Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A coreografia ensaiada

por josé simões, em 24.10.22

 

Thomas Peter - Reuters.jpg

 

 

Três dias passados e continuam com "o que é que aconteceu, que coisa foi aquela no congresso do Parido Comunista Chinês?". Se o camarada Hu Jintao podia ter sido impedido de se sentar na tribuna antes da abertura da sessão, tirar a respectiva cadeira, compor o cenário, evitar toda a coreografia que se lhe seguiu, alegando posteriormente que a sua ausência se deveu a inesperados problemas de saúde? Podia, mas não era a mesma coisa, não tinha o mesmo efeito coreográfico. O que o camarada Xi quis passar para o mundo e para dentro do comité central, não obrigatoriamente por esta ordem e já que as imagens não passaram oficialmente dentro de portas, foi que quem manda ali é ele, que não restem quaisquer dúvidas, e que até se pode dar ao luxo de humilhar publicamente um camarada com provas dadas, ex secretário-geral do partido e ex presidente do país, um pouco à imagem do que acontecia com a exposição dos elementos "contra-revolucionários" e "desvios de direita" nas praças públicas pelos Guardas Vermelhos durante a Revolução Cultural, foi um aviso por antecipação. Voltando ao início, três dias passados e continuam com "o que é que aconteceu, que coisa foi aquela no congresso do Parido Comunista Chinês?" e quer-me parecer que vão continuar por muito mais tempo, para grande frustração do camarada Xi que nem com um desenho lhes conseguiu explicar.

 

[Link na imagem "Attendants serve tea for the delegates before the opening ceremony. Thomas Peter/Reuters" ]

 

 

 

 

Chancellor Adam Sutler

por josé simões, em 17.10.22

 

1.jpg

 

 

2.jpg

 

 

3.jpg

 

 

4.jpg

 

 

The Chinese Communist Party’s 20th Congress

 

[Link nas imagens]

 

 

 

 

Undead

por josé simões, em 03.07.22

 

coffins.jpg

 

 

A questão já nem é sequer o regresso de toda a tralha do PSD que, desde os idos de Cavácuo, circula entre o Governo, o Parlamento, os interesses privados, ou o tratar da vidinha por conta própria, com uns palermas novos à mistura, que também já vão sendo velhos, personificados nas figuras ocas de Duarte Marques e Hugo Soares, que se notabilizaram por repetir o que o líder de momento diz, por ser o mais adequado à vidinha que têm pela frente para tratar, daqui por uns anos descrita como "carreira" ou "percurso político", e apresentada, desde o congresso ao pagode, pela comunicação social como "o PSD renovado" ou "o novo PSD".

 

A questão já nem é sequer ouvir o "ponto" de Passos Coelho no Parlamento durante os anos da troika muito preocupado com os baixos salários dos portugueses, em geral, e dos portugueses, em particular, depois de na apresentação urbi et orbi ter abdicado do passado próprio em prol do seu passado Passos, o do "baixar os custos do trabalho foi a reforma que ficou por fazer", apesar do aumento da carga horária, do aumento dos dias de trabalho, do valor a pagar por cada hora extra, da indemnização a receber em caso de despedimento, da redução de apoios e prestações sociais.

 

A questão já nem é sequer ouvir o "ponto" de Passos Coelho no Parlamento durante os anos da troika genuinamente preocupado com os funcionários públicos, em quem disse piamente acreditar, depois de quase cinco anos de campanha contra os ditos, do açular de ódios entre públicos e privados, e de Miguel Albuquerque nas listas, o do "não vale a pena ter ilusões. Reformar o Estado é despedir".

 

A questão já nem é sequer ouvir o "ponto" de Passos Coelho no Parlamento durante os anos da troika dizer, durante quase uma hora, num pavilhão para um pavilhão cheio de amorfos, que caso um dia chegue a primeiro-ministro, truz truz, lagarto lagarto, vai fazer exactamente o oposto do que o passado de que se reclama fez e que ele tão denodadamente defendeu, às vezes a fazer o pino, o flic-flac e mortais encarpados na primeira fila da Assembleia da República.

