Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"abrir caminho para uma sociedade socialista"

por josé simões, em 22.07.18

 

Assembleia_Constituinte.jpg

 

 

O anteprojecto da nova Constituição cubana, que está neste momento a ser discutido no Parlamento em Havana, deixa cair o objectivo de "avançar para a sociedade comunista". Substitui o "comunismo" pelo "socialismo"

 

[Título e imagem]

 

 

 

 

||| Marcelices

por josé simões, em 26.04.16

 

klebenlebeneben.jpg

 

 

De manhã à noite nas televisões, desde o sabor das laranjas aos golos que o Braga não marca, passando pelas diligências para uma solução num banco privado a contento da filha do bwana angolano, sem intervalos para refeições, one man show, frantic Marcelo perde a noção da realidade e do ridículo. "Marcelo afasta possibilidade de rever a Constituição a curto prazo". E quem é Marcelo para "afastar"? E o que é que o Presidente da República tem a ver com isso? E qual é a parte que cabe ao Presidente da República numa revisão constitucional? E desde que revisão constitucional é que o Presidente da República tem voto nos 2/3 de votos necessários para uma revisão constitucional?


E quando as pessoas se começarem a fartar do Belém reality show?


[Imagem]

 

 

 

 

||| 40 anos

por josé simões, em 02.04.16

 

constituição da república portuguesa 1976.jpg

 

 

2 de Abril de 1976 – 2 de Abril de 2016

 

 

 

||| É que nem tem vírgulas

por josé simões, em 11.11.15

 

Needs Caption.jpg

 

 

É que nem tem vírgulas, pontos, travessões ou outro qualquer tipo de pontuação susceptível de interpretações diversas ou de alterar o espírito.


Constituição da República Portuguesa


VII REVISÃO CONSTITUCIONAL [2005]


Artigo 167.º
Iniciativa da lei e do referendo


6. As propostas de lei e de referendo caducam com a demissão do Governo.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Lições de democracia

por josé simões, em 18.08.15

 

AmericoThomaz.png

 

 

«"uma revisão constitucional", para pôr fim à eleição direta do Presidente da República. "Um anacronismo


E já vai com meia hora de fama, mais 15 minutos do que o previsto por Andy Warhol que a aselhice dos cartazes também conta.


[Imagem]

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 06.06.15

 

 

 

E deu como exemplo Vila Nova de Gaia, do presidente Luís Filipe Menezes, nomeado pelo PSD Conselheiro de Estado. E deu como exemplo Vila Nova de Gaia, do vice-presidente Marco António Costa, que aproveitou a vice-presidência para colonizar a câmara e as empresas municipais com boys e derivados? Não deu.


«Marco António Costa insiste com o PS no tecto constitucional para a dívida»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Não há pachorra…

por josé simões, em 04.06.15

 

 

 

Se bem me lembro o problema era a dívida, insustentável, por isso era preciso chamar o FMI, para pôr ordem na casa, para pôr a casa em ordem e para pôr na ordem os socialistas despesistas. "Convém não diabolizar o FMI", dizia o penteado com voz, enquanto ia prometendo que não cortava nem acabava. Insustentável em 96% do PIB. Depois o FMI veio e foi a ordem que se viu. E que se vê. E depois da casa na ordem, da ordem na casa e dos socialistas despesistas na ordem, a dívida ficou sustentável em 130% do PIB, mais 35% em 4 anos.. É por isso que agora é necessário um compromisso com os socialistas despesistas «em relação à inscrição de um limite para a dívida pública na Constituição». Um limite em 165% do PIB, pelo seguro, o mesmo ritmo de crescimento dos últimos anos e caso ganhem outra vez as eleições? Ou um limite em 130% do PIB como álibi para depois arremeterem contra o Tribunal Constitucional e contra o Tribunal de Contas por “forças de bloqueio” à acção governativa? Ou um limite porque sim, porque tem de se dizer alguma coisa, para desviar as atenções do que é realmente importante, como por exemplo o silenciado corte nas pensões?


[Imagem]

 

 

 

 

||| É isto

por josé simões, em 18.04.15

 

«A esquerda, toda a esquerda, não pode alhear-se da luta política que o Observador e outras instituições estão a travar contra o Estado Social e muitas das instituições que a esquerda democrática construiu em Portugal. Responder com indiferença, com desdém ou mesmo com humor não resolverá nada. É preciso replicar, inteligência. É preciso oferecer construções alternativas às histórias contadas pelos nossos antagonistas. É preciso, enfim, que exista resposta política à altura das propostas políticas que chegam pela mão do Observador e afiliados. Para que do encontro de ambas se consigam soluções moderadas, aceitáveis e que permitam boas governações.»

 

 

 

||| Da série "Coisas Verdadeiramente Surpreendentes"

por josé simões, em 03.11.14

 

golem13-turenne-IT-stephen-king.jpg

 

 

Se o Partido Socialista, em "arco da governação", assinasse de cruz, vulgo consenso com o alto patrocínio de S. E. o Presidente da República, as medidas inconstitucionais do Governo de direita Pedro Passos Coelho/ Paulo Portas, só por esse facto elas passavam a constitucionais aos olhos da Tribunal Constitucional na sua interpretação da Constituição da República Portuguesa.


Foi o Partido Socialista que teve uma "posição deslizante e de falta de compromisso" e não a maioria PSD/ CDS-PP que, por cegueira e fanatismo ideológico e desprezo pelo maior partido da oposição, deslizou, derrapou, entrou em slide effect e aquaplaning, para a inconstitucionalidade. Que nome é que se dá a um espécime destes?


