Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Lei da Protecção do Sangue Português e da Honra Portuguesa

por josé simões, em 09.02.20

 

revista sábado (1).jpg

 

 

Pela revista Sábado [acesso condicionado] ficamos a saber que na segunda década do século XXI português há um bando de imbecis - a única definição plausível pelo desconhecimento total da História de Portugal, desde os povos ibéricos pré-romanos até à actualidade, e ignorantes da história, recente de 75 anos, da Europa, que se rege por leis da Alemanha nazi dos anos 30 do século XX, as de má-memória  Leis de Nuremberga que deram o primeiro passo para a "solução final" e para o holocausto. Notícias que não abrem telejornais, se calhar porque como Paulo Rangel, o ex-camarada de partido de André Ventura, até agora não viram nenhum fascismo em André Ventura.

 

[Via]

 

 

 

 

Noções elementares de como legitimar um fascista, Capítulo II

por josé simões, em 31.01.20

 

Max Papeschi.jpg

 

 

Marcelo Rebelo de Sousa, mais rápido que o INEM a chegar à queda de uma avioneta em cima do telhado de um hipermercado a dezenas de quilómetros de Cascais; Marcelo Rebelo de Sousa, mais rápido que a própria sombra a chegar ao descarrilamento de um eléctrico numa calçada de Lisboa; Marcelo Rebelo de Sousa, sempre disposto a meter o bedelho onde não é chamado, e onde os poderes presidenciais não são tidos nem achados, para condicionar a acção do Governo; Marcelo Rebelo de Sousa, que se baba todo e que fica com a cara toda babada para beijar tudo o que respira à face da terra e que lhe renda simpatia popular; Marcelo Rebelo de Sousa não comenta o "vai para a tua terra" de André Ventura e "desaconselha escaladas" porque "o radicalismo fomenta o radicalismo, a agressividade fomenta a agressividade". Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente que jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição, diz ao deputado do Chega que pode dizer tudo o que lhe vai na real gana e diz aos restantes deputados, partidos políticos, cidadãos anónimos deste país que devem ouvir e calar e se calhar até dar a outra face, fazer o sinal da cruz e dizer "amém!".

 

[Imagem]

 

Noções elementares de como legitimar um fascista, Capítulo I

 

 

 

 

Noções elementares de como legitimar um fascista

por josé simões, em 30.01.20

 

they live.jpg

 

 

O Iniciativa Liberal, cujo programa económico e social é igualzinho ao do Chega, se calhar até nas virgulas: acabar com a escola pública, acabar com o Serviço Nacional de Saúde, entregar a Segurança Social - pensões e reformas, a fundos privados, e que foi levado a cabo, com o "sucesso" que se conhece, pelos rapazes de Chicago no Chile do golpista-fascista Pinochet, introduz a "liberdade de expressão" na tomada de posição sobre o "vai para a tua terra" com que André Ventura despachou uma deputada eleita pelos cidadãos em eleições livres e democráticas.

Não se percebe bem a que propósito a "liberdade de expressão" aparece, aqui e neste contexto, ou se calhar até se percebe. Se a liberdade da deputada Joacine propor a devolução das obras de arte retiradas às ex colónias, retiradas, não compradas ou doadas, como, por exemplo, o Metropolitan Museum of Art de Nova York fez ao Egipto com as peças retiradas da tumba de Tutankhamon, ou como o Museu de Atlanta, também nos States, com a múmia de Ramsés I, nós, que passamos a vida a lastimar-nos do saque cultural e científico sofrido durantes as invasões francesas, se a liberdade de André Ventura mandar quem quiser para a terra que lhe der na real gana, tudo a brincar, pois claro e sem emoji, até ao dia em que uma maioria lhe permita fazer uma lei a sério, para depois andarmos todos a ganir, liberais incluídos, o poema do Martin Niemöller "Quando os nazis vieram buscar os comunistas, eu fiquei em silêncio; eu não era comunista" e o caralho.

 

[They Live na imagem]

 

 

 

 

Impressões digitais

por josé simões, em 30.01.20

 

gnr cassette.jpg

 

 

A doutora "noiva cadáver" confessa que o CDS, o partido do doutor Chicão com o doutor Abel Matos Santos na Comissão Executiva,  que no Facebook dá vivas a Salazar, elogia a PIDE, "uma das melhores polícias do mundo", e critica Aristides de Sousa Mendes, "agiota de judeus", pode disputar o eleitorado com a Iniciativa Liberal e o Chega.

 

"Sinto-te uma fotocópia prefiro o original, Edição revista e aumentada cordão umbilical"

 

[Imagem]

 

 

 

 

Notícias do Conde Andeiro

por josé simões, em 04.01.20

 

chega.jpg

 

 

vox.jpg

 

 

O Ventas do chaga congratula o Vox pelo resultado eleitoral, com a bandeira espanhola em primeiro plano e por cima da portuguesa, o Vox retribui a deferência e convoca uma manif com um mapa da península onde é tudo Espanha.

 

[A morte do Conde Andeiro]

 

 

 

 

Malucos do Riso

por josé simões, em 16.12.19

 

voto.jpg

 

 

Voto de "condenação" apresentado pelo Chega na Assembleia da República.

 

 

 

 

Perder uma boa oportunidade de ficar calado

por josé simões, em 12.12.19

 

hitler mickey (2).jpg

 

 

"É uma vergonha!" Ferro Rodrigues repreende expressões de André Ventura

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

É o mercado a funcionar, dizem eles

por josé simões, em 25.11.19

 

Dennis Hopper X Ilse Ruppert.jpg

 

 

    "Com a compra da TVI, o grupo COFINA vai passar a deter cinco jornais, três revistas, dois canais de televisão e um partido político."

