Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"Mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo", vox pop

por josé simões, em 29.11.19

 

trapezista (5).jpg

 

 

No dia 8 de Novembro o primeiro-ministro António Costa aparece na pele de líder do PS perante militantes socialistas da Federação da Área Urbana de Lisboa a "defender mais justiça na repartição dos ganhos do crescimento entre empresas e trabalhadores e que o nível do salário médio deve atingir o nível registado antes da crise de 2010".

 

No dia 27 de Novembro, 19 dias depois, Siza Vieira, o ministro da Economia do Governo do líder do PS, António Costa, vai à câmara alta não eleita do Parlamento, a Concertação Social, dar aos patrões o referencial de 2, 7% de aumento salarial para o ano de 2020, abaixo do que já está a ser negociado em algumas empresas, e quando para atingir a meta proposta por António Costa ao país a fingir que falava para aos militantes os salários só recuperaram para valores pré-crise com subida de 4%.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Ser de esquerda dá trabalho

por josé simões, em 07.11.19

 

orelhas de burro (2).jpg

 

 

António Costa, artista da rádio e da televisão, a enaltecer os méritos e a virtude de trabalhar de borla... err... do voluntariado e a dar como exemplo o ministro da educação na Expo 98 e os milhões que gera para os bolsos do Cosgrave, do Covões, do Montez, e da Medina filha, as outras Expos privadas desta vida. Muito bom. Trabalhar de borla. Um gajo de esquerda. Que se diz de esquerda. Não lhe ocorreu dar a Festa do Avante! como exemplo. Fica para a próxima. E os estagiários, uns porque estão habituados ao "voluntariado", outros porque estão habituados a deixar o cérebro em casa, caladinhos de microfone esticado e sorriso imbecil na cara. Ser de esquerda dá trabalho.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Primeiro dia, véspera de Halloween

por josé simões, em 30.10.19

 

British prime minister Margaret Thatcher covering her face with her hand at the 1985 Conservative Party Conference.jpg

 

 

"É muito bom que esteja aqui alguém que se diga assumidamente liberal porque já estamos um bocado cansados daqueles que são envergonhadamente liberais e se vão disfarçando como sendo sociais-democratas. Finalmente o PSD tem alguém autenticamente liberal em quem se pode rever nesta Assembleia da República"

 

António Costa, primeiro-ministro, na resposta à interpelação do deputado do Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo, no primeiro dia de debate do programa do XXII Governo Constitucional.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Largo do Rato, século XXI

por josé simões, em 16.10.19

 

XII Governo PS.jpg

 

 

               O Rei Sol, o Querído Líder, Kim Jong-Costa. Largo do Rato, século XXI.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Simplicidade de raciocínio

por josé simões, em 26.09.19

 

 

 

Se o ministro da Defesa sabia, António Costa, primeiro-ministro, tinha obrigatoriamente de saber. E se não sabia é grave. Se o chefe da Casa Militar da Presidência da República sabia isso não pode implicar o Presidente, que está acima de qualquer suspeita.

 

 

 

 

A toxicidade da boa imprensa do partido do fascismo animal

por josé simões, em 11.09.19

 

THE WESTERN LANDS Tim Fishlock.jpg

 

 

Tivemos Rui Rio encostado às cordas por André Silva do PAN no debate para as legislativas na RTP. Chegou a ser confrangedor ver o líder do PSD, com décadas de vida política, invocar Carlos Coelho, que ninguém nascido pós 25 de Abril sabe quem foi, para chutar para canto argumentação em modo tareia que estava a levar do único deputado eleito por um partido nascido anteontem.

Hoje na SIC António Costa não chegou ao ponto de ser encostado às cordas como Rui Rio mas passou 15 minutos da metade que lhe coube à roda da "neutralidade carbónica", sem ter aprendido nada com o debate anterior ou sem que os seus assessores o tenham alertado e instruído para a ratoeira, sempre à defesa, como Rui Rio, sempre numa posição de inferioridade de quem se vê na obrigação de se justificar. Clara de Sousa mudava a agulha e 30 segundos depois lá estava André Silva de volta à "neutralidade carbónica".

O que é que o PAN ou o seu líder deputado eleito pensam sobre a dívida pública? "neutralidade carbónica".

