Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Como as coisas são feitas

por josé simões, em 02.12.21

 

naperon.jpg

 

 

Do "caos no atendimento" e das "intermináveis horas de espera" para receber a vacina, nos idos de Fernando Medina, para "longas filas" e "algum constrangimento", agora, no tempo de Carlos Moedas. Agora que está a chegar a época se calhar recuperávamos a cantiga do spot "Para o Natal, o meu presente, eu quero que seja, A Minha Agenda, A Minha Agenda...".

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Sempre a descer

por josé simões, em 29.11.21

 

evidence_.jpg

 

 

No início da pandemia, e durante os confinamentos, volta e meia aparecia alguém "imaginem que isto acontecia durante o governo de Passos/ Portas...", depois Carlos Moedas é eleito presidente da câmara municipal e Lisboa e uma das primeiras medidas que toma é encerrar centros de vacinação para centralizar todo o processo, obrigando uma faixa da população, carenciada e sem meios de mobilidade, a deslocar-se para uma ponta da cidade, mal servida por transportes públicos, e a mega concentrações em filas de espera, após dois dias de suspensão da vacinação num período de corrida contra o tempo; tirar da cartola uma forma de transferir dinheiro do município para negócios privados, através do pagamento das deslocações em táxi. Agora já não é preciso imaginar o que seria o governo Passos/ Portas em situação de pandemia, têm o moço de fretes da troika a todo o gás à frente da maior câmara do país.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Puta que pariu

por josé simões, em 03.11.21

 

unicorn-unicorns-emoji-emoji-horse-freetoedit-unic

 

 

Houve uma altura em que a Web Summit era a maior coisa de todos os tempos em todos os lados, só comparável à ida do homem à Lua, tudo por causa da diplomacia económica do Portas e do não sei o quê do Mesquita no Turismo.

Depois veio o socialismo e o Web Summit passou a ser uma valente merda não aconselhada a ninguém de bom nome, uma coisa a evitar a todo o custo.

Agora chegou o Moedinhas que funciona e a Web Summit passou a ser a next big thing dos cavalos My Little Pony com um corneto Olá espetado no meio da testa, "um corneto pra mim, um summit pra ti, olá, olá, e a vida sorri".

Puta que pariu esta direita summita e ilhas adjacentes.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Da inteligência colectiva de um povo

por josé simões, em 28.09.21

 

DN.jpg

 

 

Segundo o Diário de Notícias de hoje, na imagem, os lisboetas fartaram-se de Medina e uma das razões para o voto em Moedas foi a "proliferação do alojamento local". Leram bem, a "proliferação do alojamento local". E vai daí votaram no secretário de estado da troika, o liberal Moedas que, como é por todos sabido, vai acabar com essa pouca vergonha. E isto é um bom barómetro para aferir a inteligência colectiva de um povo.

 

 

 

 

A construção do personagem e da narrativa

por josé simões, em 27.09.21

 

mickey.jpg

 

 

As televisões, que construiram o Ventas, que lhes deu o clickbait e as  audiências e que, perante o descalabro eleitoral do Chaga nas autárquicas, rapidamente se esqueceram dele lhe retribuíram a conveniente fuga dos holofotes até a poeira do esquecimento assentar, são as mesmas televisões que agora constroem o personagem Moedas e a narrativa da grande vitória eleitoral, e da remontada, que daqui por quatro anos, ou se calhar mais cedo, há-de trazer a velha-nova-velha direita de regresso à ribalta e à governação do país, apesar do moço de recados da troika, coligado com a direita toda - Ilusão Liberal incluída, que teve uma diferença de quase menos 2% de votos úteis da Assembleia Municipal para a Câmara - é de apenas 0,95% para o PS sozinho, e em minoria absoluta, se contabilizarmos os votos dos socialistas aos da CDU e do Bloco. Assim se constrói um personagem e uma narrativa.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A nossa baixa exigência cívica

por josé simões, em 29.06.21

 

moedas.jpg

 

 

A imagem que se quer passar, muito cool e descontraído, sentado com os sapatos em cima de um banco de um jardim público da cidade que se propõe governar. Num qualquer país do norte da Europa, naquelas democracias com que enchem sempre a boca por comparação com o nosso "desgraçado atraso" e "falta de cultura democrática", esta fotografia era mortal para qualquer político, por cá é só mais do mesmo, a imagem da nossa baixa exigência cívica.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Duplicar a melodia

por josé simões, em 05.03.21

 

cante alentejano.jpg

 

 

