Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Sign O' The Times, LII

por josé simões, em 19.07.20

 

1 (79).jpg

 

 

2 (69).jpg

 

 

3 (63).jpg

 

 

4 (53).jpg

 

 

5 (52).jpg

 

 

6 (42).jpg

 

 

7 (42).jpg

 

 

8 (42).jpg

 

 

9 (36).jpg

 

 

10 (29).jpg

 

 

11 (25).jpg

 

 

12 (23).jpg

 

 

13 (21).jpg

 

 

14 (20).jpg

 

 

15 (19).jpg

 

 

16 (17).jpg

 

 

17 (17).jpg

 

 

18 (16).jpg

 

 

19 (14).jpg

 

 

20 (10).jpg

 

 

21 (7).jpg

 

 

Sign O' The Times, Capítulo LI

 

 

 

 

Para a Capital, e em força!

por josé simões, em 16.11.07

 

Li aqui, e também aqui, que havia por aí um blogue que cada vez estava melhor. Fui espreitar e li esta pérola assinada por Jorge Fiel.
Podemos ver isto por dois ângulos.
 
O primeiro:
- Este tal de Jorge Fiel é um gajo inteligente como o caraças! Descobriu a pólvora, ou algo lá muito próximo… Não se dar o caso de ser assim em todo o mundo civilizado – nas capitais é que estão sedeadas as empresas –, e até poderíamos começar já a fazer lobi para lhe atribuírem um prémio Nobel qualquer.
 
O segundo:
“Eh pá, este gajo está a querer tramar-nos!” (por “tramar-nos”, subentenda-se o pessoal de Setúbal). Quer pregar-nos aqui com a capital. Se isto já não anda famoso; com mais esta… Porque a argumentação é imbatível; a ver:
 
- Produzimos muitos khw de electricidade, por via da central termoeléctrica das Praias do Sado. De cada vez que faz uma descarga para o rio Sado, numa área de 500 metros ao redor das turbinas tudo o que é peixe fica cozido e à tona… é só chegar e temperar de azeite e vinagre!
 
- Fabricamos toneladas de cimento, por via da cimenteira Secil, mesmo cravada em pleno coração do Parque Natural da Arrábida e que, a cada minuto que passa, vai sugando as entranhas da serra. Traz-nos à memória aquela canção do “comem tudo e não deixam nada”. Nós bem nos queremos ver livres dela, envia-la para Lisboa… mas parece que a sorte não mora nestas bandas. E já não falo nas pedreiras de Sesimbra– que é coisa que Lisboa também não tem -, também em pleno Parque Natural da Arrábida
 
- Transformamos madeira em pasta, e pasta em papel. Resmas dele! Há por aqui uma Portucel que além de aniquilar tudo o que é ostra no rio, ainda contribui para que de vez em quando apareçam uns golfinhos esticados nas areias de Tróia… Mas para provar que nem tudo é mau na Portucel, devemos ter em conta o seu inestimável valor como barómetro para as populações. Quando o vento sopra de bombordo, o insuportável cheiro “a Socel” – como se usa por aqui – é tal, que é sinal que vai chover pela certa…É coisa que se aprende aqui deste pequenino.
 
- E refinamos hectolitros; tonéis de gasolina: A refinaria de Sines, distrito de Setúbal. Penso eu de que, porque nestas coisas dos distritos nunca fiando; desde que vi Teresa Caeiro do CDS/PP no telejornal das 22 horas SIC Notícias dizer que Alcochete era distrito de Santarém, já estou por tudo.
 
E como ia dizer, estava eu a pensar nestas coisas para com os meus botões, quando reparei na ficha técnica do blogue. Uns quantos famosos talibans, uns mais mediáticos que outros, da não menos famosa guerra Porto - Lisboa, com futebóis à mistura e tudo, e que, para infelicidade de alguns, nunca se transformou em guerra Norte – Sul. Talvez mesmo por causa da bandeira do futebol que alguns empunham, quem sabe?! É que o Norte é grande demais para caber no Porto cidade..., mas adiante -, e que agora desesperadamente tentam transformar na guerra da regionalização.
 
Não há pachorra! Já estou como na questão da independência da Madeira. Querem independência? Levem-na. Querem a capital no Porto? Assim seja! Onde é que eu assino só para nunca mais os ouvir?
 
No entanto, e como esta coisa dos blogues às vezes é mais chata que uma porta de molas enferrujada, vou linkar o referido blogue aqui na coluna da direita. Já sei onde me dirigir quando me quiser divertir um bocado. Assim como dizem os bifes: Have some fun.
 
(Foto gamada no Le Soir)