Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

750 mil milhões

por josé simões, em 21.07.20

 

Martin Parr_ (1).png

 

 

Acordo alcançado no Conselho Europeu. Foi aprovado, pela primeira vez, um instrumento específico de recuperação económica, com um valor total de €750 mil milhões. Um sinal de confiança à #Europa e a #Portugal para a recuperação económica, face à pandemia da #COVID19.
#EUCO

 

O mais fácil, chegar a acordo e aprovar verbas, já está feito, agora vem o mais difícil, e o mais difícil é convencer os portugueses de que os €750 mil milhões serão bem aplicados e que não irão directamente para o bolso dos mesmos de sempre, os da engorda à sombra do Estado, as clientelas políticas e empresariais, os fiéis de nascimento e baptismo e os cristãos novos, convertidos pela pandemia às virtudes do Estado e ao "socialismo". O fartar vilanagem.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O circo nunca acaba

por josé simões, em 20.07.20

 

2 (70).jpg

 

 

Os patriotas holandeses, também conhecidos por "Verdadeiros Portugueses", sempre a servir de capacho mas julgando-se ao lado dos Dieselbooms desta vida e desta União, a assinarem por baixo intenções de fazer depender a ajuda comunitária a direitos de veto e mais ingerência de países terceiros em políticas nacionais, a pretexto da boa aplicação dos fundos e do malbaratar de dinheiros públicos europeus, infelizmente uma história que vem de longe e que faz com que Portugal fique mal na fotografia e que nunca saia do círculo vicioso de mais fundos a troco de mais ingerência, são os  patriotas holandeses, também conhecidos por "Verdadeiros Portugueses", que estiveram ao lado, atrás, à frente e a toda a roda dos fundos comunitários de Cavaco Silva, os famosos 9 milhões por dia para as fraudes, o enriquecimento ilícito, o desmantelar da agricultura e das pescas, as apostas erradas - a ferrovia preterida em favor do alcatrão, por exemplo, da ausência de reformas estruturais, do nascimento da lenda e da má-imagem que leva a que agora os holandeses da Holanda exijam contrapartidas.

 

 

 

 

||| O vómito

por josé simões, em 24.04.16

 

Jan van de Velde-welcome library.jpg

 

 

"Hoje, a Turquia é o melhor exemplo para o mundo sobre a forma como devem ser tratados os refugiados"


[Imagem de Jan van de Velde, Wellcome Library]

 

 

 

 

||| Da tradição

por josé simões, em 13.11.15

 

together.jpg

 

 

Encher os bolsos de ditadores corruptos com dinheiro dos contribuintes europeus.


«Fundo de 1,8 mil milhões tem como objectivo criar condições nos países africanos para que menos pessoas queiram partir para a Europa»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Assim só perdemos

por josé simões, em 17.07.15

 

Stanley Kubrick’s Chicago, 1949-Men-working-the-

 

 

Se fosse em Inglaterra, por exemplo, ganhávamos dinheiro com isto, tipo uma bolsa de apostas sobre qual o dia em que Pedro Passos Coelho não ia pregar uma mentira ao país. Assim só perdemos, o contribuinte dinheiro, os portugueses vergonha alheia pela imagem na Europa.


«Por acaso, a ideia para o fundo de privatizações da Grécia, o trust de 50 mil milhões de euros que vai absorver o espólio que for vendido nos próximos anos, veio do primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, revelou Donald Tusk, o presidente do Conselho Europeu. O primeiro-ministro português disse na segunda-feira que a autoria foi sua.»


[Imagem "Men working the floor at the Merchandise Mart, Chicago, 1949", Stanley Kubrick]

 

 

 

 

||| E perguntam-me vocês: e o que é que uma coisa tem a ver com a outra?

por josé simões, em 20.04.15

 

lampedusa tragedy.jpg

 

 

Ainda sou do tempo de Paulo Portas ter sido o primeiro governante europeu ocidental a aterrar em Trípoli para fazer negócio com o novo regime "democrático", eleito pelos bombardeamentos da NATO ao exército de Muammar al-Gaddafi. As oportunidades de negócio, as empresas de construção civil na reconstrução do país, as exportações, os amanhãs que cantam para ambas as economias, blah-blah-blah, botões de puto e sorriso Pepsodent.


