Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O senhor Fernando Coutinho em Setúbal

por josé simões, em 25.06.19

 

1 (16).jpg

 

 

2 (17).jpg

 

 

3 (18).jpg

 

 

Diz que os setubalenses têm a secreta esperança de que um dia alguém lhes explique os prédios que o senhor Fernando Coutinho "construiu" em Setúbal, cagalhões arquitectónicos perfeitamente enquadrados e integrados no espaço envolvente, respeitando a memória histórica da cidade e resistindo a toda e qualquer requalificação, mais polis menos polis.

 

As imagens são do Google Maps.

 

[Prédio Coutinho]

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 16.05.19

 

I.M. Pei.jpg

 

 

Ieoh Ming Pei

 

1917 - 2019

 

 

 

 

||| In Memoriam

por josé simões, em 31.03.16

 

Zaha-Hadid.jpg

 

 

Zaha Hadid


1950 – 2016

 

 

 

 

||| In Memoriam

por josé simões, em 11.12.13

 

 

 

Nadir Afonso

 

1920 – 2013

 

 

 

 

 

 

 

|| Da modernidade

por josé simões, em 14.10.13

 

 

 

Ao ver a Escola Secundária de Caneças, escola pública, escarrapachada nos sites internacionais de arquitectura e design como exemplo de modernidade e da boa arquitectura e funcionalidade das instalações e equipamentos ao serviço das populações e das comunidades [em português aqui], e depois do ataque cerrado feito pelo PSD e pelo CDS-PP à Parque Escolar durante a pré-campanha e campanha eleitoral para as legislativas de 2011 e com continuação já Governo Coelho/ Portas formado, pela mão do ministro Nuno Crato, não só ao investimento na requalificação e recuperação das escolas e equipamentos, mas ao ensino público no seu todo, na exacta proporção em que se aumentam os apoios e os incentivos ao ensino privado, indo contra o memorando de entendimento com a troika que tanto gostam de invocar para justificar o saque aos rendimentos dos contribuintes, não posso deixar de me recordar da irritação de Salazar com o modernismo do Colégio de Moimenta da Beira, inspirado na obra de Óscar Niemeyer, com um fio condutor a ligar estes 50 anos: apesar da aparente conversão à democracia, o espírito da actual classe dirigente, herdado dos avós, é o mesmo, tacanho, retrógrado e mente fechada, antes por causa do comunismo que vinha corromper a família, a tradição do Portugal "milenar" e a autoridade do Estado, agora escudado nas poupanças orçamentais e no bom uso dos dinheiros públicos.

 

 

 

 

 

 

|| In Memoriam

por josé simões, em 06.12.12

 

 

 

Oscar Niemeyer

 

1907 – 2012

 

 

 

 

 

 

|| Da Arquitectura

por josé simões, em 04.11.12

 

O Prémio Valmor é aquele prémio que serve para distinguir obras arquitectónicas que, passados 50 anos, são derrubadas para um qualquer muito moderno, muito pós-moderno, muito muito essas coisas todas Tomás Taveira construir cagalhões, não é?

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Memorial to all victims

por josé simões, em 31.01.12

 

 

 

By Martin Papcún and Adam Jirkal of Atelier SAD, St. Jakob’s Square, Munich.

 

 

 

 

 

 

|| Nine eleven

por josé simões, em 12.12.11

 

 

 

O ataque ao World Trade Center, dizem que é o que faz lembrar The Cloud, o projecto residencial dos holandeses MVRDV em Seul. Vai grande, e avançada, a polémica por esse mundo fora. Por cá nem por isso. Entre réplicas Quinta do Conde e taveiradas, passando pelo estilo neo Raul Lino, ultrapassada que foi a fase telhado de emigrante, cá vamos andando com a cabeça entre as orelhas, como na canção.

 

Detalhes.

 

Post-scriptum: Algumas horas depois de ter publicado o post, a notícia chegou ao Público online.

 

 

 

 

 

 

|| Como diz a “outra”: “Eu hoje acordei assim”

por josé simões, em 29.03.11

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

|| Bullshit!

por josé simões, em 28.03.11

 

 

 

 

 

A arquitectura é uma interpretação pessoal da organização dos espaços e dos seus elementos e ao mesmo tempo uma arte com uma linguagem universalista, sem fronteiras, global. Não existe «arquitectura portuguesa contemporânea» coisa nenhuma.

