Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A vidinha custa todos

por josé simões, em 10.04.18

 

goya.jpg

 

 

Entre 2014 e 2018, a sociedade de advogados Sousa Pinheiro & Montenegro (detida em 50% pelo deputado do PSD) obteve 10 contratos por ajuste direto das câmaras municipais de Espinho e Vagos, ambas lideradas pelo PSD, perfazendo um valor total de 400 mil euros.

 

Montenegro faturou 400 mil euros em ajustes diretos de autarquias do PSD

 

[Imagem]

 

 

 

 

Descompressão

por josé simões, em 09.02.17

 

 

 

Depois de quatro anos de Governo da direita radical com a lengalenga do "fazer mais com menos", base de trabalho para cortar a torto e a direito sem olhar a quem e ao quê e para estrangular serviços e administração pública, entramos agora no laxismo esquerdalho-geringonço, na fase do pleno emprego e emprego para todos, do "fazer menos com mais", por cima de toda a folha, caduca ou persistente, que de cada vez que a cor da Câmara muda é imperioso mudar com ela a clientela e o séquito, até para equilibrar as contas e impedir o boicote da clientela cessante, mais que não seja pela inércia.  Haja quem pague.

 

O Governo comprometeu-se a mudar a lei, para que as autarquias passem a ter mais autonomia na gestão e na contratação de recursos humanos.

 

 

 

 

||| Muda aos 10 e acaba aos 20

por josé simões, em 08.10.15

 

Ramón Masats, Madrid, 1960.jpg

 

 

A direita não radical e da responsabilidade e do "sentido de Estado", na marchinha do balão e arco da governabilidade que enche a boca de democracia leva hoje o 20.º - vigésimo – 20.º chumbo do Tribunal Constitucional. Vinte a zero.


«TC chumba participação do Governo nos acordos colectivos das 35 horas nas autarquias»


[Imagem]


Adenda: O David enumera-os um a um.

 

 

 

 

||| OMO lava mais branco

por josé simões, em 22.06.15

 

vai estudar relvas.JPG

 

 

"Esta era a lógica inicial da 'troika' e, em abono da verdade, temos de reconhecer que teve alguns adeptos dentro do próprio Governo".


"[...] a "troika" viria a render-se à "reforma do poder local como um exemplo de uma visão estratégica que ia muito além de cortes e reduções".


[Imagem]

 

 

 

 

|| O estado da Nação

por josé simões, em 04.07.12

 

 

 

No país onde o Governo inventa o “projecto PIN” como forma de espoliar o património comum a milhões - reserva agrícola nacional, parques naturais e reservas ecológicas – em benefício de meia dúzia, um autarca vê o mandato suspenso por ordem judicial por violação do PDM e do Plano Regional de Ordenamento do Território. Awesome.

 

 

 

 

 

 

|| Suspensão da Democracia

por josé simões, em 09.06.12

 

 

 

Rui Rio, em modo alemão, a defender para as Câmaras Municipais o que os amigos e conselheiros da frau Merkel defendem para a Grécia [e para Portugal]. Os jornalistas, para não variar, no seu estado natural aka modo amorfo, sem o confrontarem com a similaridade entre as suas declarações e as declarações que vão escapando de quando em vez da boca dos escudeiros dos "mercados".

 

A gente vai tentar não se esquecer quando vierem outra vez com a "salvação da pátria" e com a "reserva moral" do PSD.

 

[Na imagem Bill 'fucking' Murray]

 

 

 

 

 

 

|| Evolução das espécies

por josé simões, em 01.03.12

 

 

 

O dia em que cientistas franceses, através da revista Nature, deram a conhecer ao mundo que as «pulgas ancestrais eram "gigantes", mas não saltavam», é o mesmo dia em que os cientistas do PS, secundando e corroborando cientistas do PSD, deram a conhecer aos cidadãos portugueses que as "pulgas" podem saltar. De Câmara Municipal em Câmara Municipal, quiçá até ao domicílio fiscal das construtoras e das diversas empresas fornecedoras, que são assim uma espécie de parasita da pulga, mais pequeno mas não menos poderoso parasita, e essencial à sobrevivência da pulga. Bloco central rocks!

