Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Sign O' The Times, LVI

por josé simões, em 29.07.20

 

1 (85).jpg

 

 

2 (74).jpg

 

 

3 (67).jpg

 

 

4 (57).jpg

 

 

5 (55).jpg

 

 

6 (45).jpg

 

 

7 (45).jpg

 

 

8 (45).jpg

 

 

In Kashmir, the hills are alive with the sound of schooling.

Tauseef Mustafa, AFP Photo, Instagram

 

Sign O' The Times, Capítulo LV

 

 

 

 

Aulas de cidadania

por josé simões, em 22.07.20

 

joaninha.jpg

 

 

Os minions do Ventas do Chaga, mais alguns desiludidos do CDS à espera do descalabro eleitoral do Chicão para se assumirem de vez, que enxameiam o Facebook com teorias da conspiração, a maçonaria e o esquerdismo que querem dominar o mundo, o "marxismo cultural", upgrade do "bolchevismo mundial" e do "judaísmo internacional" na Alemanha dos anos 30 do séc. XX, e que agora começam a mudar-se de armas e bagagens para a coisa mais parecida que há com o hospício de Twelve Monkeys, o Parler, também conhecido por Fachobook, a pretexto da censura e da liberdade de expressão, saudosos do 24 de Abril, da lei e da ordem, cada macaco no seu galho, manda quem pode e obedece quem deve, o respeitinho é muito bonito, hordas de imbecis com "no tempo do Salazar é que era bom" mas que quando lhes tentam cortar o discurso do ódio, do racismo e xenofobia, desatam aos berros que "não senhor, não pode ser", que "querem que voltemos aos tempos do Salazar", que o Facebook é o Foiceburka, constantemente a linkarem artigos de opinião escritos no hospital de Voando Sobre um Ninho de Cucos ou na roda dos alucinados na prisão do Expresso da Meia Noite, onde Brad Davis foi andar em contra-mão e por isso expulso e apodado de comunista, publicados no Observador, o online da direita dita culta e inteligente, que não ousa pensar em privado o que a eles lhes é permitido dizerem em público e em voz alta, a tropa de choque que propicia na rua o ambiente para o Estado securitário e para o terrorismo de Estado quando a direita dita democrática chega ao poder, argumentam, uns e outros, com a liberdade de escolha e a objecção de consciência para as faltas dadas, e consequente chumbo de ano, na disciplina de Cidadania e Desenvolvimento - o quadro de honra vem à colação só para desviar atenções. Voltando ao início, os minions do Ventas do Chaga mais os Chicões desiludidos e órfãos, saudosos do Salazar e da Joaninha no Livro da 3.ª Classe contra a doutrinação pelo Estado e pelo "bolchevismo mundial" e o "judaísmo internacional" marxismo-cultural. E isto não é para rir, é que estes alucinados começam a sair da abstenção e a votar.

 

[Imagens]

 

 

 

 

Há dados estatísticos sobre as retenções/ chumbos no ensino privado?

por josé simões, em 05.11.19

 

leonard_joanne_Joe watching Sesame Street, West Newton, MA.jpg

 

 

Governo quer fim dos "chumbos" no ensino básico

 

[Imagem]

 

 

 

 

Sífisio, ano lectivo 2019 - 2020

por josé simões, em 15.09.19

 

stone backpack by Jana Sternback.jpg

 

 

Começa amanhã mais um ano lectivo e mais um ano em que nenhum Governo, ne-nhum Go-ver-no, se deu ao trabalho de arranjar uma solução para as mochilas Sífiso que todos os dias milhares de crianças e adolescentes carregam a caminho da escola.

 

[Imagem]

 

 

 

 

A bolsonorização do PSD

por josé simões, em 22.08.19

 

markmcevoy (1).jpg

 

 

Rui Rio, o dos timings que ele próprio marca, aquele que só reage quando acha que deve reagir, que não fala quando as televisões acham que deve falar e que que quando as televisões acham que deve falar fala em alemão, o que fica no Porto para responder dias depois a Lisboa; Rui Rio aparece na hora, qual Procissão Cristas de antes das eleições europeias, a surfar a onda histérica do trogloditismo cavernoso da direita radical que lhe tomou o partido por dentro nos idos de Passos Coelho e Miguel Relvas, agora chefiada por Miguel Morgado no "cinco para as sete"; Rui Rio a fingir que não leu o excelente trabalho de João Francisco Gomes no órgão oficial da direita radical, "Polémica sobre a identidade de género nas escolas. Afinal, o que diz a lei e o que pensam pais e directores?", subitamente remetido para os cus de Judas no online; o estranho caso de Rui Rio, o das posições "progressistas" no caso da interrupção voluntária da gravidez e do casamento entre pessoas do mesmo sexo; Rui Rio o desamarrado do poder e que não responde perante clientela nenhuma...