E perguntam-me vocês: o que é que uma coisa tem a ver com a outra, Paulo Portas em Trípoli e os milhares de fugitivos e desesperados, diários, em barcos nas costas de Itália e os outros tantos milhares de mortos nas águas do Mediterrâneo? Não perguntem que vos fica mal a ignorância.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Ainda que mal pergunte

por josé simões, em 24.10.14

 

Installing electric lights in the cooperative.jpg

 

 

O que é que leva um primeiro-ministro e um ministro do ambiente, insuspeitos de ligações ao maoísmo como muitos que por aí pululam, a fazer a defesa instrasigente dos interesses de uma empresa nacionalizada pelo Estado chinês e que vende a energia aos portugueses e às empresas a preços proibitivos?


[Na imagem poster chinês de propaganda "Installing electric lights in the cooperative"]

 

 

 

 

|| Nada que um programa sobre a lavoura, e na televisão pública, não consiga superar

por josé simões, em 13.03.13

 

 

 

Paulo Portas a passear um chapéu de indignado, com um cortejo de indignados atrás de si, na FATACIL, na Ovibeja, na Golegã, na feira de S. Mateus, na…

 

 

 

 

 

|| Entregues à bicharada

por josé simões, em 21.10.12

 

 

 

A união faz a força, é senso comum, aprende-se logo em pequenino, praticamente que se nasce a ouvir dizer isso.

 

Os fascistas estamparam a ideia na bandeira com o facho, o molho de varas –  o poder do povo, unidas em torno do machado – a autoridade do Estado; os comunistas idem, com a foice e o martelo símbolo da união entre os operários e os camponeses e reforçaram a ideia com a máxima "proletários de todo o mundo, povos de nações oprimidas, uni-vos!".

 

As pessoas começam a perceber que não é pela estigmatização do outro, do "nós não somos aquele", qual leproso na Idade Média, que vão conseguir fazer ouvir a sua voz, antes pelo contrário, pelo que aprenderam desde pequeninos, que a união faz a força. E o que faz a elite política, eleita pelo povo para fazer ouvir e valer a voz do povo? Faz nada e ainda atrapalha. Estamos entregues à bicharada.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Uma pergunta de La Palisse: Para o que é que serve um primeiro-ministro?

por josé simões, em 19.10.12

 

 

 

«O primeiro-ministro garantiu que o programa de ajustamento português não foi tópico de discussão durante o Conselho Europeu. "Estamos muito confortáveis com as decisões tomadas a nível europeu sobre o programa português", acrescentou

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Para onde corre Cavaco Silva?

por josé simões, em 20.12.11

 

 

 

Que do discurso do obediente e cumpridor bom aluno passa ao de homem de Estado, superior à pequena política das intrigas e dos interesses nacionais, e que até se permite questionar a Europa e apontar caminhos. Para onde corre Cavaco Silva?

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Viver numa realidade paralela

por josé simões, em 25.10.10

 

 

 

 

 

É não perceber que para “denegrir” e “deteriorar a imagem dos magistrados perante a população” o Governo não precisa de fazer absolutamente nada. Basta-lhe ficar quieto e mudo e esperar que senhores juízes e os senhores juízes-sindicalistas, na vertigem mediática, venham para os jornais e para as televisões com as habituais declarações e reivindicações.

 

(Imagem)

 

 

 

 

 

 

 

|| Um dos princípios do futebol aplicado à politica e à economia

por josé simões, em 21.10.10

 

 

 

 

 

Reclamar quando o árbitro assinala mal um fora de jogo que podia dar em golo e reclamar quando anula um golo marcado em posição irregular.

 

«Governo português “contra” suspensão de direito de voto por indisciplina orçamental»

 

(Imagem)