Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Do Estado de direito em Angola

por josé simões, em 01.06.18

 

 

 

Via Rafael Marques, execução extra-judicial pelo Serviço de Investigação Criminal do "país irmão" que consegue a proeza de ser governado pelo "partido irmão" [PCP] ao mesmo tempo que tem assento na Internacional Socialista [PS]. É obra.

 

 

 

 

 

Andaram todos na mesma escola

por josé simões, em 08.02.17

 

 

 

Ainda na história recente de Portugal tivemos um Governo formado por dois partidos em coligação que passava os dias a acusar o Tribunal Constitucional de ser um "tribunal político" [no shit?!] e de pôr em causa o "ajustamento" da economia, as "reformas estruturais" [sic] e os "sacrifícios" do [bom] povo português.

 

Donald Trump acusa os tribunais americanos de estarem politizados e de porem em causa a segurança do país

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

||| Os custos de viver numa democracia e num Estado de direito

por josé simões, em 20.04.16

 

hitler mickey.jpg

 

 

Até os vermes, que têm como objectivo único a supressão da democracia e a destruição do Estado de direito, podem recorrer das decisões judiciais em pé de igualdade com os outros seres humanos e com quem aspiram liquidar, e serem julgados, com isenção, por aqueles que seriam as suas primeiras vítimas [ver "Justiça Nazi, a lei do holocausto", Richard Lawrence Miller, Editorial Notícias, ou até mesmo Sebastian Haffner em "História de Um Alemão", Dom Quixote].

 

 

 

 

||| «Haja pudor e decência»

por josé simões, em 15.03.16

 

The-Rules-Of-The-Red-Light-District.jpg

 

 

Do Estado de direito e da separação de poderes ou a Rui Machete School of Politics and International Relations:


«O Jornal de Angola elogiou a postura de Paulo Portas que este fim de semana, no seu último discurso como lider do CDS-PP, alertou para o perigo da judicialização das relações entre Portugal e Angola, que apontou como um "caminho sem retorno"»


[Imagem]


Haja pudor e decência», pediu Portas, criticando os que, este domingo, vão receber o presidente de Angola como se fosse um democrata, [...] e não dirigisse um país onde os dirigentes gozam de opulência, luxo e riqueza enquanto o povo está entregue à fome e à miséria»"

 

 

 

 

||| O Estado de Direito explicado às criancinhas e outros analfabetos

por josé simões, em 18.06.14

 

 

|| O regresso do totalitarismo

por josé simões, em 06.11.13

 

 

 

Primeiro a captura do poder político pelo poder económico, com a cumplicidade e o aval do poder político vigente:

 

«A Comissão Europeia aceita que Portugal não cumpra a meta do défice este ano devido à injecção de capital no Banif […] mas não aceita qualquer derrapagem provocada pelo Tribunal Constitucional»

 

Depois a destruição do Estado pelo poder político totalitário [eleito pelo voto popular em eleições livres e democráticas, sublinhar], nascido, criado e engordado na promiscuidade entre o público e o privado e no clientelismo partidário, na sombra do Estado que agora pretende destruir, com o álibi das obrigações a cumprir [o "honrar a palavra" e a "imagem no exterior"] para com o poder económico:

 

«O ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco, defendeu hoje a revisão da Constituição, argumentando que existe em Portugal a "tentação de um Estado totalitário" provocado por um "Estado social absorvente" que cria "promiscuidades", "clientelas" e "dependências".»

 

Senhoras e senhores, madames e monsieurs, ladies and gentlemans, bem-vindos à lei da selva.

 

[Imagem de Filippo Minelli]

 

 

 

 

 

 

 

|| Lições de Democracia

por josé simões, em 17.04.12

 

 

 

O Estado de Direito, e as instituições que criámos para o regular, têm destas coisas: um assassino confesso de 70 pessoas pode ir a tribunal, com orgulho, defender a sua “obra” e apregoar uma ideologia de ódio que, em última instância, visa a destruição desse mesmo Estado de Direito, ao passo que o juiz encarregue de o julgar não pode publicamente defender a aplicação de uma pena que nem sequer consta no ordenamento jurídico do país.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Dona Chica-ca, assustou-se-se

por josé simões, em 24.11.11

 

 

 

"Afonso Henriques ficaria preocupado" sim, mas com uma das fontes de corrupção da sociedade portuguesa que é a promiscuidade entre o Estado e o poder económico, mediada pelos escritórios de advogados, de onde as Donas Chicas deste país, depois de feito o tirocínio, saem para legislar no Parlamento sem que haja declaração ou conflito de interesses.

 

[Na imagem D. Afonso Henriques, escultura em bronze de Soares dos Reis]

 

 

 

 

 

 

2600 novos empregos

por josé simões, em 30.07.07

 Toda a universidade que se preze, principalmente as privadas que floresceram como cogumelos nos pinhais de Alcácer do Sal, tem o seu cursito de Direito. Tudo o que é candidato a universitário, e que não teve cabimento pela média das notas na universidade do Estado, vai “tirarDireito numa privada. Fale-se com alguém na casa dos 30 anos, ou dos trinta para cima, que resolveu voltar à escola, e Direito é o curso escolhido. Carvalho da Silva deve ser a excepção. Resultado: estamos em vias de nos transformar de um Estado de Direito, num Estado de formados em Direito.

É à luz deste fenómeno – dos formados em Direito – que deve ser vista a aparentemente “boa-ideia” da Ordem dos Advogados, em colocar um dos seus, 24 horas por dia nas esquadras. Sempre são mais cerca de 2600 novos postos de trabalho.

 

Leia-se o que vem hoje no SMS, aquela secção do Diário de Notícias em que os leitores enviam mensagens por telemóvel. Assinada por José Augusto Simões de Oeiras:

 

«Além de um advogado em cada esquadra, vamos colocar um licenciado em Finanças em cada repartição de Finanças, para defesa dos contribuintes. Desta forma ajudaremos a acabar com o desemprego de jovens licenciados sem saída profissional. À custa do contribuinte, claro.»

 

Gostava de ter sido eu a escrever isto.