 

[Dennis Hopper na imagem]

 

 

 

 

História da Europa no século XX

por josé simões, em 22.11.19

 

A woman riding an alligator in the Los Angeles Memorial Coliseum.  The alligator is evidently the team mascot, c 1930s (via Los Angeles Public Library).jpg

 

 

O jornal Expresso que noticia a renúncia ao cago de uma autarca social-democrata alemão depois de repetidas ameaças da extrema-direita por ter condenado em mais de uma ocasião a violação de direitos humanos quando quatro homens amarraram um refugiado a uma árvore, é o mesmo jornal Expresso que dá conta da disponibilidade da ex-ministra das Finanças do governo da troika para entendimentos com o oportunista André Ventura que lançou a carreira numa candidatura à presidência de uma Câmara dos subúrbios de Lisboa com um programa anti-ciganos e com o suporte de Passos Coelho até à contagem dos votos. O resto é História da Europa no século XX.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Na próxima legislatura depois a gente fala, Capítulo IV

por josé simões, em 21.11.19

 

 

 

Enquanto Telmo Correia descia a escadaria de S. Bento para falar com os manifestantes debaixo de uma assobiadela e de uma vaia monumental, nos Passos Perdidos André Ventura falava para a imprensa com uma t-shirt do Movimento Zero vestida antes de fazer o mesmo trajecto, minutos antes feito pelo deputado do CDS, aplaudido pelos manifestantes e aos gritos de "Ventura! Ventura!", para um mini-comício sobre insegurança e autoridade do Estado a pretexto das perguntas dos jornalistas.

 

[Imagem]

 

"Na próxima legislatura depois a gente fala", Capítulo I

"Na próxima legislatura depois a gente fala", Capítulo II

"Na próxima legislatura depois a gente fala", Capítulo III

 

 

 

 

Em dia de manif das polícias

por josé simões, em 21.11.19

 

judge-dredd.jpg

 

 

Em dia de manif das polícias, com o neo-fascismo populista do Chega sentado no Parlamento a levar a direita tradicional, CDS-PP, e os novos neo-liberais, Iniciativa Liberal, a reboque, ao invés de serem os próprios a demarcar território e a separar as águas, convém [re]lembrar os dois grandes perigos para a democracia e o Estado de direito neste início de século XXI: a judicialização da política e a autonomização das polícias.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Na próxima legislatura depois a gente fala, II

por josé simões, em 19.11.19

 

jaime neves.jpg

 

 

O Chega apresentou um projeto de resolução, na Assembleia da República, a “recomendar ao Governo que proceda à instauração de uma celebração solene do 25 de novembro”. O objetivo do partido liderado por André Ventura é que seja dada a esta data a mesma dignidade do 25 de Abril.

 

"Sobre a grande novidade de se pedirem comemorações oficiais do #25denovembro
Há muitos e muitos anos que o CDS as pede. A memória é que é curta.". Nuno Melo no Twitter

 

Na próxima legislatura depois a gente fala, Capítulo I.

 

[Na imagem a estátua que em 25 de Novembro de 2009 o 31 da Armada ergueu a Jaime Neves]

 

 

 

 

Na próxima legislatura depois a gente fala

por josé simões, em 17.11.19

 

Jenny Holzer.jpg

 

 

Andamos há décadas de legislaturas a falar de Os Verdes servirem para o PCP ter tempo de antena a dobrar, nas televisões e no Parlamento, para agora chegamos ao ponto de termos o fascista Chega com tempo de antena a triplicar, com o CDS e a Iniciativa liberal, em termos de impostos e carga fiscal, funções sociais do Estado, salários e salário mínimo nacional, protecção social, saúde e educação. Na próxima legislatura depois a gente fala da eficácia de cada a passar a mensagem.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Crime e terrorismo é quando a direita quiser

por josé simões, em 13.11.19

 

O carro do arquiteto portuense Alexandre Alves Costa, um dos dinamizadores do SAAL, foi destruído à bomba em março de 1976.jpg

 

 

Depois de a Europa ter definitivamente perdido a memória ao misturar Estaline e Hitler, nazismo e comunismo, perante o aplauso e o voto da direita radical nacional, a querer repetir o "feito" dentro de portas, é agora que vão propor que os crimes e os assassinatos cometidos durante o PREC pelo ELP, Maria da Fonte e MDLP, integrados e financiados por militantes do PSD e do CDS, sejam equiparados aos crimes das FP 25, com que nunca se calam no ódio que têm ao 25 de Abril e de cada vez que se aproxima a data e Otelo desce a Avenida? Se calhar não...

 

[Imagem]

 

 

 

 

Começa o circo

por josé simões, em 25.10.19

 

milonga.jpg

 

 

Há uma diferença substancial entre chegar atrasado e programar um atraso e André Ventura não chegou atrasado ao Parlamento, André Ventura atrasou-se para a coreografia a transmitir pelos telejornais e para a qual contou com a prestimosa colaboração de Ana Rita Bessa, deputada eleita pelo CDS, que ensaiou uma espécie de milonga [na imagem] no breve 'raspanço' entre cadeiras . É desrespeitoso para o voto popular e para a casa da democracia, que bastas vezes não se dá ao respeito, mas é um desrespeito "criativo" da parte do deputado eleito pelo Chega. Habituem-se.

 

[Imagem de autor desconhecido]