Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Primeiro como tragédia, depois como farsa

por josé simões, em 29.04.21

 

passos.jpg

 

 

O líder do PSD, Rui Rio, que não conhecia a cloaca aberta Suzana Garcia, na televisão do Goucha, quando pedia a castração química de pedófilos, para depois o PSD, de Rui Rio, na novilíngua, vir esclarecer que mais não era que" terapia medicamentosa de controle da libido", é o mesmo Rui Rio, líder do PSD, que na TVI viu "um bandalho" a agredir um cidadão e, horas depois, na mesma TVI, não ouvir o cano de esgoto Suzana Garcia pedir o extermínio do Bloco de Esquerda, para logo o partido vir esclarecer que o que a "senhora" queria dizer era uma "pesada derrota eleitoral".

 

A novilíngua é fodida.

 

 

 

 

Os normalizadores do fascismo

por josé simões, em 29.04.21

 

A group of young German boys view Der Stürmer, Di

 

 

Goucha, um dos maiores normalizadores do fascismo no prime time da televisão generalista, não conhece o poema de Martin Niemöller. Ou conhece, mas a vertigem da guerra de audiências não lhe permite ver que, caso esta gente um dia chegue a ser poder, também o vão buscar a ele, ainda antes de irem buscar os outros.

 

Candidata do PSD na Amadora defende extermínio do Bloco

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 23.03.21

 

clown.jpg

 

 

Que o Governo não impediu o negócio das barragens do Douro "porque não quis" já todos tínhamos percebido assim como também todos tínhamos dado pela coincidência de o negócio se ter realizado depois de uma alteração cirúrgica na legislação dos benefícios fiscais, agora que o Governo mesmo que o quisesse fazer não o faria porque "caía o Carmo e a Trindade", um Governo a governar, cof, cof, em função do que lhe possa cair em cima - a não governar, apesar de mandatado pelos eleitores, em eleições livres e democráticas, abstendo-se da defesa do bem comum e com isso beneficiar uma entidade privada e os seus accionistas, essa é que é a novidade. "Socialismo" e "ética republicana", uma conjugação fantástica no Partido Socialista. Um artista este alegado ministro do Ambiente.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

"Os accionistas da EDP precisavam de conversar consigo!"

por josé simões, em 17.03.21

 

 

 

António Costa podia ter sacudido para longe e metido tudo na ordem, preferiu carregar a suspeição em cima das costas. São opções.

 

 

 

 

O porco na chafurda, VI

por josé simões, em 07.01.21

 

 

 

O porco na chafurda, curiosamente com os mesmos movimentos de mãos de Trump, ofendido por Marisa Matias lhe ter chamado cobarde e vigarista, exactamente um dia depois de ter chamado a Marcelo Rebelo de Sousa o "Presidente dos bandidos". O porco na chafurda, nunca interrompido por Clara de Sousa, constantemente a interromper Marisa Matias com a complacência de Clara de Sousa. Clara de Sousa, pivot do grupo de comunicação social - Grupo Impresa, neste momento "Enemy of the people".

 

O porco na chafurda, Capítulo V

 

 

 

 

Quando o underground passa a mainstream

por josé simões, em 15.12.20

 

CARTAZ.jpg

 

 

Quando preto, que trabalha sempre no lixo, aparece no cartaz da candidatura presidencial de Marisa Matias, ganha visibilidade dentro da farda por acaso, por descuido ou de propósito?

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 28.10.20

 

robert_e._jackson.jpg

 

 

No dia 10 de Outubro de 2019 a imprensa dava conta que o "PS recusa acordos para a legislatura e vai negociar orçamento a orçamento".

 

No dia 28 de Outubro de 2020, dois anos depois mais uns pozinhos, Ana Catarina Mendes, no discurso de encerramento do debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2021, imediatamente antes da votação, num exercício de propaganda e manipulação, recorre ao golpe baixo da mentira e, em directo para todo o país, acusa o Bloco de em Outubro de 2019 ter recusado um acordo para a legislatura preferindo negociar orçamento a orçamento.

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O estado da Nação, II

por josé simões, em 27.10.20

 

DANA WYSE.jpg

 

 

Malgrado a barragem de propaganda nos media, pela opinião publicada e falada nas duas semanas que antecederam o debate do Orçamento do Estado, no sentido de atribuir a culpa de uma hipotética crise política ao Bloco de Esquerda, os 30 minutos do discurso de abertura de António Costa são gastos, que é diferente de usados, a justificar-se.