O que é que o PAN ou o seu líder deputado eleito pensam sobre a sustentabilidade da Segurança Social?  "neutralidade carbónica".

O que é que o PAN ou o seu líder deputado eleito pensam sobre as leis laborais? "neutralidade carbónica".

O que é que o PAN ou o seu líder deputado eleito pensam sobre o Serviço Nacional de Saúde? "neutralidade carbónica".

O que é que o PAN ou o seu líder deputado eleito pensam sobre _____________________ [preencher a gosto]? "neutralidade carbónica".

 

[Imagem "The Western Lands", Tim Fishlock]

 

 

 

 

A galinha dos ovos de ouro das clientelas políticas

por josé simões, em 10.09.19

 

Germany, 1914.jpg

 

 

Como "hoje em dia já não há "Plano B" e como "qualquer outra solução comprometeria muito fortemente a dinâmica de crescimento do turismo e a dinâmica económica deste sector", vamos avançar com o "Plano A", mesmo que comprometa a dinâmica ambiental e hipoteque inapelavelmente a qualidade de vida de toda uma região, que o que interessa é a visão pequenina do lucro rápido e do curto prazo que garanta a galinha dos ovos de ouro das clientelas políticas do pato-bravismo e da especulação à roda das alterações cirúrgicas aos PDM, que haver um aeroporto para moscas a meio do caminho entre Lisboa e Faro, ao qual só falta uma ligação por auto-estrada e por caminho-de-ferro, e que era quase como que aterrar em Lutton ou Gatwick, isso sim o tal do desenvolvimento sustentável e da aposta no interior com que se enche a boca nas campanhas eleitorais, não interessa nada. O quê, Beja não é interior? É litoral alentejano ou litoral fronteiriço, dependendo do ponto de vista do utilizador?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

As coisas como elas são

por josé simões, em 08.09.19

 

Gloria Swanson_Rodolfo Valentino_Muzeo_Nazionale-del-Cinema_Torino (1).jpg

 

 

O problema de António Costa com a não obtenção da maioria absoluta que jura a pés juntos não querer é "um PS fraco e um Podemos forte" que foi precisamente o que permitiu a António Costa ser primeiro-ministro.

 

[Gloria Swanson & Rodolfo Valentino, Museo Nazionale del Cinema,Torino]

 

 

 

 

A chico-espertice

por josé simões, em 26.08.19

 

Shawn Huckins.jpg

 

 

A gente lê e não acredita: António Costa, que desde sempre, e um dia havemos de saber porquê, quer ver Pedro Marques comissário europeu com o pelouro dos fundos estruturais, como se a partir do momento da investidura qualquer comissário passasse a ser o comissário do país e a beneficiar o pais de origem em relação aos outros, avançou com a candidatura de Elisa Ferreira para a pasta da Economia e Finanças, sabendo antecipadamente das diminutas possibilidades do nome ser aceite, por causa da presidência de Mário Centeno no Eurogrupo e da "improbabilidade de a nova presidente da Comissão colocar dois portugueses como interlocutores directos em matérias estruturantes da União, como a economia e as finanças", conseguindo assim que o objectivo primeiro - Pedro Marques nos fundos estruturais, seja alcançado. E Elisa Ferreira prestou-se ao papel de ser bisca lambida num jogo de cartas na "gamela de Bruxelas"...

 

[Imagem]

 

 

 

 

Perder uma boa oportunidade de ficar calado

por josé simões, em 24.08.19

 

Paddy Summerfield.jpg

 

 

António Costa fez uma encomenda ao Expresso para falar... dos outros e conseguiu a proeza de catapultar o Bloco de Esquerda para segunda força política e alternativa de governo, enquanto recordava os mais esquecidos que, com ele como ministro de um governo PS, em 19 anos o poder de compra dos portugueses baixou. Muito bem.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O António Costa que se cuide

por josé simões, em 22.07.19

 

jn.jpg

 

 

Dizia na televisão um habitante do concelho de Mação que o fogo deste ano seguiu exactamente o mesmo trajecto seguido pelo fogo de 2017. Não é muito difícil prever qual vai ser o sentido do fogo no ano de 2021. E é assim de há vinte e tal anos a esta parte, desde que inventaram o "petróleo verde", que ia tirar as pessoas da miséria, sem nunca ninguém ter informado as pessoas que as pessoas que sairiam da miséria eram outras pessoas e que davam pelo nome de accionistas e proprietários das celuloses, enquanto o dinheiro dos nossos impostos anda em bolandas todos os verões para resgatar pessoas e bens vítimas do petróleo verde já que a bio-diversidade e o ambiente caminham irreversivelmente para a desertificação, a seguir à desertificação humana às mãos das más escolhas políticas.

