Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A greve do PSD

por josé simões, em 08.02.19

 

Sem Título (1).jpg

 

 

Carlos Abreu Amorim, o residente no Porto eleito deputado do PSD pelo círculo eleitoral de Viana do Castelo, no Twitter a atirar areia para os olhos de quem quer levar com ela, misturando campanha eleitoral com greve, fazendo de conta que o problema é a "vaquinha", nome do crowdfunding antes de haver crowdfunding, e omitindo que a "vaquinha" de António Costa teve a exigência de identificação e recibo passado a todos os doadores.

 

Se dúvidas houvesse de que esta é uma greve de guerrilha orquestrada e delineada pelo PSD é tomar atenção nas redes às contas de deputados, apóstolos, ideólogos, aios e escudeiros, e liberais de pacotilha diversos da ala Passos Coelho, que agora só encontram virtudes no Serviço Nacional de Saúde que antes era para desmantelar e distribuir, com o patrocínio do erário público, pela excelência da iniciativa privada.

 

 

 

 

Greves inseparáveis

por josé simões, em 07.02.19

 

dead ringers.png

 

 

Depois de a TVI ter revelado uma gravação onde a senhora bastonária da Ordem dos Enfermeiros aparece a acertar estratégias com os sindicalistas, no telejornal da noite na SIC Notícias a senhora dirigente da Associação Sindical dos Enfermeiros utiliza uma expressão que diz tudo e que automaticamente posiciona o sindicato que dirige: "um Governo apoiado pela esquerda". Todas as greves convocadas pela CGTP são greves decididas na sede do PCP à Soeiro Pereira Gomes e que não levam em conta o país que quer trabalhar, nem têm respeito pelos outros cidadãos que, indirectamente e por tabela, se vêm envolvidos nestas manigâncias dos comunistas e dos funcionários públicos, calaceiros que não podem ser despedidos e que vivem bem a expensas do erário público e de todos os outros que se levantam cedo para ir trabalhar, isto só para utilizar alguns dos argumentos a que a direita radical recorre de cada vez que há uma greve que lhe escapa ao controlo. Os enfermeiros terem uma bastonária industriada em S. Caetano à Lapa, e sindicatos por "enfermeiro quadrado" a orquestrarem greves alimentadas por donativos "Jacinto Leite Capelo Rego" é "a justa luta dos enfermeiros" inserida no legítimo direito à greve, que não causa prejuízo a ninguém, nem aos próprios, sem a noção do ridículo, ou do insulto, ao tal do país que se levanta cedo para ir trabalhar, que são os 57 anos para a idade de reforma e um aumento de 400 € de salário. Vai-se ver e, tudo isto dito e reivindicado, a grande maioria até é contra a legalização das drogas...

 

[Imagem]

 

 

 

 

Jacinto Leite Capelo Rego*

por josé simões, em 14.12.18

 

Adrian Wilson.jpg

 

 

"Campanha para financiar a greve dos enfermeiros angariou quase 14.500 donativos e 360 mil euros, tendo batido por uma larga margem todos os recordes da plataforma PPL, que ocupa 80% deste mercado."

Greve dos enfermeiros bate recorde de crowdfunding

 

[Imagem]

 

*Jacinto Leite Capelo Rego

 

 

 

 

A luta contínua*

por josé simões, em 09.12.18

 

Marco-Cavaco.jpg

 

 

