Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Responsáveis e responsabilidades

por josé simões, em 06.01.07

"Assumo todas as responsabilidades - as nossas - como é meu dever, certo que todos saberão também assumir as suas, retirando lições de modo a que, no futuro, possamos ser ainda mais capazes"

Almirante Melo Gomes, Chefe do Estado-Maior da Armada, a propósito do naufrágio da embarcação Luz do Sameiro e consequente morte dos tripulantes a 50 metros da praia.

 

"Os meios de socorro do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil  (SNBPC) "não podem actuar em missões de busca e salvamento no mar sem autorização prévia da Marinha"

Diário de Noticias de hoje, citando fonte daquele organismo tutelado pelo Ministério da Administração Interna.

 

Ainda no DN, a mesma fonte:

"Quase nunca dá essa autorização (a Marinha) e, quando é necessária a intervenção de um helicóptero, recorre à Força Aérea, mesmo que os seus meios estejam estacionados mais longe". "Depois só vamos resgatar corpos no mar, porque não nos deixam tentar alvar as pessoas ainda com vida".

Mais à frente a mesma fonte conta que em 28 de Dezembro de 2000, foi detectado por um helicóptero do SNBPC um naufrágio ao largo de Viana do Castelo, foi pedida autorização à Marinha para efectuar o salvamento que foi recusada.

"Mesmo assim o helicóptero resgatou 4 tripulantes e depois o barco afundou-se. No dia seguinte , o Instituto Nacional de Aviação Civil contactou o SNBPC exigindo a identificação dos tripulantes do helicóptero que cumpriu uma missão de salvamento sem autorização da Marinha"

 

Após a tragédia que foi a queda da ponte de Entre-os-Rios e, ainda o autocarro não tinha sido completamente engolido pelas aguas, já Jorge Coelho, à altura Ministro da Administração Interna, assumia responsabilidades (que não eram suas, sublinhe-se) e pedia a demissão.

Mas o actual Ministro da tutela não se chama Jorge Coelho.

O único a assumir responsabilidades e, possivelmente as terá, não é Ministro, também não se chama Jorge Coelho, e tutela uma instituição em que, as assumpções de responsabilidade costumam funcionar em cadeia hierárquica. Em escadinha. De cima para baixo.

 

Provérbio do dia: "Quando o mar bate nas rochas, quem se lixa é o mexilhão".

"A ver vamos, dizia o cego" - outro provérbio, para finalizar.