Siga para fim-de-semana.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Europa, século XXI

por josé simões, em 05.06.17

 

1.jpg

 

2.jpg

 

3.jpg

 

4.jpg

 

5.jpg

 

6.jpg

 

7.jpg

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

Europa, século XXI

por josé simões, em 25.05.17

 

 

 

[Via]

 

 

 

 

 

Tempos que correm

por josé simões, em 14.05.17

 

angst.jpg

 

 

Angst

 

[Daqui]

 

 

 

 

 

Dear Europe

por josé simões, em 30.03.17

 

 

 

Dear Europe is a collaborative video about the upcoming European elections and how lessons gleaned from Brexit and Trump, might relate. The piece was made by artists who call the US and the UK home. Turn on closed captions for French, Dutch and German and Italian!

Our hope was to impress upon our friends in Europe that the future is written by those who vote.