Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| In Memoriam

por josé simões, em 11.10.14

 

 

loukanikos.jpg

 

 

Loukanikos


? – 2014

 

 

 

 

|| Cães de marca e malas de raça

por josé simões, em 13.01.13

 

 

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Não gostar de franceses (nem de judeus)

por josé simões, em 24.05.11

 

 

 

 

Atente-se ao pormenor, ao que realmente interessa. A grande preocupação não era qual o destino daqueles milhões de seres humanos, até ali vizinhos, colegas de escola, colegas de trabalho, amizades de gerações, não, a preocupação era saber qual o destino dado aos animais deixados para trás:

 

"Indeed, when they started interning Jews, the newspapers were flooded with outraged letters from Germans wondering what had happened to the pets they left behind.

 

E esta é, para mim, a parte para levar a sério, aquela que nos devia deixar todos a pensar.

 

Depois há o rafeiro que aprendeu a falar e a primeira coisa que disse foi 'Mein Führer' quando inquirido sobre quem era Adolf Hitler. E aquele outro, o Rolf, que dissertava sobre religião, além da falar línguas e escrever poesia, talvez por ser de raça, Airedale terrier, talvez com ascendência britânica e possivelmente educado no seio de uma família judaica, penso eu de que. E um, patriota, que logo pediu para ser alistado no exército porque não gostava de franceses…

 

Isto é tão, mas tão surreal, para sair nas páginas de um prestigiado Telegraph, que ainda não estou em mim:

 

«The patriotic German dog even expressed a wish to join the army, because he disliked the French.»

 

(Imagem)

 

 

 

 

 

|| Minaretes na Suíça

por josé simões, em 19.04.11

 

 

 

 

 

 

 

 

|| O Obama Cão

por josé simões, em 20.05.09

 

(flyer que se encontra espalhado pelas paredes do Bairro do Montalvão em Setúbal)

 

Sinceramente não sei foi por ser preto, ou por ser cão, ou por simplesmente ter nascido no momento exacto. Ou por todas. Não conheço o padrinho, e estas coisas dos nomes aos cães têm muito que se lhe diga. O meu avô no Alentejo tinha um perdigueiro Benfica porque era benfiquista, e um rafeiro alentejano Tejo, como recordação da primeira vez que tinha visto o mar ao chegar ao Barreiro, mesmo antes de apanhar o barco que fazia a ligação entre as margens, e que o havia de levar a Lisboa. Já o Black Skin do Vai Tudo Abaixo tem um Salazar como fiel amigo, e não me parece que seja por morrer de amores pelo velho de Stª Comba. Adiante. Partamos do princípio que foi porque sim. Até que como é sabido caricaturar o Obama não pode ser e dá maus resultados. Com o W é que era. E toda a gente se ria.

 

O que me chamou a atenção foi o «estou perdido». Tal como o Obama, o original e presidente dos amaricanos, que também parece andar perdido. Quase à deriva.

 

By the way, se virem por aí por aí o Obama, cão, o telefone de casa está mesmo ali e o número do chip também. É genuíno “de água” duas vezes: é de Setúbal, terra de gentes do mar, e é do Clube Naval.