 

Em Agosto, a um mês do começo das aulas, o Governo faz um despacho de perfil bloquista, semeando a confusão nas escolas e nos pais. Um coisa feita da forma mais insensata que se pode imaginar. Tratam com a maior leviandade um assunto sério e revelam pouco respeito pelas crianças.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Entretanto no Brasil...

por josé simões, em 16.03.19

 

 

 

Iolene Lima, Secretaria-Executiva do Ministério da Educação e Ciência do Brasil.

 

 

 

 

La Convention Nationale

por josé simões, em 19.02.19

 

ExaminationLouistheLast.jpg

 

 

Quando a excepção define a regra:

 

Escolas francesas vão acabar com a utilização das palavras "pai" e "mãe". Objectivo é impedir que os casais do mesmo sexo se sintam ofendidos. Legislação já foi aprovada.

 

A seguir mudam o nome dos meses para Brumário, Germinal, Termidor, etc. Oh, attendez...

 

[Imagem]

 

 

 

 

Andaram todos na mesma escola

por josé simões, em 29.01.19

 

RicardoVelezRodriguez.jpg

 

 

Nas declarações do novo ministro da Educação do Brasil à revista Valor Econômico os mesmo princípios e a mesma argumentação usada pela direita radical com Nuno Crato na Educação: os chumbos a eito e a urgência em desviar alunos, ainda que precocemente, para o ensino profissional e para o mercado de trabalho, deixando a universidade à elite como nos idos de Salazar e Caetano. Nunca tiveram foi a coragem para o dizer com todas as letras.

 

[Via]

 

 

 

 

Portugueses de primeira

por josé simões, em 03.01.19

 

silence.png

 

 

Diz o constitucionalista que, por serem três regimes diferentes consoante as regiões do país: um na Madeira, outro nos Açores e um terceiro no continente, não haver dúvidas sobre a inconstitucionalidade do regime de reposição salarial dos professores ou, como resumiu Marques Mendes na avença semanal, não pode haver professores de primeira e professores de segunda. E portugueses de primeira e de segunda, pode? Portugueses que nunca verão reposta a sua vida suspensa ou desfeita desde os anos de José Sócrates primeiro-ministro até aos anos do fim do Governo da troika, pode? Portugueses de todos os sectores da economia vs. portugueses da administração pública, pode? Portugueses que vão continuar a pagar do esforço do seu trabalho, via impostos, até ao próximo descalabro onde invariavelmente verão a vida outra vez suspensa e desfeita, pode? E recomeçar tudo outra vez, as reclamações e os protestos dos injustiçados da sociedade, todos lhes devem, incluindo as badges no peito com o número de anos, meses e dias em dívida, pode?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Ainda a remodelação

por josé simões, em 15.10.18

 

Joseph-Beuys-Portrait-of-the-artist-by-Robert-Lebeck-1978.jpg

 

 

Se a remodelação abafou o Orçamento do Estado e o Orçamento do Estado já tinha abafado a demissão do ministro e a se amanhã há mais e a generalidade dos analistas e comentadores é unânime na avaliação a Marta Temido como a tentativa de acalmar a contestação e encontrar soluções, a manutenção de Tiago Brandão Rodrigues na Educação significa que a confrontação com a Fenprof é para levar até ao dia das eleições quando, pela primeira vez, começa a ser visível a hostilidade dos transeuntes no passeio, manifestada verbalmente às manifs dos profs que passam na avenida e que começam a perder a opinião pública?

