Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

No comboio descendente

por josé simões, em 21.08.18

 

gelado.jpg

 

 

É assim que as coisas funcionam: primeiro nomeamos [nomeiam] um militante [Manuel Queiró] administrador duma empresa pública que, por inação ou por aplicação do princípio "muita parra e pouca uva" ou "muito barulho para nada", leva à gradual degradação e desvalorização da empresa, depois é alegar que os privados fariam melhor que o Estado e meter o contribuinte a pagar a privatização da empresa. Saiu-lhes as contas furadas, com o PCP e o Bloco a forçarem o Governo da 'Geringonça' e, no comboio descendente, já não vir ninguém à gargalhada.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Da série "Aliviar o Peso do Estado na Economia"

por josé simões, em 09.06.16

 

sergio-monteiro-e-maria-luis-albuquerque.jpg

 

 

"Em Julho do ano passado, o TdC [Tribunal de Contas] recusou o visto a 11 contratos entre a CP e a Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF), no valor de 354 milhões de euros, por terem sido negociados num momento em que decorre a privatização da EMEF.


O TdC considerou que estes contratos, cuja duração chega aos dez anos, poderiam dar vantagem aos investidores privados que ficarem com a EMEF, conferindo-lhes receitas garantidas por um largo período de tempo."


O Tribunal de Contas [TdC] recusou visto a 46 contratos em 2015, com base em "ilegalidades detectadas" e que inviabilizaram a despesa pública de 393,9 milhões de euros, mais do que o dobro do valor registado em 2014.

 

 

 

 

||| Já vai haver sermão e missa cantada

por josé simões, em 26.12.15

 

bilhetes cp.jpg

 

 

Anda a direita, das contas bem feitas e do não viver acima das nossas possibilidades e de despachar empresas do Estado e do cortar em tudo o que seja função social do Estado porque no privado é que está a virtude e o que se corta no Estado transfere-se do Orçamento para o privado mesmo que implique duplicar funções, toda em polvorosa por a CP ir repor um direito que tinha sido esbulhado aos trabalhadores, com base na tal da governação ideológica, como muito bem avisou Cavaco, O Avisador, até que o "momento social e político permitisse a sua reposição", que é como quem diz até que o Governo da direita fosse à viola, direito que nunca foi suspenso nas empresas privadas de transportes: o direito dos cônjuges e filhos, enquanto estudarem e não "em idade escolar" como diz a notícia, viajarem gratuitamente, porque a empresa é deficitária e paga pelo contribuinte que pode pagar transferências do Orçamento do Estado para IPSS e subsidiar emprego no privado, mascarado de formação e estágios e pagar a recapitalização da banca privada mas não pode pagar bilhetes de comboio a cônjuges e filhos porque, a direita, das contas bem feitas e do não viver acima blha-blah-blah, não gosta de borlas em empresas do Estado, deficitárias, com excepção dos carros topo de gama, alguns com motorista, dos administradores formados na Universidade do Cartão do Partido e nomeados para a empresa pela direita no Governo, o PSD e o CDS.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Outros arquitectos de regime

por josé simões, em 23.06.15

 

Albert_Speer.jpg

 

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| Da série "O que é que andaram a fazer os accionistas e os gestores" da PT?

por josé simões, em 02.05.15

 

cavaco_silva.jpg

 

 

«"O nosso estudo indica que o modelo de afectação de subsídios apresenta correlação directa com o desempenho do sistema ferroviário", [...].


Para os sistemas ferroviários europeus, os subsídios públicos apresentam-se assim como essenciais para que a sociedade deles tire o máximo partido. Uma conclusão prática que contraria o paradigma dominante na União Europeia de que a liberalização do transporte ferroviário e o afastamento do Estado conduziria à sua optimização.»


«Um estudo da Boston Consulting Group diz que há uma correlação entre a performance dos sistemas ferroviários nacionais e a quantidade de fundos públicos que lhes são atribuídos.»

 

 

 

 

|| As palavrinhas mágicas

por josé simões, em 12.08.13

 

 

 

As palavrinhas mágicas podiam ser "parceria público-privada", o que, na boca deste Governo, não deixa de ser mais uma entrada directa para o top of the pops das "Coisas Verdadeiramente Fantásticas". Podia ser mas não é. As palavrinhas mágicas são "executivo generoso", "preço dos bilhetes", "despedimentos", "novas contratações", num modelo de concessão e gestão proposto pelo interessado.

 

Está delineada e definida a estratégia para a privatização da CP: amputá-la cirurgicamente dos troços comercialmente mais rentáveis ficando para o Estado o que sobra, com o encerramento como destino traçado, porque "não há dinheiro para nada", e o prejuízo para as populações.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| E os parolos batem palmas

por josé simões, em 02.02.13

 

 

 

Como o dinheiro não chega para tudo, ou como não há dinheiro para nada, como queiram, para que as administrações de nomeação política, e respectivos familiares, continuem a viajar em topo de gama, novo todos os anos, e a usufruir de cartões de crédito, telemóveis, e outros direitos adquiridos inerentes às administrações de nomeação política, há que poupar nas viagens dos funcionários e respectivos familiares.

 

Uma medida absolutamente inócua do ponto de vista da gestão da empresa e dos resultados operacionais, populista q. b., lançada para a opinião pública com uns pozinhos de perlimpimpim à mistura – até o Rei anda à borla de comboio! , para disfarçar a incompetência e os erros de gestão, ao mesmo tempo que desperta alguns dos instintos mais recalcados da populaça – a inveja e a maldade, que não consegue ir mais além e ver na medida o valor simbólico da punição e da subjugação.