Não está em causa o direito à greve, nem a justeza das reivindicações, ou sequer a possibilidade de haver greves mais justas que outras greves. O que aqui está em causa é a memória ou a falta dela, coisa para a qual nos idos de antes de haver Internet os "mais esquecidos" ou os mais sem vergonha na cara ainda podiam rebuscar uma desculpa, por implicar juntar montanhas de papel em casa ou, em alternativa, sair do remanso e fazer deslocações ás bibliotecas municipais para seleccionar artigos de opinião nos jornais, tirar fotocópias, tomar notas, etc. um trabalho do caraças. Agora tudo é mais, muito mais fácil, basta ir ao Google e procurar o que foi dito sobre as greves durante a vigência do Governo da direita radical PSD/ CDS por ministros, secretários de Estado, jornalistas avençados ou simplesmente com a agenda definida nas redacções da imprensa independente do estado mas subjugada aos interesses de agentes económicos, por comentadeiros e paineleiros com avenças e lugar cativo nas televisões: a irresponsabilidade dos grevistas, a imagem de Portugal no estrangeiro, o prejudicar os outros cidadãos, honrados e trabalhadores, que veem a sua vida permanentemente num inferno, o descalabro da economia, a falta de respeito por doentes e pelo dinheiro dos contribuintes no Serviço Nacional de  Saúde, no privado isto não acontece, a mãozinha do PCP nos sindicatos. A mãozinha não, as duas mãos e os braços inteiros do PCP.

 

[*Contínua]

 

 

 

 

O partido das bastonárias

por josé simões, em 22.02.18

 

Sotrondio, Asturias, 1948. By photographer Valentín Vega..jpg

 

 

"A Ordem dos Enfermeiros (OE) adiantou entretanto que apoia esta greve". Ou, como nos disseram durante 4 anos Pedro Passos Coelho, Luís Montenegro, Teresa Leal Coelho, Duarte Marques, Hugo Soares, Duarte Pacheco e que me perdoem os que ficaram esquecidos, o PSD, o partido que sem respeito por ninguém se entretêm a convocar greves, por interpostas pessoas nos sindicatos [médicos] e nas ordens profissionais, alcandoradas em organizações sindicais, causando prejuízos imensos ao país e à economia e contratempos aos cidadãos cumpridores, que não vivem debaixo do guarda-chuva do Estado e que não se revêm nestas "malabarices" político-partidárias.

 

[Imagem "Sotrondio, Asturias, 1948", Valentín Vega]

 

 

 

 

||| Ainda que mal pergunte

por josé simões, em 06.04.16

 

 

 

Se o aumento do horário de trabalho para as 40 horas semanais não deu azo a despedimentos na Serviço Nacional de Saúde, em geral, e na classe dos enfermeiros, em particular, porque é que com o regresso às 35 horas semanais vai ser necessário contratar mais 1 500 enfermeiros e 800 auxiliares?


Que o ministro da Saúde diga que a carga horária é excessiva, que as equipas estão desfalcadas e que há um défice de profissionais de enfermagem no Serviço Nacional de Saúde ainda se aceita, por ser verdade e por estar por demais provado e, se calhar, era melhor o excelentíssimo ser assessorado por um profissional de comunicação que lhe ensine como as coisas devem ser ditas e explicadas porque isto assim soa a "mais despesismo socialista pago pelo contribuinte".

 

 

 

 

||| A falta de respeito

por josé simões, em 16.07.15

 

gesto.jpg

 

 

A falta de respeito do ministro da Saúde pelo dinheiro dos contribuintes e pelo sacrifico das famílias que, em 40 anos, construíram um dos melhores sistemas de saúde público da Europa e do mundo, conjugada com a falta de respeito do seu colega da Educação na destruição e desmantelamento de um dos também melhores sistemas de educação públicos da Europa, assente na mentira da excelência do privado.


Enquanto a Educação continuar a produzir os profissionais de que a Saúde precisa mas não contrata há que pôr as exportações "a bombar", parafraseando outro ministerial colega e que se lixem [também de ministro] os contribuintes e as famílias.

 

 

 

 

||| "O Governo não tem um modelo de salários baixos e de desemprego para o país" [*]

por josé simões, em 23.10.14

 

dados.jpg

 

 

E se há enfermeiros a ganhar «3,1 euros por hora, ainda sem descontos» é lá com eles, ninguém os obriga a aceitar o trabalho, podem sempre emigrar para Inglaterra, que paga bem e em libras. Ou criar uma empresa de colocação de enfermeiros em hospitais.e ganhar €690 por cada um.


[Imagem]


[*] "Está-nos a sair do lombo, está-nos a sair da pele."