Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Der Untermensch

por josé simões, em 03.07.21

 

Der_Untermensch.jpg

 

 

O partido deve defender não só a identificação das comunidades subsidiodependentes, onde estão localizadas, qual é a prevalência da subsidiodependência, qual é o nível de subsidiodependência, porque na verdade somos todos nós que estamos a pagar isso, como deve ter uma espécie de cadastro ou de identificação étnica ou racial

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Cada um com as suas preocupações

por josé simões, em 29.06.21

 

Jacub-Gagnon_Plastic-Predator.jpg

 

 

A prisão de Joe Berardo "é um dia triste para o mundo empresarial" diz o doutor sujeito que, aproveitando a experiência e o conhecimento adquirido no Estado enquanto jurista na Autoridade Tributária e Aduaneira, foi trabalhar para o privado como consultor fiscal na empresa de Caiado Guerreiro, especialista em fuga ao fisco e desviar fortunas para paraísos fiscais. Cada um com as suas preocupações.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Camarada Balsemão, a bem da Nação

por josé simões, em 05.06.21

 

mussolini.jpg

 

 

A tomada de posição dos vários partidos, a propósito da saída de Portugal da lista verde inglesa, nos telejornais da televisão do militante n.º 1, SIC Notícias, são noticiadas como "partido x disse" ou "fulano de tal pelo partido y comentou". O Chaga, o partido do deputado só, foi o único com direito a imagem e comentário próprio pela voz do líder. Em todos os telejornais, a todas as horas certas, 24 horas de um dia. Camarada Balsemão, a bem da Nação.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 30.05.21

 

Thomas Michael Alleman.jpg

 

 

Um partido pejado de fascistas assumidos, nazis e cabeças rapadas? Líder condenado por racismo? Insultos a uma deputada eleita da Nação? Mandar portugueses para a terra deles? Defender campos de concentração para minorias? Chamar bêbado a um deputado eleito e líder de um partido político com 100 anos de história? Condenação em tribunal por insultos a família pobre de um bairro semi-lata? Aliança com fascistas e xenófobos assumidos - Salvini e Le Pen? Castração química de pedófilos e mutilação de criminosos? Vice-presidente investigado pelas secretas e pela Judiciária por ameaça à democracia, divulgação de fake news e de teorias da conspiração?

Pode, pode, pode e aconselha-se.

 

Em face do conteúdo e da forma como o líder do CHEGA se referiu nas suas intervenções ao PSD, o Partido Social Democrata decidiu não se fazer representar na cerimónia de encerramento para a qual estava convidado

 

Não pode, não pode, não pode. Há limites de decência.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Portugueses de bem

por josé simões, em 25.05.21

 

x.jpg

 

 

"A Família Coxi não pediu qualquer indemnização, nem sequer quis criminalizar a conduta de André Ventura e do Partido Chega.

Ao invés, apenas pediu ao Tribunal cível que os ajudasse a dizer ao País não são o oposto dos "Portugueses de Bem" e que não são bandidos.

 

Os meus Constituintes são boas pessoas, gente trabalhadora, leal, bem-disposta e com sentido raro de comunidade e entreajuda.
Em Janeiro, foram instrumentalizados na campanha política da extrema-direita, perante milhões de pessoas, nem possibilidade de contraditório.

 

Pediram ao Tribunal que decretasse um conjunto de providências que permitisse atenuar os efeitos da ofensas cometidas:
1) O reconhecimento da ilicitude da conduta de AV e CH;
2) Uma declaração pública de retratação;
3) A abstenção de ofensas futuras;
4) A publicação da sentença.

 

Tinham pedido também a eliminação da publicação feito no Twitter a 22 de Janeiro, mas tal foi feito voluntariamente pelo Partido CH, pelo que deixou de ser precisa a intervenção do Tribunal quanto a esse aspecto.

 

Pela Sentença publicada hoje, o Tribunal julgou procedente a ação e decretou as providências requeridas, por ter considerado ilícita a atuação dos Réus - isto é, julgou que o que fizeram e disseram não é enquadrável num exercício legítimo de liberdade de expressão.

 

Esta é uma ação de reputação, que tinha como objetivo, por um lado, limpar a imagem dos meus Constituintes e, por outro, definir as linhas vermelhas do discurso político quanto a pessoas anónimas e vulneráveis.
Ultrapassadas as linhas vermelhas, existem consequências legais.

 

Esta é uma decisão importante para a Família Coxi, mas também fundamental para todos nós.
É com a defesa dos direitos fundamentais dos Coxi, que o direito à honra e à imagem de cada um de nós se afirma, se define, se protege.
Seguimos firmes na defesa dos direitos fundamentais."

 

               Leonor Caldeira, advogada da família Coxi, no Twitter

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A televisão do militante número 1

por josé simões, em 25.05.21

 

visão.jpg

 

 

"André Ventura, e depois da vitória que conseguiu alcançar nas Presidenciais [minuto 18:44]". Ouviram bem, vitória. 

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Só por manifesta ignorância o congresso não tem lugar em Braga

por josé simões, em 21.05.21

 

Sem Título.jpg

 

 

Só por manifesta ignorância, aliás expressa na forma como dirigentes, militantes e minions anónimos escrevem nas caixas de comentários e nas redes, com erros de concordância, gramaticais, pejados de bengalas linguísticas, o congresso não tem lugar em Braga, porque por vergonha na cara não é, de certeza.