 

A questão já não é sequer a comunicação social destacar a bisca do "contra a xenofobia e o racismo" e o referendo à regionalização que não é para fazer por causa de uma guerra e respectivas consequências económicas, só tem cabeça para uma coisa de cada vez [o que se há-de fazer?], enquanto destacam os tremoços não destacam o que realmente interessa destacar, o marisco a que vêm.

 

A questão é as pessoas e a memória que as faz votar quatro anos depois no mesmo deputado em quem não votaram quatro anos antes, às vezes candidato pelo mesmo círculo eleitoral; a questão é a memoria das pessoas, ou a falta dela, ou 50 anos depois da revolução de Abril ainda não termos saído da fase infantil da democracia.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Um bando de palermas

por josé simões, em 08.04.22

 

JSD.jpg

 

 

Que desde a sua fundação este bando de palermas já tenha dado líderes ao partido, deputados à nação, governantes, de secretários de Estado a ministros e primeiros-ministro, ao país, é esta a nossa tragédia.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Paixão: Educação

por josé simões, em 21.12.21

 

NunoCratoUDP.jpeg

 

 

Rui Rio, no palanque de Santa Maria da Feira, longos minutos a perorar sobre educação e professores, todas as desgraças e todos os males do mundo, mais parecia estar a desancar o ministro do Governo da troika, Nuno Crato, inchado de paixão pela educação, como dizem os 'amaricanos', since 2019:

 

"Temos professores a mais, infelizmente". Rio defende o “redimensionar” da administração pública

 

[Nuno Crato, militante da UDP, na imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Os papagaios do costume

por josé simões, em 20.12.21

 

naperon.jpg

 

 

Luís Montenegro, essa grande figura da política politiqueira e aspirante a chefe máximo do laranjal, fez um figurão no picnicão da Vila da Feira ao desafiar António Costa a clarificar se está disposto a viabilizar no Parlamento um governo do PSD caso perca as eleições, ideia rapidamente papagueada por todas as televisões a todas as horas certas em todos os telejornais e avidamente comentada pelos comentadeiros com avenças e lugares cativos, há décadas com análises muuuuuito profundas e conhecedoras da mecânica e da arquitectura da política do tugão, "sim, senhor!", "muito bem, visto!", "melhor ainda jogado!", "ora aí está o Costa encostado à parede!", o Costa que já mais que uma vez disse que em caso de derrota deixa a liderança do partido, se vai embora, adeus, passem bem, devia dizer se viabiliza ou não um governo de Rui Rio no Parlamento. Apercebidos da irracionalidade da ejaculação precoce provocada pelo entusiasmo de agradarem à voz que lhes paga, os papagaios do costume apressam-se agora, num processo revisionista, a corrigir a narrativa, Montenegro, que nos idos da troika se distinguiu no Parlamento por fazer o papel de ponto de Passos Coelho nos debates parlamentares - dar-lhe dicas para o pantomineiro do pin discorrer longamente, afinal desafiou foi o pós Costa, o perigoso radical ministro Pedro Nuno Santos, quase um FP25 sem metralhadora, como se não tivessemos todos visto e ouvido.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

O oficial de ligação

por josé simões, em 19.12.21

 

chega.jpg

 

 

PSD.jpg

 

 

O oficial de ligação. Em Agosto de 2020 a descer a Rua da Prata na manif do Chaga; em Dezembro de 2021 no congresso do PSD no Europarque em Santa Maria da Feira.

 

 

 

 

Mainstream vs Indie

por josé simões, em 18.12.21

 

roughtrade.jpg

 

 

Na abertura do picnicão do PSD na Vila da Feira, Rui Rio chama ao PS "partido do sistema", como se o PSD fosse underground ou indie alternativo. Assim vai o nível de alucinação na Rua de S. Caetano à Lapa.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Sempre a alimentar o monstro

por josé simões, em 11.12.21

 

tv.jpg

 

 

O Ilusão Liberal elegeu um deputado.

O Livre elegeu uma deputada.