 

«Souto Moura vence o prémio Pritzker 2011, o Nobel da arquitectura»

 

(Imagem)

 

 

 

 

 

 

 

 

|| Como é do conhecimento geral, a Igreja é mais de dar no “olho”

por josé simões, em 18.11.09

 

 

 

«patriarcado acha que igreja de Troufa Real dá muito nas vistas»

 

(Na imagem capa da Darling Magazine)

 

(* & **)

 

 

 

 

|| As "cuecas que teimam em pingar"

por josé simões, em 27.08.09

 

 

 

… E como diz o pagode: “os exemplos vêm de cima”, uma leva inevitavelmente a outra.

 

By the way, qual é o pai e a mãe dignos desse nome que põem «uma das crianças a dormir na marquise»? Já não lhes bastava o mau gosto que ainda por cima não gostam dos filhos.

 

 

 

 

Que Graaaaande mau gosto!

por josé simões, em 01.02.08

 

Sobre a notícia do dia, e sobre as fotos que a ilustram – e desculpem lá mas vou ver isto pelo lado estético; tem de ser visto em primeiro lugar pelo lado da estética; a trafulhice para depois – só me ocorre uma coisa: Não é uma questão de falta de gosto; é mesmo Mau Gosto! Que Grande Mau Gosto! Que Grande Mau Gosto! Que Graaaaande Mau Gosto! (Prontes! Já libertei a minha raiva).
 
E os gostos discutem-se sim senhor!
O dinheiro gasto para construir uma casa feia, é exactamente o mesmo que se gasta para construir uma casa bonita. Os materiais são os mesmos. É uma questão de gosto. De bom gosto.
E aqui, o mínimo dos mínimos era o respeito pelos materiais da região e pela tradicional traça arquitectónica. Não era pedir muito.
 
Senhor assinante dos projectos; senhores autores dos projectos: façam o favor a vós próprios, comprem esta revista, e também esta. Vão ver que não dói nada. São só uns euritos por mês; o que é isso? E o povo agradece.
 
Também podemos ver a coisa por outro prisma. Ou melhor; o mesmo prisma, por outro ângulo: o ideal de urbanismo que existe dentro das cabecinhas de quem projectou estas casas, reflectida no dia-a-dia da governação, e das ideias que se têm para Portugal. Somemos a isto os projectos PIN e aqui temos um resultado bombástico. Literalmente.
 
(Uma atenuante: a culpa não é deles. É de quem lhes passou o diploma de fim de curso; de quem os habilitou profissionalmente. Em última instância, de quem lhes deu emprego.)
 
Adenda: via Atlântico, descubri os restantes "cagalhões". Aqui.
 

Não explica tudo (*)

por josé simões, em 21.01.08

 

(*) mas ajuda a perceber:
 
José Sócrates inaugurou a nova biblioteca de Viana do Castelo projectada por Álvaro Siza Vieira. Aos jornalistas o Primeiro-ministro disse que cresceu a ouvir dizer da boca do pai – arquitecto – que, a arquitectura “era a chave para todos os problemas da humanidade”, e que na altura as palavras do progenitor lhe soavam como “uma visão totalitária do mundo”.
 
“Só as cidades mais bonitas, atraentes e com qualidade de vida é que têm dinamismo económico capaz de fazer progredir o país”; Sócrates dixit.
 
É impressão minha, ou isto está tudo ligado? Cidades novas, bonitas e atraentes; homens novos, saudáveis, sem vícios e adeptos do “mente sã em corpo são”.
 
Podia começar para aqui a dissertar sobre a arquitectura de Siza Vieira; fechada, linear, fria e despida de sentimento. Sobra a nova China, o seu novo homem e a suas novas cidades, construídas sobre os escombros das milenares, entretanto arrasadas.
Ou sobre a visão arquitectónica de Alber Speer e o seu papel no Reich.
 
Valem mais estas pequenas coisas que as reportagens nos Expressos e nas Visões, com fotos e tudo, sobre a infância e a intimidade do nosso Primeiro. Ai não que não valem!
 
(Foto de Craig Persel)