Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A notícia do dia

por josé simões, em 24.10.18

 

miguel-morgado.jpg

 

 

A notícia do dia foi a aparição do pantomineiro do pin, sem pin, a dizer que também vai escrever um livro de memórias. Se calhar de seu nome "Sexta-feira" [e o resto da semana], em homenagem ao personagem criado por Daniel Defoe, sozinho numa ilha, contra o socialismo e o comunismo e o peso do Estado na economia.

 

[Na imagem "o dono da voz"]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 23.10.18

 

circus (2).jpg

 

 

"creio que [António Costa] percebera com Passo Coelho que, em política, uma excessiva preocupação em falar verdade não era caminho para o sucesso", Cavaco Silva in "Quinta-feira e Outros Dias", II Volume.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Descubra as diferenças

por josé simões, em 30.09.18

 

 

 

 

 

 

 

 

"A não recondução da doutora Joana Marques Vidal é algo que eu considero muito estranho. Estranhíssimo"

por josé simões, em 28.09.18

 

cavaco pide.jpg

 

 

"A não recondução da doutora Joana Marques Vidal é algo que eu considero muito estranho. Estranhíssimo"

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 01.07.18

 

clown (7).jpg

 

 

Cavaco Silva: Os poderes públicos têm que criar condições para que os casais tomem a decisão de ter mais filhos. Isso é fundamental para a identidade do futuro do nosso país, não é com autoestradas, gimnodesportivos ou clubes de futebol.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Insónias em formol

por josé simões, em 26.05.18

 

formol (1).jpg

 

 

Retirado da solução de formol onde se encontrava depositado Cavaco Silva acorda para entrar na campanha do "Não" à eutanásia. Atendendo a que o senhor deixou a Presidência da República com um índice de popularidade '5 degrees below zero' e com o prestígio da instituição e rastos isto só pode ser um sinal auspicioso e um tomar de pulso ao sentimento da sociedade portuguesa actual.

 

[Imagem]

 

 

 

 

OMO lava mais branco

por josé simões, em 11.05.18

 

OMO.jpeg

 

 

Agora que o malandro está no chão vale tudo, até vale branquear que Luciano Alvarez, jornalista do Público, deu conhecimento a Tolentino Nobrega, correspondente do jornal na Madeira, de que se tinha reunido com Fernando Lima, a pedido deste, e que a conversa começou com o assessor de Cavaco Silva a dizer que estava ali a pedido do chefe de Estado para falar de um assunto grave, que o Presidente da Republica achava que o gabinete do primeiro-ministro o andava a espiar e que, a pedido de Cavaco Silva, a história deve começar no arquipélago, para não levantar suspeitas e para parecer que o furo teve origem em alguém ligado a Alberto João Jardim, naquilo que ficou conhecido como a "inventona das escutas a Belém", a conspiração de um Presidente contra um Governo legítimo e democraticamente eleito, enquanto mantinha assessores seus, pagos com o dinheiro dos contribuintes, a trabalhar na elaboração do programa político do seu partido - o PSD, e de Pedro Passos Coelho.

 

Nada disto aconteceu, não disto interessa, nada disto importa, o que importa é que Henrique Monteiro, antigo director do jornal do militante n.º 1, passados nove - 9 - nove anos sobre o acontecimento, lembrou-se de vir dizer que o gabinete do malandro entregou cópias de correspondência interna do Público a uma jornalista daquele semanário, com o intuito de "se vingar" do diário por este ter investigado a sua licenciatura.

 

Nesta lavagem da história vale tudo, só já falta Cavaco Silva, himself, interromper a reforma e aparecer por aí numa televisão qualquer com o tradicional "eu avisei" enquanto mastiga cuspo.

 

 

 

 

O Avisador-mor

por josé simões, em 19.01.18

 

avisador_sonoro.jpg

 

 

- O BES é um banco sólido

 

- A minha reforma não chega para as despesas

 

- Para serem mais honesto que eu têm de nascer duas vezes

 

Cavaco regressa e faz três avisos

 

[Roubado]

 

"À meia volta"

por josé simões, em 16.10.17

 

Adriano Miranda, Vouzela.jpg

 

 

Sintomático que os distritos mais afectados pela tragédia dos incêndios no Anno Domini 2017, devido à desertificação do território e à falta de uma exploração sustentada da terra e do meio ambiente, por via das Políticas Agrícolas Comuns assinadas a troco de 30 dinheiros para abate e abandono, convertidos em casario, barcos, parque automóvel e no deixar crescer do eucalipto, tenham sido aqueles onde Cavaco Silva teve as mais expressivas maiorias absolutas.

 

[Imagem "Ventosa, Vouzela, 16 de Outubro de 2017", Adriano Miranda]

 

 

 

 

"a realidade tira o tapete à ideologia", capítulo IV

por josé simões, em 05.09.17

 

cavaco (1).jpg

 

 

Unidade da Fitch revê em alta crecimento de Portugal

 

"a realidade tira o tapete à ideologia"

 

 

 

 

"a realidade tira o tapete à ideologia", capítulo III

por josé simões, em 03.09.17

 

Cavaco.jpg

 

 

Moody's melhora perspectiva do "rating" de Portugal

 

"a realidade tira o tapete à ideologia"

 

 

 

 

O argumento dos argumentos

por josé simões, em 01.09.17

 

1960's box eclipse viewers.jpg

 

 

É nos dias que correm o argumento dos argumentos invocado pela direita radical quando não tem argumento: a liberdade de expressão contra a censura e o silêncio.

 

[Imagem]

 

 

 

 

"a realidade tira o tapete à ideologia", capítulo II

por josé simões, em 31.08.17

 

 

 

"a realidade tira o tapete à ideologia" [via]

 

 

 

 

"a realidade tira o tapete à ideologia", capítulo I

por josé simões, em 31.08.17

 

Independente 20 de Agosto de 1993.jpg

 

 

"a realidade tira o tapete à ideologia" [via]

 

 

 

 

Uma espinha na garganta

por josé simões, em 30.08.17

 

Espinha.jpg

 

 

Ainda não foi assim há tanto tempo que Cavaco Silva presidiu uma legislatura à cegueira ideológica da direita radical no desmantelamento do Estado social em favor de obscuros interesses privados, com a realidade a tirar-lhes o tapete debaixo dos pés todos os dias e todos os dias as metas ajustadas para encaixarem na realidade que não se compadecia com ideologias, e posteriores manobras de diversão, cego pelo radicalismo ideológico, a adiar a realidade da solução governativa que tinha pela frente, com chamadas ridículas, para ser simpático, ao Palácio de Belém, desde o Corpo Nacional de Escutas à Confraria do Bacalhau. Esta meia dúzia de linhas gastas com a espinha que o personagem tem atravessada na garganta já foi demasiado tempo perdido.

 

[Imagem de autor desconhecido]