 

E os parolos batem palmas, muitas, sem perceber que foi aberta a caixa e que a seguir são eles, por mais ínfima que seja a garantia ou o direito.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O presidente da comissão liquidatária

por josé simões, em 10.01.13

 

 

 

Pós-graduação e mestrado em transportes na universidade do cartão do partido.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Mais triunfo da forma sobre o conteúdo

por josé simões, em 25.10.12

 

 

 

"a legislação portuguesa submeteu a CP a um controle externo de natureza política []". Ficamos todos muuuuuito mais descansados, pode o Governo continuar a nomear conselhos de administração, com licenciatura e mestrado feitos na universidade do cartão do partido, que não há controlo, nem interno nem externo, da empresa e que daí não vem grande mal, à CP, aos utentes, e ao dinheiro do contribuinte, não necessariamente por esta ordem. Uns Einsteines, estes senhores do Tribunal de Justiça da União Europeia.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Visão estratégica

por josé simões, em 17.12.11

 

 

 

É ter um aeroporto novinho a estrear, numa cidade a meio caminho entre Lisboa e o Algarve e a poucos quilómetros da fronteira com Espanha, mas sem ligação por auto-estrada e por caminho-de-ferro.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Siga a banda

por josé simões, em 30.09.11

 

 

 

Enquanto o pessoal está entretido com duas velhas que viajam de borla entre os Prazeres e a Graça e mais um velho com artroses que poupa €10 na reforma por cortar o cabelo de borla, não repara nos administradores e gestores com o curso tirado na Universidade do Cartão do Partido que negociaram e assinaram as “regalias” reservando para si a fatia de leão: ordenados superiores ao ordenado de ministro, carro topo de gama, telemóvel última geração com chamadas ilimitadas, cartão de crédito, e bónus de gestão no final do ano apesar da empresa não ter apresentado resultados. Acho que não me esqueci de nada.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Qual foi a parte que eu não percebi?!

por josé simões, em 09.07.11

 

 

 

Regionalites futeboleiras à parte, confesso não conseguir perceber o “affair” Porto-Vigo. O contribuinte português paga uma ligação ferroviária, que dá um prejuízo mensal de €19. 600, sem que se perceba se serve para os espanhóis entrarem no país ou para os portugueses fugirem para Espanha. Aparentemente as duas hipóteses são válidas, se bem que a que nos possa favorecer economicamente [a entrada de espanhóis] só seja válida durante os meses de Verão, uma vez que a Renfe só suporta os custos até ao final de Setembro

 

O “affair” Porto-Vigo, e até prova em contrário, é um pouco como as portagens nas SCUT que são boas [por omissão, uma vez que não se ouve uma única voz de protesto do lado de cá da fronteira] na Galiza, e más, muito más, no Norte de Portugal [pela unanimidade de protestos que conseguiram gerar desde Aveiro a La Coruña].

 

Adenda: quando escrevia o post, o Word corrigiu-me "Porto-Vigo" para "Morto-vivo". Faz sentido.

 

 

 

 

 

|| «factos consumados»

por josé simões, em 05.07.11

 

 

 

Para alguns liberais de pacotilha o princípio do despesismo e da má gestão dos dinheiros públicos nas empresas públicas só se aplica na capital e zonas envolventes, dito de outra forma, o liberalismo acaba de Ílhavo para cima, para o caso, nas zonas de jurisdição das Associações de Futebol de Aveiro, Porto e Braga. O que os liberais de pacotilha nos deviam esclarecer era se, em caso de privatização, a empresa assegura a manutenção de um serviço com um prejuízo mensal de € 19.600. Aresposta é por todos conhecida: sim, desde que financiado pelo Estado.

 

Tinha destinatário certo o puxão de orelhas de Pinto da Costa quando referiu «os políticos que quando vão para a capital, desempenhar funções quer como deputados quer como governantes, se esquecem rapidamente de onde são provenientes».

 

(Imagem “Silent Comedy Barney Oldfield’s Race for a Life, 1913, dir. Mack Sennett)

 

 

 

 

 

|| O pormenor

por josé simões, em 26.05.11

 

 

 

É que para além do serviço prestado pela Fertagus, em termos de qualidade, conforto e segurança, ser infinitamente melhor que o prestado pela CP, os €62 de diferença no preço do título de transporte pagamos nós, contribuintes, quer sejamos ou não utentes do serviço, e que se calhar, bem feitas as contas, acabam por nos sair a nós, taxpayers (em inglês tem mais a ver com a realidade) por 100 ou mais euros porque, querer comparar a eficiência de uma empresa com a da outra, ao nível da produtividade versus numero de empregados e/ou gestores, é o mesmo que comparar o cu das calças com a Feira de Castro. Conversa da treta.

 

 

 

 

 

 

|| Visão estratégica

por josé simões, em 15.01.11

 

 

 

 

 

Um aeroporto que ainda não o é já leva uma previsão de derrapagem de €40 milhões, numa capital de distrito a pouco mais de 60 quilómetros da fronteira com Espanha que não é servida por auto-estrada e que vai perder a ligação directa por caminho-de-ferro com Lisboa.

 

I love this country!

 

(Imagem Circa 1890, Mexican Central Railway train at station. Dry plate glass negative by William Henry Jackson. Detroit Publishing Co.)