Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A oportunidade dos patrões

por josé simões, em 02.11.22

 

45045104-1905306276172225-8255206856952119296-n.jp

 

 

Patrões dizem que semana de quatro dias é inoportuna

 

"Patrões dizem que um horário de trabalho é inoportuno".

"Patrões dizem que 8 horas de horário de trabalho é inoportuno".

"Patrões dizem que um dia de descanso semanal é inoportuno".

"Patrões dizem que dois dias de descanso semanal é inoportuno".

"Patrões dizem que duas semanas de férias é inoportuno".

"Patrões dizem que 22 dias de férias é inoportuno".

"Patrões dizem que férias pagas é inoportuno".

"Patrões dizem que atribuição de um 13.º mês é inoportuno".

"Patrões dizem que pagamento de subsídio de refeição é inoportuno".

"Patrões dizem que 3 meses de licença de maternidade é inoportuno".

"Patrões dizem que 120 dias de licença parental é inoportuno".

"Patrões dizem que 150 dias de licença parental partilhada é inoportuno".

 

E podíamos começar a contagem das inoportunidades, por exemplo, na Revolução Industrial, para não recuar muito no tempo, porque no que toca a terminar "o futuro a Deus pertence", como diz o povo, se é que alguma vez vão terminar. E o que falta ali atrás, que a descrição não é exaustiva.

E o problema nem é os patrões dizerem na câmara corportativ... concertação social o que lhes vai na real gana, o problema é os papagaios que não sendo patrões repetem o que os patrões dizem.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Há o jornalismo e há o filha da putismo

por josé simões, em 12.07.22

 

transferir.jpg

 

 

António Costa e o Partido Socialista governaram como a direita queria:

não se pôs um travão ao aumento das rendas de casa por ser um ataque ao investimento privado na recuperação dos imóveis urbanos, depois de décadas ao abandono e à degradação, nem nas outras rendas, as das energéticas e das PPP rodoviárias, por exemplo, que o Estado tem de honrar os compromissos e não pode dizer que agora afinal não senhor, acabou-se a mama;

não se taxaram as empresas com maiores lucros, nem com lucros conjunturais devido à pandemia ou à invasão russa da Ucrânia, que isto não é a União Soviética, nem o socialismo, nem tampouco a Venezuela, e ainda corríamos o risco de deslocalizarem para a Taprobana onde o mercado é mais liberalizado e amigo do investimento;

teve um arremedo de baixa de imposto sobre combustíveis, rapidamente absorvido pela margem de lucro das gasolineiras, e depressa deixou de ser uma vitória do Ilusão Liberal reclamada em cartaz na rotunda, para cair no esquecimento ou do "mais vale estar calado que fazer figura de urso" a reivindicar coisas que até um puto da primária percebe o logro;

deu 60 paus de ajuda alimentar a cada família carenciada enquanto os espanhóis se esticaram até aos 200, mas também não é por aí, que dar dinheiro vivo a calaceiros e manhosos é incentivo à chulice de quem não quer trabalhar e fazer pela vida, como defende a direita, e se têm fomeca está cá o Banco Alimentar e o voluntário Marcelo, que até sai mais barato ao Estado que sai do bolso e do bom coração dos compatriotas que recusam a lei da selva do direito do mais forte à sobrevivência, princípio ético e moral do liberalismo;

e o pasquim que passou 5 anos a acusar o PS de governar a toque de caixa dos parceiros da esquerda geringonça, a apontar os males que isso trazia, trouxe ao país, e com reflexos nas décadas vindouras, agora chora porque afinal os socialistas não governaram como os comunas e os esquerdalhos queriam que governasse.

 

A Judiciaria já fazia uma investigação, com um daqueles nomes pomposos, imagem de marca, que costumam abrir telejornais, tipo "Operação Papel para Forrar o Balde do Lixo", sobre como é que jornais que não vendem, i e Sol, por exemplo, estão sempre nas bancas e no online ao minuto.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

De segunda a quinta

por josé simões, em 03.06.22

 

Markéta Luskačová.jpg

 

 

Ainda me lembro do meu pai só ter um dia de folga por semana. E ainda me lembro do meu pai só ter 10 dias de férias por ano, não remuneradas. E não foi assim há tanto tempo quanto isso, foi até meados da década de 70 do século passado. Tudo em nome da produtividade, da economia, do crescimento, e do descalabro que seria para as empresas e para o país, por esta ordem, a irresponsabilidade das modernices dos dois dias de folga por semana e mais um mês de férias pagas, a dobrar por via do subsídio. E não foi assim há tanto tempo quanto isso, foi até meados da década de 70 do século passado.