 

[Imagem "Joseph Beuys, Portrait of the artist" by Robert Lebeck 1978]

 

 

 

 

E isto vale exactamente o quê?

por josé simões, em 06.07.18

 

Ristisaari-Finland-1974.jpg

 

 

"Quase 97% dos docentes não abdicam do tempo total de serviço, segundo o referendo da Fenprof". E vamos repetir com os bancários, com os empregados de mesa, com os estivadores, com os motoristas, com os canalizadores, com os desempregados, com os empurrados para fora do país, com os ______________ [preencher a gosto e consoante a necessidade], com todos os que viram a vida congelada durante o período da troika e que já não a recuperam nunca mais.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Com as calças do meu pai também sou um homem, vox pop

por josé simões, em 12.06.18

 

 

 

Contratos de associação. Mais dois colégios privados encerram portas devido aos cortes do Estado

 

Com as calças do meu pai também sou um homem, que é como quem diz, com o dinheiro do Estado, para fazer o que o Estado já faz com o dinheiro dos impostos, mais barato, com mais qualidade, sem a trafulhice das notas marteladas para as médias e para os rankings, também sou um empresário, de sucesso, criador de emprego e riqueza e o coise.

 

 

 

 

Plasticina

por josé simões, em 05.06.18

 

plasticine model joana ullan vieira.jpg

 

 

Andámos anos a ouvir a direita no poder, e às vezes também o PS, a acusar a Fenprof, os sindicatos, os professores, o comissário Mário Nogueira, a mando da CGTP, a mando do PCP, de irresponsabilidade pela marcação de greves por alturas das provas de avaliação e exames. Hoje ouvimos todos a direita na oposição, pela boca de Assunção Cristas do CDS, no debate quinzenal no Parlamento acusar o ministro da Educação de irresponsabilidade por, com a sua intransigência em não ceder às reivindicações dos sindicatos, pôr em causa a avaliação dos alunos no final do ano lectivo. E isto é a chamada espinha dorsal de plasticina.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O numerus clausus da esquerda de que a direita não se lembrou primeiro

por josé simões, em 23.05.18

 

juxtapoz katowice.jpg

 

 

Isto do Interior e da desertificação do Interior e da discriminação positiva e blah blah blah é tudo muito bonito, sim senhor, e nem sequer vamos falar das medidas tomadas e das políticas implementadas em quase 50 anos de democracia por quem teve e tem e vai continuar a ter responsabilidades governativas e que levaram a que as pessoas fugissem a sete pés do interior do país para o litoral ou para a emigração - encerramento de escolas, tribunais, hospitais, postos de saúde, repartições públicas, postos dos correios, agências bancárias e o coise, e não se dando por contentes, os mesmos das tais políticas, cortam agora as vagas nas universidades e politécnicos do litoral para as abrir no tal dito interior, onde as vagas nunca são na totalidade preenchidas e onde cursos há que nem sequer chegam a abrir, para dificultar ainda mais o acesso das classes baixas e médias ao ensino superior, porque uma coisa é uma família de Setúbal ou de Sesimbra ou de Almada, por exemplo, ter um filho ou dois a estudar numa universidade ou politécnico no distrito, ou até mesmo em Lisboa, outra coisa completamente diferente é a mesma família ter a descendência a tirar o curso em Beja ou na Guarda ou em Portalegre ou na Covilhã, com a acção social miserável que temos e com o preço das rendas e alimentação e transportes, porque as propinas a roupa e as sebentas não entram agora aqui, e despesas com a saúde não há-de ser nada se Deus quiser.

 

Era só o que faltava um numerus clausus instituído por um Governo do Partido Socialista apoiado pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda. A direita não faria melhor e Nuno Crato até se deve estar a roer de inveja por nunca se ter lembrado de tal coisa. O filho do doutor é doutor e o filho do pedreiro é pedreiro e vai mas é trabalhar malandro, manda qujem pode obedece quem deve. Tudo está bem quando acaba bem.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não há dinheiro para nada. Capítulo II

por josé simões, em 28.03.18

 

A líder do CDS-PP reafirmou o apoio do partido à manifestação dos colégios privados que se realizou esta tarde em Lisboa. Assunção Cristas defende que em alguns casos possa ser a escola pública a sacrificada, em vez de apenas os colégios privados.

 

 

colégios privados.jpg

 

 

Não há dinheiro para nada, qual foi a parte que não perceberam?

 

[Imagem]