 

[Imagem]

 

O estado da Nação, Capítulo I

 

 

 

 

Da série "Coisas Verdadeiramente Surpreendentes"

por josé simões, em 27.10.20

 

x.jpg

 

 

Catarina Martins a fazer o pleno da crítica, do PS ao CDS passando pelo PSD, papagaios e cartilheiros avençados com lugar cativo no comentário em prime time, por o Bloco de Esquerda exigir e lutar por um Serviço Nacional de Saúde melhor e mais eficiente do que o que temos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O estado da Nação

por josé simões, em 26.10.20

 

robert_e._jackson.jpg

 

 

Segundo a generalidade da comunicação social, mais os paineleiros-comentadeiros com lugar cativo nas "análises à jornada" e cartilheiros diversos vertidos à paisana disfarçados de independentes, o Bloco de Esquerda é irresponsável, não tem sentido de Estado, e até chama a direita como em 2011 [escamoteando que a direita em 2011 foi chamada pelo voto nas urnas], por não abdicar dos seus princípios ao não se abster, ou até votar favoravelmente o Orçamento do Estado para 2021, apresentado por um Governo minoritário do Partido Socialista que, com truques de ilusionismo e a cumplicidade da generalidade da comunicação social, não abdicou dos seus princípios numa encenação de negociação e cedências, não se coibindo com isso de chamar a direita sabendo de antemão do voto contrário do Bloco de Esquerda. #TINA #OE2021

 

[Imagem]

 

 

 

 

Socorro que vem aí o diabo!

por josé simões, em 23.10.20

 

new-york-sunshine-repent-or-perish-film.jpg

 

 

Argumentar que um eventual chumbo do Orçamento do Estado pelo Bloco de Esquerda é chamar Passos Coelho - o agregador da direita, para lhe entregar o poder de volta, tal e qual o chumbo do PEC IV de Sócrates, é só má-fé argumentativa e deliberadamente ignorar que Passos Coelho foi a votos, que ganhou em eleições livres e democráticas, que nem o PCP nem o Bloco metem quem quer que seja a governar, e fazer de conta que António Costa não se meteu no buraco onde se encontra quando disse "No dia em que a sua subsistência depender do PSD, este Governo acabou" e que agora, com a cumplicidade dos media e dos paineleiros-comentadeiros com lugar cativo, atira o ónus da culpa para os ex-parceiros da 'Geringonça' e espera que se anulem e abdiquem dos seus princípios em função do Governo minoritário PS, numa espécie de TINA 2.0?

 

[Imagem]

 

 

 

 

Rewind/ Fast Forward

por josé simões, em 21.10.20

 

Tim Fishlock.jpg

 

 

E voltamos ao ponto de partida que é o de um partido que se reclama da esquerda e que passou 40 dos 46  anos da democracia a governar à direita, com os votos da direita ou em coligação com a direita, a acusar a esquerda de votar com a direita no Orçamento do Estado.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Da série "Coisas Verdadeiramente Estúpidas"

por josé simões, em 23.04.20

 

1.png

 

 

2.png

 

 

3.png

 

 

4.png

 

 

5.png

 

 

6.png

 

 

7.png

 

 

Directamente para o primeiro lugar do top of the pops das "coisas verdadeiramente estúpidas", o "Manual de Instruções" do Bloco para cantar a "Grândola" à janela.

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 10.03.20

 

TimTorkildson.jpg

 

 

A esquerda não pode de todo contentar-se em reduzir o fator exógeno da crise sanitária à crise economista capitalista endógena. Deve ter em linha de conta a crise sanitária em si e desenvolver propostas para a combater de forma social, democrática, anti-racista, feminista e internacionalista.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

As coisas como elas são

por josé simões, em 08.09.19

 

Gloria Swanson_Rodolfo Valentino_Muzeo_Nazionale-del-Cinema_Torino (1).jpg

 

 

O problema de António Costa com a não obtenção da maioria absoluta que jura a pés juntos não querer é "um PS fraco e um Podemos forte" que foi precisamente o que permitiu a António Costa ser primeiro-ministro.

 

[Gloria Swanson & Rodolfo Valentino, Museo Nazionale del Cinema,Torino]