Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Quando a vertigem mediática te põe a fazer figura de tolinho

por josé simões, em 16.07.19

 

orelhas de burro (1).jpg

 

 

"Não é por acaso que não foi um zulu a escrever Romeu e Julieta, nem foi em Portugal que o iPhone foi inventado". Também não é por acaso que não foi Luís de Camões quem escreveu As Mil e Uma Noites e que as três religiões monoteístas nasceram no deserto, mesmo antes de se chegar ao berço da civilização, o Mediterrâneo. Assim como também não é por acaso que os portugueses usaram o astrolábio e a cartografia detalhada para iniciar a globalização e tornar o mundo mais pequeno enquanto os índios americanos andavam em tronco nu a caçar bisontes com flechas. Como por acaso não é Viriato viver amuralhado num castro no alto dos Montes Hermínios já os romanos tinham uma rede viária, toda ela a ir dar a Roma onde se podia beber água da torneira. E podíamos continuar assim ad aeternum a falar da "eterna construção" mas é mais pedagógico aconselhar um livro.

 

Marcelo deu-lhe exposição mediática, nós agora levamos com as figuras de tolinho em cima.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

|| Um burro carregado de livros é um doutor; vox populi

por josé simões, em 28.12.09

 

 

 

Como é por todos sabido, antes de haver cristianismo não havia civilização e a Humanidade evoluiu (?) na mais profunda escuridão. Como é por todos sabido, antes de haver televisão e mensagens aos Sans-Culottes pelos governantes no dia de Natal, não havia civilização. «Confusão entre religião e hábitos de civilização» é misturar religião com civilização e «jacobinismo demagógico» é duzentos e tal anos depois da Revolução Francesa quando os jacobinos mudam de campo e nos querem enfiar pelos olhos adentro que religião e civilização são sinónimos. Falam, falam, falam, mas não dizem nada.

 

(Na imagem Quadro de um típico sans-culotte por Louis-Léopold Boilly)