Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

No tempo do coise é que era bom

por josé simões, em 25.04.19

 

1 (6).jpg

 

 

3 (7).jpg

 

 

2 (7).jpg

 

 

7 (6).jpg

 

 

4 (6).jpg

 

 

8 (3).jpg

 

 

5 (6).jpg

 

 

9 (2).jpg

 

 

6 (5).jpg

 

 

10 (1).jpg

 

 

11 (1).jpg

 

 

12 (1).jpg

 

 

13 (1).jpg

 

 

 

 

25 de Abril de 2018

por josé simões, em 25.04.18

 

25Abril2018.jpg

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

25 de Abril de 1974 - 25 de Abril de 2018

por josé simões, em 25.04.18

 

Fábrica1ºMarçoRuaCamiloCasteloBrancoSetúbal.jpeg

 

 

[Na imagem o grafitti político mais antigo da cidade de Setúbal, pintado logo na noite de 25 de Abril de 1974, na parede da fábrica de conservas 1.º de Março na Rua Camilo Castelo Branco].

 

 

 

 

União Nacional

por josé simões, em 25.04.17

 

tears.jpg

 

 

E ao segundo ano a 'Geringonça' produziu o 25 de Abril mais insonso de que há memória em 42 anos de comemorações.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

25 de Abril sempre

por josé simões, em 25.04.17

 

1.jpg

 

 

[Na imagem aquele que provavelmente é o graffiti político mais antigo da cidade de Setúbal, surgido logo na manhã do dia 26 na parede da então fábrica de conservas 1º. de Março à Rua Camilo Castelo Branco]

 

 

 

 

||| "O começo da alvorada democrática"

por josé simões, em 25.04.16

 

 

 

"O Presidente da República vai condecorar Fernando Salgueiro Maia com a Ordem do Infante D. Henrique"

 

 

 

 

||| Falar do 25 de Abril por obrigação

por josé simões, em 25.04.16

 

Eduardo Gageiro.png

 

 

O que pensar, 42 anos depois, da direita – PSD e CDS, na casa da democracia – a Assembleia da República, em discursos evocativos do 25 de Abril e da liberdade e da democracia e blah-blah-blah, amiúde interrompidos pelas respectivas bancadas parlamentares com muitos aplausos, sentados, mudos e quedos, mãos escondidas debaixo dos tampos das bancadas quando a segunda figura do Estado – o presidente da Assembleia da República agradeceu aos capitães de Abril pelo 25 de Abril, sentados, mudos e quedos, mãos escondidas debaixo dos tampos das bancadas quando a primeira figura do Estado – o Presidente da República, oriundo da sua área política e filho de um ministro da ditadura derrubada pelos capitães de Abril, agradeceu aos militares pelo 25 de Abril e pela liberdade e pela democracia e blah-blah-blah devolvida aos portugueses e que a direita – PSD e CDS evocaram minutos antes. O que pensar desta direita – PSD e CDS que no dia da liberdade vêm falar do 25 de Abril por obrigação? O que pensar?


[Imagem de Eduardo Gageiro]

 

 

 

 

||| 25 de Abril de 1974 – 25 de Abril de 2016

por josé simões, em 25.04.16

 

Abel Manta cartaz 25 Abril.jpg

 

 

[Cartaz de João Abel Manta]

 

 

 

 

||| Fim-de-semana

por josé simões, em 26.04.15

 

Ser Fascista ~ Artur Gonçalves.jpg

 

 

Este fim-de-semana foi assim.


Ser Fascista ~ Artur Gonçalves


[7" vinyl]

 

 

 

 

||| A lição de democracia

por josé simões, em 25.04.15

 

1976_MRPP_O_povo_vota_Eanes.jpg

 

 

A lição de democracia dada, pro bono, a Cavaco Silva no dia 25 de Abril de 2015 pelo primeiro Presidente da República eleito democraticamente por sufrágio universal após o 25 de Abril de 1974 e que a direita, em geral, e Cavaco Silva, em particular, gostam de recordar como um homem do 25 de Novembro de 1975.


"A democracia é a crise, é o conflito entre as ideias - todas elas dirimidas democraticamente. O consenso absoluto é difícil. Há investidas que não são razoáveis, mas é necessário que o regime saiba resolver essas situações"


[Imagem]

 

 

 

 

||| 25 de Abril de 1974 – 25 de Abril de 2015

por josé simões, em 25.04.15

 

Eduardo Gageiro - 25 de Abril de 1974.jpg

 

 

[Imagem de Eduardo Gageiro]

 

 

 

 

|| Impeachment!

por josé simões, em 25.04.13

 

 

 

Tocou o hino, discursaram os deputados em representação dos partidos, discursou a presidente da Assembleia da República, discursou, pela primeira vez e quebrando o protocolo, o chefe do Governo e o chefe da facção:

 

«As eleições não interessam para nada, o que conta é o memorando com a troika. As concepções ideológicas não interessam para nada, o que conta é o Tratado Orçamental. É preciso consenso político, o meu Governo é que sabe».

 

No dia 25 de Abril, no dia da Liberdade, na celebração do dia que restituiu a liberdade aos portugueses, "de nada valem as eleições, de nada vale a democracia", pela boca de um presidente [com pê pequeno] na casa que simboliza a Democracia devolvida pelos capitães ao povo há 39 anos.

 

Miserável.

 

[Imagem "#25abril Os cravos à frente de Cavaco Silva caíram ao chão…", via]

 

 

 

 

 

 

 

|| O Capitão

por josé simões, em 25.04.13

 

 

 

"Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados sociais, os corporativos e o estado a que chegámos. Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o estado a que chegámos! De maneira que, quem quiser vir comigo, vamos para Lisboa e acabamos com isto. Quem for voluntário, sai e forma. Quem não quiser sair, fica aqui!"

 

Madrugada de 25 de Abril de 1974, parada da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém.

 

[Imagem de Carlos Gil]

 

 

 

 

 

 

|| Da cobardia

por josé simões, em 24.04.13

 

 

 

Além da maçada que é para o actual poder político [Presidente da República e Governo] celebrar a Liberdade, o Dia da Liberdade, e ouvir o povo olhos nos olhos, saudosos que são do respeitinho e da vénia com a espinha bem dobrada.

 

[Imagem]

 

Adenda: Se dúvidas houvessem de que o actual poder instalado não é representativo da vontade popular, a presidente da Assembleia da República fez questão de nos lembrar e confirmar.

 

 

 

 

 

 

|| E a puta que os pariu?

por josé simões, em 25.04.12

 

 

 

Entre outras, "Donos da Liberdade" e "Donos do 25 de Abril", foram expressões inventadas, com o intuito de desvalorizar a real importância da data na História de Portugal e na vida dos portugueses, por aqueles que sempre pactuaram com a ditadura do Estado Novo, que não perdoam aos capitães o terem devolvido ao povo o poder de dizer de sua justiça, e a quem sempre fez muita confusão os macacos não continuarem todos arrumadinhos, cada um no seu galho.

 

[Imagem]