Diz Marques 'disse-não-disse-tenho-esperança-que-não-se-lembrem-do-que-disse' Mendes que a "ambição política de Moedas pode empurrá-lo para a liderança do PSD". Moedas, o moço de fretes da troika. Até já circula nas redes a versão de que era ele quem punha travão nas ambições. O início de uma construção. Adiante. Moedas que ousou ter vida própria e avançar sem a bênção do Ungido, o Messias, o que vai resgatar a direita, mas prontamente mostrou arrependimento e fez penitência, que fique desde já esclarecido, que não quer cá confusões, que não pensem que quer dar-se ares de qualquer coisa. E a gente olha para a figura e não encaixa na ambição, e olha para a ambição e não encaixa na figura, que isto é o século XXI, o da imagem por mil palavras. Mas depois olhando bem, quer dizer ouvindo bem o tom de voz do ambiciosom que não encaixa na figura, ao contrário do Ungido, o Messias, o que vai resgatar a direita, com o seu barítono, e percebemos que afinal faz tudo sentido em Moedas, o alentejano de Beja, com voz alto, no cante alentejano a voz mais aguda, que duplica a melodia e que, geralmente, a ornamenta.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Entretanto o senhor já faz a barba

por josé simões, em 13.10.18

 

Martha Rich.jpg

 

 

"Carlos Moedas [futuro mordomo da Troika em Portugal] não tem dúvidas de que notas voltarão a subir quando mercados perceberem que PSD vai cumprir as metas de défice"

 

Rating voltará a subir com medidas do PSD

 

 

"Depois da Standard & Poor’s e da Fitch, foi a vez de a Moody’s atribuir uma classificação de investimento à dívida nacional. Subiu em um nível a notação do país, o suficiente para que o rating da dívida portuguesa abandonasse a categoria de “lixo” financeiro naquela que é a mais maldisposta das agências."

 

Sete anos, três meses e dois dias depois, Portugal deixa de ser “lixo” nas três grandes agências de rating

 

[Imagem]

 

 

 

 

Há muita fraca memória na política e nos políticos

por josé simões, em 28.07.16

 

Jiminy Cricket.jpg

 

 

Carlos Moedas, herói nacional, de parabéns pelo árduo trabalho na Comissão Europeia em defesa do seu legado de quatro anos como "grilo falante" da troika. A medalhar por Marcelo Rebelo de Sousa. Como diz o outro, "há muita fraca memória na política e nos políticos...".

 

 

 

 

Guardar

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 09.12.15

 

the_human_cannon_ball.jpg

 

 

Saído do cargo de secretário de Estado da Troika no Governo do trambolhão de dez lugares no desempenho contra as alterações climáticas, entre outras por "um abrandamento significativo" no uso de energias renováveis, para a sinecura em Bruxelas como recompensa pelos serviços prestados:


"É tempo para investir mais. Temos de fazer muito mais. Esse é o meu apelo de hoje",


"Carlos Moedas quer mais investimento europeu na investigação sobre energias renováveis"


[Imagem]

 

 

 

 

||| Uma história de coxos e mentirosos

por josé simões, em 05.03.15

 

gravata.jpg

 

 

Cavaco Silva não sabia nada de nada, apesar da relação de proximidade com Ricardo Salgado e do esboço da candidatura presidencial ter começado num jantar na casa do banqueiro no Estoril, a meias com Durão Barroso e esposa, Marcelo Rebelo de Sousa, Aníbal e esposa, e o próprio Ricardo Salgado que, anos mais tarde havia, ele e toda a família, de contribuir financeiramente para a recandidatura. Cavaco Silva só sabia que os portugueses podiam confiar no BES e que o BES não era o GES e, quando os portugueses descobriram que não podiam conviar no BES que afinal era o GES e ainda muito mais, Cavaco Silva sabia que a culpa era do do Banco de Portugal e do seu Governador que lhe passaram informação manhosa, ele que nunca se engana.


Pedro Passoos Coelho não sabia nada de nada, apesar da relação de proximidade com José Maria Ricciardi que já andava há que tempos a badalar que o Diabo afinal era mais feio que o pintam e de telefonar amiúde ao primeiro-ministro e ser caçado em escutas a telefonar amiúde ao primeiro-ministro que nunca se mostrou incomodado com os telefonemas nem nunca mostrou intenção de trocar o número do telemóvel, se um homem não dá o número do telemóvel a um amigo dá a quem? Pedro Passos Coelho só sabia que os portugueses podiam confiar no BES e que o BES não era o GES e, quando os portugueses descobriram que não podiam conviar no BES que afinal era o GES e ainda muito mais, Pedro Passos Coelho sabia que a culpa era do do Banco de Portugal e do seu Governador, que o Governo não se mete em negócios privados, e ainda de Vítor Constâncio, o manhoso, que está lá no BCE e pensa que escapa.


O Moedas, que funcionava, que era só treinador-adjunto, o gajo dos guarda-redes e bobby da troika, sabia de tudo e não disse nada a ninguém «alegando não ter funções relacionadas com o sistema financeiro» e, se calhar, meter o Moedas a funcionar era mesmo isso, não fazerondas e andar em cima dos banhistas, por causa dos agueiros.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Team Juncker EU

por josé simões, em 04.11.14

 

comissão europeia.jpg

 

 

Cada macaco no seu galho. Manda quem pode, obedece quem deve. A importância de ter um amigo de Portugal presidente da Comissão Europeia. A new START for EUROPE. A Comissão Europeia, hierarquicamente disposta, no edício Berlaymont em Bruxelas. Where's Wally?