 

Semana de trabalho de 4 dias só será estudada no privado

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A dona Maria Guilhermina explica

por josé simões, em 03.05.21

 

 

 

A dona Maria Guilhermina, da Casa Botónia no Porto, desmonta o parlapié da direita do tugão das empresas que criam riqueza, do cortar na massa salarial e do despedir em tempos de crise.

 

 

 

 

Foi para isto que os inventaram

por josé simões, em 14.04.20

 

tristan eaton.jpg

 

 

O senhor Saraiva da CIP acha que está na altura de voltarmos todos ao trabalho, a "reabertura da economia". O que senhor Saraiva da CIP não percebe é que sem pessoas não há economia. O senhor Silva da UGT também acha que está na altura de voltarmos todos ao trabalho, a "reabertura da economia". Ao contrário do senhor Saraiva da CIP, o senhor Silva da UGT não percebe nada de nada, que para perceber está lá o senhor Saraiva da CIP. E já lá vão 42 anos em que os senhores Silvas da UGT acham o que os senhores Saraivas da CIP acham o que eles devem achar. Foi para isso que os inventaram.

 

[Imagem]

 

 

 

 

A culpa é da falta de "liberdade económica". A sério?

por josé simões, em 09.10.19

 

"Desde a década de noventa privatizaram quase tudo o que havia para privatizar - empresas industriais, bancos, seguradoras, empresas de transportes e de energia, até o tratamento de resíduos.

 

Liberalizaram o sistema financeiro e a circulação de capitais, resultando no aumento explosivo do endividamento privado.

 

Desregulamentaram por três vezes as leis do trabalho, facilitando os despedimentos, os horários flexíveis e os contratos atípicos.

 

Escancararam as portas aos privados na saúde e na educação.

 

Abdicaram de uma moeda própria, deixando o financiamento do Estado nas mãos de especuladores internacionais.

 

Agora vêm dizer que o mau desempenho da economia portuguesa nas últimas décadas se deve a falta de "liberdade económica" e ao excesso de intervenção do Estado. A sério?"

 

 

               Ricardo Paes Mamede no Ladrões de Bicicletas

 

 

 

 

Antigamente "industriais" e "agrários", hoje "empresários"

por josé simões, em 06.09.18

 

Clay Lipsky & Greg Mac Gregor .jpg

 

 

Quando vos disserem que em Portugal temos de trabalhar o dobro das horas dos alemães para produzir a mesma coisa, que a baixa produtividade é um entrave ao crescimento económico, à criação de riqueza e ao desenvolvimento do país, o item que impede Portugal dar definitivamente o salto para o pelotão da frente das economias mais desenvolvidas da Europa, por culpa dos trabalhadores que em França, no Luxemburgo, na Alemanha, na Suíça, na Bélgica, em Inglaterra, nos Estados Unidos, em qualquer sítio do mundo para onde emigrem, são considerados os melhores trabalhadores do mundo, lembrem-se disto:

 

 

"Patrão dos patrões despediu e também aderiu ao PER"

 

A Metalúrgica Luso-Italiana, de António Saraiva, presidente da CIP, recorreu ao PER. Promoveu um despedimento colectivo, vai vender as instalações fabris em Arruda dos Vinhos e promete pagar o que deve em 10 anos

 

 

 

"Tribunal decreta "liquidação e encerramento" da Associação Industrial do Minho"

 

O Tribunal de Vila Nova de Famalicão decretou hoje a "liquidação e encerramento" da Associação Industrial do Minho (AIMinho) depois de a assembleia de credores ter rejeitado um plano para recuperar a instituição da insolvência

 

 

Um tempo houve onde onde os pantomineiros fura-vidas eram agrupados por categorias consoante o ramo da actividade económica a que se dedicavam: ou industriais ou agrários. Depois, com a revolução de Abril, a coisa democratizou-se e e o termo "empresário" tornou tudo mais abrangente e ao mesmo tempo inócuo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O socialismo, o comunismo, o esquerdismo, o aumento do salário mínimo e a reversão das reformas estruturais, Capítulo III

por josé simões, em 28.02.18

 

Communism is our banner..jpg

 

 

"Dívida pública cai mais: recuou para 125,6% em 2017"

 

É preciso recuar a 2011 para encontrar um rácio da dívida pública no PIB mais baixo

 

 

"INE confirma maior crescimento da economia em 17 anos"

 

Investimento sobe 9%, melhor marca de duas décadas. Exportações avançam 7,9%, mas importações também. Consumo estável nos 2,2%

 

 

"Taxa de desemprego no valor mais baixo desde 2004"

 