Pelas televisões ninguém dirá que este fim-de-semana estão os dois em convenção.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

47 anos depois do 25 de Abril

por josé simões, em 28.11.21

 

 

 

 

 

Profissão: analisador-comentadeiro

por josé simões, em 29.08.21

 

naperon.jpg

 

 

Marta Temido, de ministra a remodelar [Schnell! Schnell!] a candidata à sucessão de António Costa na liderança do PS. A qualidade dos nossos analisadores comentadeiros televisivos é qualquer coisa.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

A opera buffa do PS

por josé simões, em 28.08.21

 

Alessandro_Scarlatti.jpg

 

 

O maravilhoso não foi António Costa, qual Kim Il-sung, ter indicado uma sucessora, o maravilhoso foi a sucessora indicada, Marina Vieira da Silva, à chegada ao congresso não se ter demarcado indubitavelmente da nomeação.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Só por manifesta ignorância o congresso não tem lugar em Braga

por josé simões, em 21.05.21

 

Sem Título.jpg

 

 

Só por manifesta ignorância, aliás expressa na forma como dirigentes, militantes e minions anónimos escrevem nas caixas de comentários e nas redes, com erros de concordância, gramaticais, pejados de bengalas linguísticas, o congresso não tem lugar em Braga, porque por vergonha na cara não é, de certeza.

 

"teria graça" Ventura conseguir que "os trabalhos parlamentares fossem suspensos precisamente no dia de aniversário do 28 de maio de 1926", dia do golpe de Estado que resultou na queda da Primeira República Portuguesa e na instauração da Ditadura Militar, dando origem, mais tarde, ao Estado Novo, regime vigente no país até ao 25 de abril de 1974.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O triunfo da imbecilidade

por josé simões, em 08.04.21

 

 

 

Andamos desde Abril de 1945 a elaborar teses e teorias filosóficas sobre como foi possível na Alemanha pós República de Weimar um bando de energúmenos, com um neurónio cada, ter capturado o Estado alemão e levado a nação e a Europa para a barbárie e destruição. Lei de Godwin à parte, porque ao que se assiste é que a cada discussão em beco sem saída a direita sair a invocar o comunismo, a China, a Coreia, o Vietname, Cuba, a Venezuela, e o caralho e ainda não ter aparecido um Godwin qualquer a elaborar uma lei justificativa para aplicar aqui, como é que esta farsa é possível, 80 anos depois da queda de Berlim e 47 a contar do 25 de Abril de 1974?

 

 

 

 

Por unanimidade e aclamação

por josé simões, em 22.11.20

 

A general view of the 27th Congress of the Communi

 

 

Muito mais interessante que o barulho fomentado, por quem não viu a pela Fórmula 1 no Algarve nem as romarias a Fátima, sobre se o PCP deve ou não realizar o seu congresso, e amplificado por uma comunicação social que olimpicamente ignorou os jantares de Verão do Chaga com 800 e muitas pessoas, todas muito aconchegadinhas, é a discussão que não há, e estas coisas passam pelos pingos da chuva com uma total indiferença e até uma aceitável normalidade, sobre a redução do número de delegados ao congresso dos comunistas. Qual o critério para a redução? Porque é que vai este e não vai aquele? É por número de militante com direito a xis votos como nos clubes de futebol? Há militantes mais militantes que os militantes? Há organizações mais organizações dentro da organização? Quem decidiu e quem escolheu quem? O que é que pensam os delegados que viram a sua presença cancelada enquanto ao camarada do lado a ida era confirmada? Tanto faz a presença de 600 como a de 1200? Qual o papel de um delegado no congresso do PCP, aprovar por unanimidade e aclamação e no final cantar três hinos - Avante Camarada, Internacional e Portuguesa, a balançar o corpo compassadamente da direita para a esquerda?

 

Importante para a qualidade da democracia é ter o líder do maior partido da oposição, que ostenta "social-democrata" no nome, a tresler uma Lei, coadjuvado por um militante ex-juiz do Tribunal Constitucional, e um partido que realiza congressos com delegados por atacado para a coreografia nas televisões, e nas bancadas em tempos de normalidade.

 

[Na imagem "A general view of the 27th Congress of the Communist Party of the Soviet Union (March 1986)". RIA/ Novosti]