Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Fim-de-semana

por josé simões, em 24.03.19

 

Bob Dylan ‎– Mozambique.jpg

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

Mozambique ~ Bob Dylan

 

[7" vinyl]

 

 

 

 

Mozambique

por josé simões, em 22.03.19

 

 

 

I like to spend some time in Mozambique, The sunny sky is aqua blue, And all the couples dancing cheek to cheek. It's very nice to stay a week or two. And maybe fall in love just me and you.

 

 

 

 

Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 14.10.16

 

Die Tageszeitung.jpg

 

 

A primeira página do alemão Die Tageszeitung.

 

 

 

 

Trata Deus por tu

por josé simões, em 13.10.16

 

Bob-Dylan.jpg

 

 

Oh God said to Abraham, "Kill me a son". Abe says, "Man, you must be puttin' me on…". God say, "No". Abe say, "What ?". God say, "You can do what you want Abe, but the next time you see me comin' you better run"

 

 

 

 

||| The Times They Are A-Changin'

por josé simões, em 20.10.15

 

 

 

 

 

 

||| Fim-de-semana

por josé simões, em 28.09.14

 

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

Subterranean Homesick Blues ~ Bob Dylan

 

[7" vinyl]

 

 

 

 

 

 

||| 50 anos, hoje

por josé simões, em 13.02.14

 

 

 

The Times They Are a-Changin'

 

 

 

 

 

 

|| Fim-de-semana

por josé simões, em 03.11.13

 

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

Knockin' On Heaven's Door - Bob Dylan

 

[7" vinyl]

 

 

 

 

 

 

|| Fim-de-semana

por josé simões, em 13.03.11

 

 

 

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

The Times They Are A-ChanginBob Dylan

 

(7”red vinyl, mono version)

 

 

 

 

 

 

 

Dos tempos em que Ronald Reagan ainda não era governador da Califórnia

por josé simões, em 31.10.08

 

 

Causou grande sururu a afirmação proferida pelo Presidente do Conselho de que era “digamos assim, da geração Kennedy” e que se lembrava do “debate que houve na América quando, pela primeira vez, um católico se candidatou a presidente”.

Houve logo quem viesse insinuar que a certidão de registo foi alterada, talvez com o pensamento noutras alterações recentemente ocorridas. Não sei.

 

Isto tudo faz parte dum processo construtivo. Que me lembre (de ouvir falar!) também o Leonidas Brejnev usava medalhas, ganhas na II Guerra por bravura em combate, apesar de nessa altura ter a mesma idade que José Sócrates tinha no célebre frente-a-frente entre Kennedy e Nixon.

 

Se, como diz o outro, “lendo, vendo, ouvindo átomos e bits”, estivessem com atenção aos sinais, tinham percebido que o discurso é coerente: Bob Dylan também está lá.

 

A Hard Rain’s a Gonna Fall, a crise dos mísseis cubanos, The Times They Are a-Changing, O Nikita Khrushchev a bater com o sapato na tribuna, Like a Rolling Stone, a invasão da Baía dos Porcos e por aí fora.

 

N. da R. – Na foto roubada na Time Magazine, não é, sublinho Não É, José Sócrates que aparece debaixo da mesa de trabalho na Sala Oval.

 

 

Post-Scriptum: Se há coisa que me chateia é ser apanhado em falso. Ainda mais com erros de palmatória; pelo entusiasmo em escrever o post. Foi o que fez António Vilarigues aqui na caixa de comentários. Obviamente que Brejnev tinha idade para combater na II Grande Guerra. Não tinha era o direito a ostentar algumas das medalhas que ostentava. Sobe a paranóia medalhística de Brejnev (e não só) aqui.

 

 

 

O Amigo de Alex

por josé simões, em 18.09.08

 

Como é que um gajo que até tem a minha idade é capaz de dizer sem corar que “Blowing In The Wind” é uma canção da «nossa geração»?

I beg your pardon?! Canção da “nossa geração” é Anarchy In The Uk, ou London Calling, ou vá lá, atendendo ao personagem José Sócrates, um pop manhoso género Wild Boys dos Duran Duran.

 

Agora Bob Dylan?!? Com a sorte que “nós” tínhamos aos hippies, logo me vai sair um Amigo de Alex na rifa da chefia do Governo

 

 

 

Vira o disco

por josé simões, em 27.02.08

 

 
Há uns anos atrás comprei um disco de Bob Dylan, Desire de seu nome (a meu ver dos piores de sempre do compositor), mas que, devido a uma particularidade, é talvez um dos mais valiosos da música popular no mercado de coleccionadores. Por um erro de prensagem, o lado B tem exactamente as mesmas músicas do lado A.
 
Lembrei-me disto a propósito da circular recebida via CTT por todos os “colaboradores” da empresa onde trabalho. “Colaboradores” - com grande. É socialmente mais desresponsabilizador para o patrão; é mais descartável que “trabalhadores” ou “empregados”. Adiante.
 
Sempre os mesmos cinco parágrafos. Sempre o mesmo texto. Sempre as mesmas virgulas; sempre a mesma pontuação. As únicas diferenças entre as circulares, desde o ano de 2000 até ao ano de 2008 são, obviamente a data (apesar de tudo ainda não perdi a esperança que um dia se esqueçam de a alterar), e a percentagem, que tem variado entre os 1, 3% e os 2, 5%. Vira o disco e toca o mesmo!
 
Estou a guardá-las todas. Quem sabe, um dia, não venham a valer tanto como o Desire do Bob, quando se fizer a história do empresário português…
 
(Por motivos compreensíveis, o logótipo e o nome da empresa, assim como as assinaturas da administração foram suprimidas)
 
 

Fim-de-semana

por josé simões, em 11.11.07

 

Este fim-de-semana foi assim.

Like A Rolling Stone - Bob Dylan

(Vinyl 7", primeira prensagem made in USA)