Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Da fronteira entre o dumping e a xenofobia

por josé simões, em 19.03.08

 

Com outros actores, com outros figurantes e com outros figurões; este é um filme em exibição há largos anos no nosso país. Diria mesmo, em sessões contínuas. Só que por cá, talvez fruto da matriz internacionalista-proletária dos sindicatos pátrios, nunca se ousou usar o termo «dumping laboral», quando se fala em brasileiros, moldavos, ucranianos, e outros desgraçados imigrantes que sofrem na pele o empreendedorismo do empresário lusitano da construção, convenientemente encostado e amparado pelo Estado.
 
Por cá – honra seja feita à CGTP –, prefere-se reivindicar para os imigrantes melhores condições de trabalho; melhores condições remuneratórias, sem discriminar quem nasceu cá, de quem foi “importado”. Ninguém tem culpa de ganhar mais, mesmo que esse “mais” afinal seja “menos”. Ou antes; há um culpado, daí a máxima “Proletários de todo o mundo, uni-vos!”.
 
O que Le Pen não dava para ter um Xosé Melón!
 
 
(Na foto a primeira edição do Manifesto do Partido Comunista via Mary Evans Picture Library)