Daí o interessante da sondagem saída hoje no Jornal de Notícias, um dia depois depois do presidente da Câmara de Mação ter vindo apontar o dedo ao Estado, ler "o Governo", pelo incêndio, o tal que faz exactamente o mesmo trajecto todos os anos em que há incêndios, e no dia em que o presidente da Câmara de Vila de Rei aparece a repetir o mesmo missal, o falhanço do Estado, ler "do Governo".É que daqui até às eleições de Outubro ainda há muito Verão pela frente e muita campanha suja  para fazer com préstimo impagável das televisões, todas no terreno sedentas de sangue e de miséria alheia.

 

 

 

 

Reservoir Dogs, II

por josé simões, em 17.06.19

 

pedrogao (2).jpg

 

 

[Imagem]

 

Reservoir Dogs, I

 

 

 

 

"Sigamos o Cherne"

por josé simões, em 23.05.19

 

Present & Correct.jpg

 

 

Se ao menos fizessem como o Governo do Partido Socialista de António Costa que aprovou a prospecção de petróleo na Costa Vicentina e no Algarce como medida de combate às alterações climáticas.

 

António Costa acusou hoje PSD e CDS-PP de nada fazerem para combaterem as alterações climáticas, afirmando que votaram contra a redução do preço dos passes sociais e que o anterior Governo desinvestiu no transporte público.

 

                    "Sigamos o cherne, minha amiga!
                    Desçamos ao fundo do desejo
                    Atrás de muito mais que a fantasia
                    E aceitemos, até, do cherne um beijo,
                    Senão já com amor, com alegria…
                    Em cada um de nós circula o cherne,
                    Quase sempre mentido e olvidado.
                    Em água silenciosa de passado
                    Circula o cherne: traído
                    Peixe recalcado…

 

                    Sigamos, pois, o cherne, antes que venha,
                    Já morto, boiar ao lume de água,
                    Nos olhos rasos de água,
                    Quando mentido o cherne a vida inteira,
                    Não somos mais que solidão e mágoa…"

 

[Imagem]

 

 

 

 

"Grândola Vila Morena, Terra da Fraternidade"

por josé simões, em 23.04.19

 

 

 

Para bom entendedor...

 

 

 

 

Ética republicana no cu dos outros para mim é refresco

por josé simões, em 03.04.19

 

Bruno Pontiroli.jpg

 

 

"O despacho foi assinado a 1 de março pelo primeiro-ministro. Nessa data, António Costa decidiu conceder subsídios de alojamento de 25,1 euros por dia a cinco membros do governo. Um deles é Carlos Martins, nomeado secretário de Estado do Ambiente no mesmo dia em que todos os seus colegas também tomaram posse, a 26 de novembro de 2015."

 

Secretário de Estado Carlos Martins tem 753 euros de ajuda por mês para morar onde já morava

 

"António Costa tinha definido bem uma bitola ética do que não era aceitável: o que não podia existir mesmo era o caso de um governante nomear diretamente um familiar. No sábado passado, em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, António Costa desvalorizou as contas feitas ao número de socialistas com relações familiares no Governo e nos gabinetes ministeriais [...]"

 

Secretário de Estado nomeou primo. Relação familiar provoca primeira demissão no Governo

 

Se em Junho de 2016, quando a primeira notícia veio a público, António Costa tivesse cortado o mal pela raiz e dado uma vassourada no ministério do Ambiente [para já e até ver], poupava, o Governo e o partido, ao embaraço de Abril de 2018 e de mais uma relação familiar no executivo. Mas quem vier falar nisto corre o risco de ser corrido de populista para baixo ou até como mais um de direita sem tema nem argumento para as campanhas eleitorais que se avizinham, é tudo má vontade, campanhas orquestradas, ver coisas onde elas não existem, são só os melhores nos lugares e funções que lhes competem.

 

[Imagem]