Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Sign O' The Times, CCXXII

por josé simões, em 06.03.22

 

0.jpg

 

 

1.jpg

 

 

2.jpg

 

 

3.jpg

 

 

4.jpg

 

 

5.jpg

 

 

6.jpg

 

 

7.jpg

 

 

8.jpg

 

 

9.jpg

 

 

10.jpg

 

 

11.jpg

 

 

12.jpg

 

 

13.jpg

 

 

14.jpg

 

 

15.jpg

 

 

16.jpg

 

 

17.jpg

 

 

18.jpg

 

 

19.jpg

 

 

20.jpg

 

 

21.jpg

 

 

22.jpg

 

 

23.jpg

 

 

24.jpg

 

 

25.jpg

 

 

26.jpg

 

 

27.jpg

 

 

28.jpg

 

 

29.jpg

 

 

30.jpg

 

 

31.jpg

 

 

32.jpg

 

 

33.jpg

 

 

34.jpg

 

 

35.jpg

 

 

36.jpg

 

 

37.jpg

 

 

38.jpg

 

 

39.jpg

 

 

40.jpg

 

 

41.jpg

 

 

42.jpg

 

 

43.jpg

 

 

44.jpg

 

 

45.jpg

 

 

46.jpg

 

 

47.jpg

 

 

48.jfif

 

 

49.jfif

 

 

50.jfif

 

 

51.jfif

 

 

52.jfif

 

 

53.jpg

 

 

54.jpg

 

 

55.jfif

 

 

56.jfif

 

 

57.jpg

 

 

58.jpg

 

 

59.jpg

 

 

60.jpg

 

 

61.jpg

 

 

62.jpg

 

 

63.jpg

 

 

64.jpg

 

 

65.jpg

 

 

66.jpg

 

 

67.jpg

 

 

68.jpg

 

 

69.jpg

 

 

70.jpg

 

 

71.jpg

 

 

72.jpg

 

 

73.jpg

 

 

74.jpg

 

 

75.jpg

 

 

76.jpg

 

 

77.jpg

 

 

79.jpg

 

 

80.jpg

 

 

81.jpg

 

 

82.jpg

 

 

83.jpg

 

 

84.jpg

 

 

85.jpg

 

 

86.jpg

 

 

87.jpg

 

 

88.jpg

 

 

A capa da Focus.jpg

 

 

FNHSPSVWQAIZL2l.jpg

 

 

the_times.750.jpg

 

 

275290040_1618046768551032_1011754759313351580_n.j

 

 

FNHuWy1X0AAYHjE.jpg

 

 

A capa da Zeit Magazin.jpg

 

 

Sign O' The Times, Capítulo CCXXI

 

 

 

 

|| Entretanto no coração da Europa

por josé simões, em 04.08.09

 

 

 

 

O Schalke 04, histórico do futebol alemão e a militar na primeira divisão da Bundesliga, a braços com uma onda de protestos por parte da comunidade muçulmana de Gelsenkirchen. Motivo: uma estrofe do hino do clube, escrito e composto em 1924, que é considerada uma blasfémia contra o profeta Maomé:

 

"Maomé era um profeta que não sabia nada de futebol, mas, entre todas as cores, ele escolheria o azul e o branco" (as cores do Schalke 04).

 

A direcção do clube pediu a um especialista em assuntos islâmicos que estude o caso.

 

Ditado popular da região Setúbal / Alto Alentejo: “Quanto mais um gaijo s’abaixa, mais o cu lh’aparece”

 

 

 

|| A Morte sobre rodas

por josé simões, em 26.03.09

 

A propósito do relatório da Amnistia Internacional que coloca a China como detentora do recorde mundial de execuções pela Pena de Morte (72%, 1718 execuções em 2008, podendo os números ser maiores), recupero aqui nas páginas do blogue o Autocarro dos Condenados, na foto).

 

A China inventou o autocarro das execuções, para poupar tempo e dinheiro e, sobretudo, para recuperar os preciosos órgãos dos condenados, que são imediatamente retirados, para de seguida voltarem a ser vendidos para transplantes. Para isso, havia a necessidade de os corpos dos condenados serem transportados imediatamente para uma sala de cirurgia. A solução encontrada, como forma de rentabilizar todo o processo, foi aplicar a injecção letal num autocarro enquanto é percorrido o caminho para o hospital.

