Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"És liberal e não sabias" *

por josé simões, em 10.12.19

 

British prime minister Margaret Thatcher covering her face with her hand at the 1985 Conservative Party Conference (1).jpg

 

 

"Chamo me Diogo Vaz Guedes. Fui Administrador executivo da Somague, herdada do meu tio. Fui em 2004 um dos criadores do Compromisso Portugal. Fali. Fiquei a dever 67 milhões à banca.Tenho os rendimentos indexados ao salário mínimo nacional, mas continuo a viver na Quinta Patiño. Saúde!

 

[Na imagem "British prime minister Margaret Thatcher covering her face with her hand at the 1985 Conservative Party Conference"]

 

* Título do post e texto

 

 

 

 

Propostas para o problema da Educação em Portugal

por josé simões, em 28.06.07

O Compromisso Portugal está de volta!

Para os mais distraídos destas coisas, o Compromisso Portugal é aquela espécie de clube de bem-vestidos e bem-tansportados (podia acrescentar bem-almoçados e bem-fumados, mas acho desnecessário), vulgo “empresários”, e que juram, de joelhos e mãos-postas, que se preocupam de manhã à noite e até debaixo de água, com a crescente perda de soberania económica de Portugal, apesar de logo no dia seguinte venderem as empresas ao primeiro espanhol que por aí apareça com um saco cheio de pesetas. O Compromisso Portugal reúne-se regularmente em conclave para fazer o diagnóstico dos males que enfermam a Nação e apresentar a correspondente medicação e terapia. Agora calhou a vez do Compromisso se comprometer com a Educação; ou a falta dela. De entre algumas das propostas apresentadas, e segundo o Público, encontra-se uma sui generis:

 

«Assegurar a escolha livre pelos cidadãos entre escolas públicas ou privadas

 

Como as relações de venda, perdão, de transferência patrimonial dos beatos Comprometidos com Portugal têm vindo a aumentar em favor de Espanha desde que se reuniram pela primeira vez no Convento do Beato em Lisboa, presumo que os conjurados tenham perdido a noção da realidade; fisicamente estão para cá do Guadiana, mentalmente navegam Guadalquivir acima – é o que vulgarmente se chama “corpo presente”. Só assim se explica a razão da existência duma proposta que na realidade, já é uma realidade. Todo o cidadão, comprometido ou não, pode livremente optar entre o sistema público ou privado de ensino. Assim tenha disponibilidade financeira para tal. Como a disponibilidade financeira da grande maioria da plebe lusa está dependente da generosidade retributiva do patrão (uns mais Comprometidos, outros nem por isso…), vulgo salário, e que já andou muito mais longe do que se possa imaginar de fazer jus ao nome, e ser realmente paga com Sal, algo me diz que vai tudo continuar como dantes; “Quartel-General em Abrantes”.

 

Antevejo o tema da próxima reunião-magna do Compromisso: A Saúde.

Uma das propostas será:

 

«Assegurar a escolha livre dos cidadãos entre hospitais públicos ou privados

 

Post-Scriptum: «Há dias de manhã, em que um homem à tarde, não devia sair para a rua à noite…»