[Via]

 

 

 

 

||| Todos inocentes...

por josé simões, em 17.10.14

 

don corleone.jpg

 

 

O Sol¹ publica hoje excertos da gravação de uma reunião do conselho superior da família Espírito Santo. A peça arranca assim: «O aumento de capital do BES decorria e aparentemente tudo corria bem. Mas a holding do grupo estava em falência técnica há muito — mais de seis mil milhões de passivo — e os investidores queriam ser reembolsados. A família tenta tudo para arranjar capital.»


Durante a reunião, os presentes tomam conhecimento de que a Procuradoria-Geral da República do Luxemburgo tinha acabado de anunciar que três sociedades do Grupo Espírito Santo com sede no grão-ducado estavam sob investigação. A reacção de Ricardo Salgado dá uma ideia do ambiente que se gerou na sala: «Isto agora vai piar mais fino, temos aqui um problema sério. Pode ser dramático para o BES. Vai ser muito difícil segurar o grupo nestas circunstâncias».


Impunha-se uma actuação mais célere. André Mosqueira do Amaral defende a necessidade de uma linha de crédito extraordinária, que só poderia vir de um auxílio público. Sugere para tanto que uma comitiva do clã faça «um pedido de ajuda às autoridades», numa «narrativa de humildade».


Mas a situação de emergência obriga a saltar formalidades. Decide-se que Ricardo Salgado telefone ao governador do Banco de Portugal para que este convença a Caixa Geral de Depósitos a abrir os cordões à bolsa. Carlos Costa não aceita apoiar a iniciativa, com justificação de que era preciso evitar o contágio do sistema financeiro.


É então que José Manuel Espírito Santo sugere baterem a outra porta: «O Moedas, o Moedas! Eu punha já o Moedas a funcionar». Salgado liga-lhe no mesmo minuto: «Carlos, está bom?» Pressuroso, o então secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro pôs-se mesmo a funcionar: diz a Salgado que não só se predispõe a falar com o presidente da CGD como vai tentar pô-lo em contacto com o ministro da Justiça do Luxemburgo, de quem é «amicíssimo». O telefonema acaba com Ricardo Salgado a agradecer ao Moedinhas: «Obrigado, Carlos, um abraço».

 

Acontece que a ordem de trabalhos da reunião do conselho superior da família Espírito Santo continha um outro ponto explosivo: a sucessão de Ricardo Salgado. Na abertura dos trabalhos, o então presidente do BES leu uma carta que havia enviado, a 31 de Março, ao governador do Banco de Portugal. Nessa carta, que, segundo o Sol, estava escrita «num tom claro de chantagem», alertava-se para «os riscos sistémicos» que o banco e a banca portuguesa enfrentariam se a família fosse afastada da governação do BES antes do aumento de capital — que só terminaria a 9 de Junho.


Foi então que Ricardo Salgado fez questão de recordar aos presentes que «tem acesso a uma rede de contactos políticos conceituados». «Essa carta li depois ao presidente da República, ao primeiro-ministro, à ministra das Finanças e ao José Manuel Durão Barroso».


A reunião do conselho superior da família Espírito Santo decorreu no dia 2 de Junho de 2014.


À luz deste relato da reunião, como é que o Presidente da República, o alegado primeiro-ministro, a ministra das Finanças, «o José Manuel Durão Barroso», «o Moedas» e o governador do Banco de Portugal puderam depois continuar a sustentar que o BES estava sólido? E como é que Cavaco Silva pôde afirmar e reafirmar que apenas teve acesso a informação através de Passos Coelho?


[Miguel Abrantes, Câmara Corporativa]


_________
¹ A Newshold de Álvaro Madaleno Sobrinho controla o i e o Sol, que estão a sobreviver à custa do caso BES.

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 10.09.14

 

 

 

Directamente do Governo da redução do custo do factor trabalho e dos cortes orçamentais [não previstos no memorando de entendimento] de um recuo de 20 anos para a ciência e investigação:

 

«A Investigação, Ciência e Inovação "são a chave para aumentarmos a produtividade das nossas empresas, para competirmos pela excelência e não pelos baixos custos"»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| [Um] O insecto

por josé simões, em 03.09.14

 

 

 

E agora, que já lá está,  e que vai ter tudo aquilo que desejou, um PA p' ras vozes e uma Fender, Carlos Moedas vai agarrar na pasta do Emprego e dos Assuntos Sociais e mandar os europeus emigrar? Tipo, "Angola, mas não só Angola, o Brasil também, tem uma grande necessidade ao nível de mão de obra qualificada", "se estamos no desemprego, temos de sair da zona de conforto e ir para além das nossas fronteiras", "quem entende que tem condições para encontrar [oportunidades] fora do seu país [e da Europa], num prazo mais ou menos curto, sempre com a perspectiva de poder voltar, mas que pode fortalecer a sua formação, pode conhecer outras realidades culturais, [isso] é extraordinariamente positivo". Fazer pela vidinha, calaceiros, manhosos, malandros ma viver à custa de subsídios, "perguntei-lhe: Qual é a tua ò meu ?".

 

[Imagem]