«Se o PS tivesse assumido alguns compromissos com o Governo, em especial para a reforma da Segurança Social e para a redução de despesas no Estado, o Tribunal Constitucional não teria chumbado tantas propostas deste Executivo.


Quem o diz é o secretário de Estado Adjunto do ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Pedro Lomba [...]»


[Imagem]

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 20.10.14

 

palhaço.jpg

 

 

E quando pensávamos que já tínhamos visto de tudo, eis senão quando, Pedro Passos Coelho, de cognome O Inconstitucional, depois de invocar a Constituição da República Portuguesa: «Se há coisa que eu não não gosto de fazer é ficção política».


[Imagem]

 

 

 

 

||| Na falta de pão há circo com fartura

por josé simões, em 25.06.14

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 10.06.14

 

 

||| Guião para a reforma do Estado

por josé simões, em 09.06.14

 

 

 

Dizia o vice-trampolineiro Paulo Portas, por detrás dos botões de punho e com aquele ar grave que consegue pôr na cara quando as ocasiões são graves, em mais um número circense na apresentação do Guião para a reforma do Estado e a propósito das poupanças que urge serem feitas ao dinheiro do contribuinte, as famosas gorduras do Estado que, «como o exemplo deve vir de cima o documento prevê algumas reformas dos ministérios […] uma integração gradual e respeitando especificidades das funções jurídicas e contenciosas dos ministérios, o Estado precisa de se capacitar juridicamente para defender o interesse público e não deve recorrer ao outsourcing, não deve ir buscar fora do Estado a qualidade jurídica para defender o interesse público, pode e deve fazê-lo a partir de uma agregação de departamentos de contencioso e departamentos jurídicos que existem nos vários ministérios, ganhando escala, ganhando recursos».

 

Poucos meses passados e ficamos a saber que, violando novamente a Constituição da República Portuguesa [não é defeito é feitio], o Governo avança com um anteprojecto de revisão do Código de Processo nos Tribunais Administrativos no sentido de o Ministério Público perder competências de representar o Estado e defender os interesses que a lei determinar, disparando os custos com a defesa do Estado, em benefício das grandes sociedades de advogados.

 

As sociedades de advogados de onde os deputados vieram para o Parlamento e os ministros para o Governo, as sociedades de advogados onde os deputados e os ministros estão em simultâneo com o Parlamento e o Governo, as sociedades de advogados para onde os deputados vão regressar findo o mandato e os ministros finda a comissão de serviço no Governo da Nação, as sociedades de deputados para onde os jotas vão estagiar até serem encaixados numa lista e em lugar elegível para o Parlamento. Siga a festa.

 

[Curiosamente o vídeo com a apresentação do Guião para a reforma do Estado por Paulo Portas desapareceu do sítio do Governo…]

 

[Imagem de Billy Monk]

 

 

 

 

 

 

||| A democracia explicada às criancinhas e outros analfabetos

por josé simões, em 03.06.14

 

 

 

E quem explicou não foi o presidente do PP que é CDS, em Espanha e em espanholês, ou portunhol, como queiram, em mais um número circense no exercício do cargo de vice-trampolineiro e com um sorriso cínico de superioridade iluminada a pontuar as frases em modo Twitter, imagem de marca, para comentar o terceiro chumbo do Tribunal Constitucional em três anos de Governo PSD/ CDS-PP, numa frase a meter "socialistas", "dinheiro", "a nosotros y a vosotros". Não. Quem o disse foi o presidente do outro PP, o espanhol, e serve de lição para o PP, o português que é CDS e para o PSD, da mesma família e no mesmo aconchego em Bruxelas e que, por cobardia e dissimulação, deu sumiço ao projecto de revisão constitucional encomendado antes de se alçar ao poder:

 

"Si esta Constitución no les gusta, planteen una reforma en las Cortes, tienen pleno derecho a hacerlo. Lo único que no pueden hacer en democracia es saltarse las leyes, la democracia es el imperio de la ley"

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

||| ¿Por qué no te callas?

por josé simões, em 29.01.14

 

 

 

Cavaco, O Avisador, avisa que a Constituição não foi suspensa, o que não o impede de suportar, e se calhar até de incentivar [naquelas diligências que toma fora dos olhares da populaça, discretas como ele diz, e não se cansa nunca de puxar dos galões para mostrar que é mui influente e mui empenhado na resolução dos problemas da Nação] o Governo que mais ataques fez à Constituição desde o dia 25 de Abril de 1976 e ao orgão de soberania que zela para a Constituição não seja suspensa, o Tribunal Constitucional.

 

Cavaco, O Avisador, também podia avisar que a Constituição não foi revista e que o projecto de revisão constitucional encomendado pela dupla Passos Coelho/ Miguel Relvas a Paulo Teixeira Pinto continua assim mesmo, um projecto, encafuado na gaveta para onde foi atirado à pressa depois da polémica que levantou e das reacções adversas que provocou, e que o partido que ganhou as eleições com um programa de Governo nos antípodas daquilo que tem sido a sua acção governativa não pode aplicar por portas travessas uma Constituição que não foi suspensa nem sequer foi revista.

 

Cavaco, O Avisador, calado é um poeta. E ganha um álibi: o de que a sua aparente condição de mudo não é mais do que diligências que toma, fora dos olhares da populaça, discretas, porque é mui influente e mui empenhado na resolução dos problemas da Nação, e no apoio ao Governo que governa segundo uma Constituição que não foi revista e num programa que não foi sufragado nas urnas.

 

[Imagem de Erwin Blumenfeld]