O Instituto Nacional de Estatística (INE) publicou nesta quarta-feira os números finais do desemprego relativos a Dezembro de 2017 que dão conta de uma revisão face à estimativa provisória divulgada no mês passado

 

 

 

 

O socialismo, o comunismo, o esquerdismo, o aumento do salário mínimo e a reversão das reformas estruturais

por josé simões, em 14.02.18

 

chemamadoz.jpg

 

 

Economia portuguesa cresceu 2,7% em 2017, o ritmo mais rápido desde 2000

 

[Imagem]

 

 

 

 

O excelentíssimo senhor Governador do Banco de Portugal

por josé simões, em 02.01.18

 

bat-kite.jpg

 

 

O excelentíssimo senhor Governador do Banco de Portugal consegue gastar 8 561 [oito mil quinhentos e sessenta e um] caracteres na mensagem de Ano Novo onde perora desde o crescimento da economia à sustentabilidade do Estado social, passando pela dimensão do Estado que temos comparativamente com a riqueza que criamos [um "viver acima das nossas possibilidades" dito de outra maneira para não agitar fantasmas] até ao endividamento público e privado e aos baixos níveis de investimento empresarial, sem nunca referir a transformação da dívida privada em dívida pública ocorrida na Europa nos últimos 7 anos; sem nunca referir o resgate dos bancos privados pelos contribuintes [o maior e mais importante durante o seu mandato] através da carga fiscal e desviando recursos do Estado social, essenciais a sectores como a saúde, educação e a segurança social; sem nunca referir as privatizações ao preço da uva mijona de sectores estratégicos do Estado; sem nunca referir uma economia assente na distribuição de mais-valias milionárias aos patrões e accionistas, assente nos baixos salários e precariedade e sem investimento reprodutivo. Chapéu, excelentíssimo senhor Governador!

 

[Imagem]

 

 

 

 

O processo criativo

por josé simões, em 26.05.17

 

The_Creative_Process David Lyle.jpg

 

 

Para não nos tomarem a todos por parvos, explicavam-nos, por A + B, relação causa-efeito, com números e gráficos, pode ser mesmo em economês, como é que as 'reformas' levadas a cabo pelo Governo da direita radical tiveram como consequência o crescimento económico e o aumento das exportações, e a gente até faz o favor de esquecer que as 'reformas' levadas a cabo pelo Governo da direita radical foram revogadas, 'deitadas abaixo' pelo 'Governo das esquerdas', segundo a narrativa da direita radical apeada do Governo.

 

[Imagem "The Creative Process" by David Lyle]

 

 

 

 

 

O regresso da múmia

por josé simões, em 24.05.16

 

Vintage_Cinema__The_Mummy.png

 

 

Dando como exemplo ele próprio – que não é político, nunca foi político nem nunca será político, e o mal-baratar de milhões e milhões em fundos comunitários – o novo ouro do Brasil, como lhe chamaram; uma rede de compadrio e corrupção, a destruição do tecido produtivo do país, com o sector da agricultura e o  das pescas à cabeça – pagar para abater e não produzir; a aposta no betão em detrimento do caminho-de-ferro; o investimento massivo em infra-estruturas no litoral do país e o abandono do interior; a criação e a engorda do "monstro". Realmente é preciso ter uma lata tamanho do mundo...


"a política económica é demasiado importante para ser deixada aos políticos" e "basta ver o que aconteceu na Grécia", depois da governação de partidos da minha [dele] área política, referindo-se à Nova Democracia das contas maquilhadas e do défice escondido.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Descubra as diferenças

por josé simões, em 30.03.16

 

John Miller, Richard Hoeck at Johann Widauer.jpg

 

 

Descubra as diferenças [ou o nosso homem no Banco de Portugal].

 

"Banco de Portugal piora previsões para a economia este ano"


"Índice de Produção Industrial manteve variação homóloga positiva"


"Vendas no Comércio a Retalho aceleraram"


"Os empresários portugueses continuam confiantes na evolução da economia portuguesa"


[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| As reformas que ficaram por fazer

por josé simões, em 29.02.16

 

 

 

Reduzir os custos do trabalho, cortar 600 milhões de euros nas pensões a pagamento, transformar a sobretaxa de IRS e os cortes nos rendimentos de temporários em permanentes.


"Mais consumo privado e público explica crescimento de 1,5% em 2015"


"Social-democracia, sempre!"


[Imagem]

 

 

 

 

||| Vem aí o comunismo

por josé simões, em 15.10.15

 

Schekoldin.jpg

 

 

«Lisboa em alta em dia de ganhos na Europa»


«Moody’s melhora perspectiva da banca portuguesa para "estável"»


[Imagem]