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Contas de subtrair

por josé simões, em 29.02.12

 

 

 

Se é legítimo defender que a dívida dos municípios deve ser analisada «tendo em conta o número de habitantes dos mesmos», é também legitimo argumentar que a dívida dos municípios deve ser paga pelos respectivos habitantes, a dividir pelas cabeças dos munícipes, segundo uma fórmula [a inventar] em que entrem as variáveis "permilagem ocupada" e "rendimento mensal ilíquido", por exemplo? Não. Por todas as razões e pelo princípio da coesão e da unidade do território nacional, e da solidariedade inter-regiões.

 

E é nestas alturas que a regionalização deixa de ser a salvação da pátria, e é também nestas alturas que os cidadãos deviam pensar duas vezes, antes de fazer a cruzinha no boletim de voto, no quadradinho do campeão da betonização do espaço público, a que se convencionou chamar de progresso e desenvolvimento.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Mobilidade social na res pública

por josé simões, em 26.02.12

 

 

|| Upgrade

por josé simões, em 25.02.12

 

 

 

Enquanto houver língua e dedo não há contribuinte que meta medo. Pornografia.

 

 

 

 

 

 

|| A reforma da Administração Local Autárquica explicada às criancinhas e outros analfabetos

por josé simões, em 25.02.12

 

 

|| ¿Por qué no te callas?

por josé simões, em 21.01.12

 

 

 

O homem que construiu uma ponte [Vasco da Gama] onde ela não fazia falta, potenciando mais-valias enormes, primeiro com as vendas de terrenos agrícolas ao preço da uva mijona, convertidos logo no day after em terrenos urbanos, depois com especulação imobiliária, inventando uma cidade onde ela não existia, o caos urbano e arquitectónico e a perda da qualidade de vida das populações. Mas isso era ontem porque hoje "não se trata tanto de expandir as cidades para novos espaços (...), trata-se sim de fazer o possível para preservar, para guardar, para manter aquilo que já temos" e outras coisas bonitas do género, para quem não tem memória ou nasceu ontem. A sem-vergonhice não tem limites

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Gentinha [Cap. II]

por josé simões, em 22.10.11

 

 

 

O presidente da Câmara de Torres Novas não precisa de um carro. Não. O presidente da Câmara de Torres Novas precisa de um carro compatível com aquilo que ele acha que é o estatuto de um presidente de Câmara. O presidente da Câmara de Torres Novas que precisa de um carro, pago com o dinheiro dos contribuintes e compatível com aquilo que ele acha que é o estatuto, ainda que temporariamente suportado pelos eleitores, de presidente de Câmara, achou por bem badalar à imprensa o seu grande sentido de responsabilidade e poupança, em consonância com os tempos de crise que assolam o país, sem perceber que mais valia ter ficado calado e comprado um carro em primeira mão pelo valor de um carro, compatível com aquilo que ele acha que é o estatuto de presidente de Câmara, em segunda mão. Ficava mais bem visto aos olhos dos eleitores que andam a pé, de transporte público, ou que têm um carro compatível com o seu estatuto, e não contribuía para alimentar as historietas sobre a presunção e a água benta que vai à mesa no copo dos autarcas.

 

“Oh Lord, won't you buy me a Mercedes Benz? My friends all drive Porsches, I must make amends”

  

[Gentinha, Cap. I]

 

[Imagem “Autos de Xoc a Manlleu”, 1965, Rafael Rueda]

 

 

 

 

 

 

|| Estamos quase na quadra natalícia

por josé simões, em 30.09.11

 

 

 

E se as cláusulas processuais e os erros processuais e os recursos processuais e as outras almofadas processuais não funcionarem há sempre aquela coisa do indulto presidencial. Calma.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Mas tem um estádio de futebol de topo mundial

por josé simões, em 18.09.11

 

 

  

Não têm os requisitos que antes não eram exigidos? O piso encontra-se em mau estado e as vedações estão degradadas? Fazem-se as necessárias obras de reparação e corrigem-se os problemas? Não. Acaba-se com eles de vez já que não pagam IMI nem contribuições autárquicas. Que brinquem nas ruas, no alcatrão.

 

Não lhes ter passado pela cabeça privatizá-los… A bela da gestão autárquica portuguesa.

 

[Imagem]