Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| Argumentos contra um Governo de esquerda

por josé simões, em 19.10.15

 

lewis hine.jpg

 

 

«Hoje em dia, só tem trabalhadores não declarados quem quer. Patrões sem escrúpulos têm nos seus locais de trabalho pessoas não declaradas meses a fio, à espera de uma visita inspectiva. Quando ela chega dizem que os trabalhadores começaram naquele dia e vão ter 24 horas para os inscrever. E, se o fizerem, a coima é leve.»


[Imagem]

 

 

 

 

|| A "linha vermelha" que o Governo não pode passar

por josé simões, em 27.10.13

 

 

 

Trabalhar vinte e quatro dias consecutivos, sem folgar, até cerca de dez horas por dia, pagando menos de metade do acordado e menos do que o salário mínimo em vigor, em Espanha, França, Alemanha, Holanda, e Inglaterra não, que é trabalho escravo. Diz o Governo da criação de emprego a 300 euros por mês, 8 dias por semana, feriados incluídos, sem subsídio de alimentação e de transporte, apalavrado e sem contrato de trabalho, com muita muita muita sorte a cargo de empresas de trabalho temporário, e que aconselhou os cidadãos a emigrar. Sobre quantas famílias dividem uma mesma casa para economizar na renda e de quantos em quantos dias tomam banho, não há registos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Expliquem-me, muito devagarinho sff

por josé simões, em 30.04.13

 

 

 

Até podemos aceitar que, temporária e pontualmente, haja dificuldades de tesouraria. A crise está aí e é real e toca a todos e por aí e não adianta estar a chover no molhado. Daí a necessária flexibilidade e bom senso dos inspectores da Autoridade para as Condições de Trabalho e, acima de tudo, a compreensão e a capacidade de sofrimento dos trabalhadores das, e nas empresas. Mas expliquem-me lá, muito devagarinho, sff, qual é a diferença, do ponto de vista do trabalhador, entre estar numa empresa, pontual e diariamente a cumprir as funções para as quais se foi contratado, que não paga os salários há quatro, cinco, seis meses, um ano, e que vai acabar por fechar e não pagar, e arrastar o processo em tribunal durante uma década ou duas, e estar em casa desempregado porque a empresa fechou?

 

 

 

 

 

 

 

|| Meia auditoria

por josé simões, em 25.01.13

 

 

 

Agora que foram confirmadas, ao nível das condições de trabalho, as ilegalidades em colégios do grupo GPS, falta a coragem política, que este Governo não tem porque vai contra o seu "código genético", para avançar com uma auditoria à "fixação" na obtenção de resultados para os primeiros lugares nos rankings das escolas.

 

[Imagem]