 

Asséptica – A notícia da existência destes autocarros não é nova e já foi falada há uns anos atrás na imprensa chinesa. São fabricados pela Jinguan Auto que desde 1992 constrói ambulâncias, veículos policiais, mini bus para o transporte de valores e carros blindados, e vendeu até agora uma dúzia destes mini bus de 7 metros de comprimento e 17 lugares. O condenado é colocada numa cama, mãos e pés amarrados, em seguida é-lhe aplicada a injecção letal. Existe também um sistema de vídeo para filmar a execução e para certificar que tudo é feito legitimamente.

 

Vantagens – A outra "vantagem" do autocarro é que pode chegar à mais remota aldeia chinesa onde haja a necessidade de executar alguém, sem ter que transportar o condenado para a prisão provincial, com custos acrescidos e tempo extra dispendido. A execução por injecção letal foi solicitada pelos carrascos. Anteriormente os condenados à morte eram executados com um tiro de pistola no pescoço (por vezes mais que um). O executor tinha de vestir fato de macaco e calçar botas de borracha para evitar ser atingido pelo sangue das vítimas. Além disso, com o aumento das execuções de traficantes de droga (muitas vezes eles próprios toxicodependentes), os carrascos receavam doenças como a SIDA.

 

Qualquer semelhança com a “indústria da morte” do regime nazi na Alemanha do III Reich é pura coincidência.

 

Via Corriere Della Sera

 

Alice no País das Maravilhas

por josé simões, em 31.12.08

 

Via Corriere Della Sera descubro o Síndroma Alice no País das Maravilhas. É uma doença que vai buscar o nome à história de Lewis Carroll e que se aplica a todos aqueles que sofrem de uma disfunção visual que consiste em que, qualquer objecto observado, pode parecer menor, maior ou mais distante do que realmente é ou está. É um distúrbio que pode aparecer em criança e desaparecer com o crescimento. Nos adultos, pode ser um sintoma de epilepsia, tumor cerebral ou provocado pelo consumo de drogas.

 

Apetecia-me escrever aqui um post, daqueles que nunca mais acabam, sobre este síndroma aplicado ao ano político nacional e às peripécias da governação no ano que hoje se fina. Mas, e pesando bem as coisas, fica a informação (para quem como eu desconhecia) da existência do dito cujo síndroma, e cada qual que exercite a imaginação. Não vai ser difícil.

 

 

À atenção do das Neves, da Zézinha Pinto e restante agremiação

por josé simões, em 26.11.08

 

Nem tudo está perdido neste antro de fornicadores – e já nem estou a falar das fufas e da paneleiragem que por aí vai –, de abortistas, e de consumidores de drogarias várias.

 

«Solicitou as freiras que compareceram para poder beijar uma "imagem do Menino Jesus." (…) faleceu com os sacramentos, regressou à fé da sua infância».

 

Em italiano é muito mais bonito:

 

«La misericordia di Dio santamente ci perseguita. Il Signore non si rassegna a perderci», ha commentato ancora l'esponente vaticano.» (Amén; digo eu).

 

No mínimo a beato com o Gramsci. Já!

 

 

 

Sarah “Terminator” Palin

por josé simões, em 12.09.08

 

Esta é a minha preferida.

Os seios convenientemente tapados, como convém a uma republicana temente a Deus e defensora dos valores cristãos e da família e tal.

Há mais aqui.

 

 

 

It´s all about RESPECT!

por josé simões, em 28.08.08

 

"A lei é igual para todos, sobretudo quando decorre de razões de ordem pública. O episódio pode parecer irrelevante, mas é na forma como um país lida com estas situações que se joga uma alternativa entre o real e a não-integração e um desastre por falta de comunicação. "

 

"Temos de respeitar os hábitos e costumes de outros, no retorno, porém, os outros respeitem nossas leis."

 

(Link)

 

(Foto roubada no Le Soir)

 

 

 

Uma lápide

por josé simões, em 06.08.08

 

Nos meus tempos na Sebastião da Gama em Setúbal, a São P., guarda-redes da nossa selecção feminina nos torneios de futebol inter-escolas, ganhou a alcunha de “cona d’aço” pela forma como saía às bolas frente às pontas-de-lança e avançadas das outras equipas.

 

Hoje tomei conhecimento da existência de uma “d’mármore”.

 

Estava para aqui a pensar qual será a sensação ao tacto e ao paladar.

 

(Foto roubada no La Repubblica)