 

"teria graça" Ventura conseguir que "os trabalhos parlamentares fossem suspensos precisamente no dia de aniversário do 28 de maio de 1926", dia do golpe de Estado que resultou na queda da Primeira República Portuguesa e na instauração da Ditadura Militar, dando origem, mais tarde, ao Estado Novo, regime vigente no país até ao 25 de abril de 1974.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

"liberdade de informação"

por josé simões, em 11.05.21

 

naperon.jpg

 

 

A RTP, televisão pública paga com o dinheiro dos contribuintes, consegue meter André Ventura no telejornal dois minutos e picos a destilar ódio na porta do tribunal onde começou a ser julgado por ofensas a uma família do bairro da Jamaica sem 30 segundos sequer dados aos queixosos. Por um lado temos o "bom nome" da Felgueiras e o "desrespeito pela liberdade de informação" a propósito do comentário de João Galamba, do outro lado temos o "bom nome" da família dos "jamaicanos" do Fogueteiro e o "desrespeito pela liberdade de informação" sem contraditório e ao jeito do execrável. É isto, serviço público de televisão, não é?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

"Estrangeiros de bem"

por josé simões, em 27.04.21

 

surf.jpg

 

 

O dia em que os estrageiros de bem estragaram a narrativa ao partido dos "portugueses de bem".

 

Estrangeiros fãs de Portugal pela "segurança e disciplina"

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

No tempo em que o Benfica jogava de "encarnado" porque "vermelhos" eram os comunistas

por josé simões, em 25.04.21

 

paula celeste caeiro.jpg

 

 

Juntem o cravo branco do CDS ao cravo preto do Chega e temos o Portugal que que eles gostariam de comemorar: o Portugal a preto e branco de 24 de Abril.

 

[Na imagem, com link, Paula Celeste Caeiro, a mulher que "inventou" o cravo vermelho na revolução]

 

[Via]

 

 

 

 

"Portugal para os Portugueses"

por josé simões, em 24.04.21

 

movimento europa e liberdade.jpg

 

 

A direita dita democrática, e cada vez faz mais sentido colocar o dita à frente de democrática, deu o passo que faltava: legitimar a extrema direita. E não é a direita trambiqueira do dia-a-dia do debate político, que também aparece em cartaz na 3.ª Convenção do Movimento Europa e Liberdade, é a direita da cultura e da academia que dá a cara. Nomes como Miguel Poiates Maduro, Francisco José Viegas, António Nogueira Leite, José Adelino Maltez ao lado de André Ventura e Jaime Nogueira Pinto.

 

E depois o case study Sérgio Sousa Pinto, em tempos de blogues e início de redes sociais com estatuto de next bih thing do PS, e que nos últimos tempos se notabilizou na primeira linha do combate à "Geringonça", no painel de debate "A intolerância cultural e a ditadura do politicamente correcto", encerrado pelo líder do Chaga, exímio em destilar ódio contra minorias étnicas e culturas diversas. O raciocínio de Sérgio Sousa Pinto, sempre com a boca cheia de Mário Soares, quase quase quase, falta-lhe dar esse passo, a reclamar ser o guardião do seu legado político, é que se o então fundador e líder do PS trouxe o CDS para o "arco da governação", também o actual PS pode fazer o mesmo com o Chaga, ignorando que com o fascismo não se debate, combate-se.

 

Mais fascismo menos fascismo o ponto de vista é simples: se o programa económico do Chaga e da Ilusão Liberal, semântica e léxico à parte, mais ponto menos vírgula, é exactamente o mesmo - privatizar, privatizar, privatizar, desmantelar o Estado e o estado social em benefício de interesses privados, se não vamos [vão] lá pela boa educação e discurso elaborado, vamos [vão] pelo discurso primário do Chaga, mais mobilizador do eleitorado. Os fins justificam os meios.

 

[O título do post foi o que li da primeira vez que vi o flyer, e não deve andar muito longe disso.]

 

 

 

 

"Dantes é que era"

por josé simões, em 12.04.21

 

salazar.jpg

 

 

Quando um dos principais beneficiados com a instrução do "Processo Marquês" foi o intitulado "Dono Disto Tudo" - Ricardo Salgado, que viu todas as acusações contra si caírem, por incompetência do Ministério Público e dos juiz encarregado da investigação, é convocado por WharsApp um panelaço sul-americano para a hora em que José Sócrates é entrevistado na televisão, invocado os "donos disto tudo que governam o país há quase 50 anos", que são precisamente os 47 anos que o 25 de Abril faz este mês. E só este "peru menor" dos "quase 50 anos" devia meter a pensar o "povo honesto que é obrigado a trabalhar [sic] sem a devida compensação", os "portugueses que pagam impostos",  como é moda agora dizer, para não acabarem portugueses que votam no André Ventura, que ajudava portugueses a fugir aos impostos e a branquear capitais quando trabalhava para Tiago Caiado Guerreiro enquanto era funcionário da Autoridade Tributária com acesso a informação privilegiada. Os "portugueses de bem" que agora retribuem com o financiamento do Chega e de André Ventura, o André Ventura investigado no "Processo Monte Branco" por fraude fiscal e branqueamento de capitais enquanto deputado e empregado da Finpartner, o André Ventura que foi chamado a depor na investigação "Vistos Gold" por ter colaborado num parecer, enquanto inspector tributário, que isentou em 1.8 milhões de euros a empresa Intelligent Life Solutions, de Paulo Lalanda de Castro, ex-patrão de Sócrates.

 

"Há quase 50 anos", porque antes dos "quase 50 anos" houve outros quase 50 anos, mais precisamente 48 de fascismo, em que Portugal era um paraíso de ética, honestidade e integridade para os actuais, e antigos, "Cheganos", e onde o "povo honesto" não era obrigado a trabalhar para pagar nada a ninguém e recebia por isso a "devida compensação": fome, pé descalço na rua, instrução só para "portugueses de bem", falta de saneamento básico, água e luz, saúde para quem a pagasse, analfabetismo e mortalidade infantil, pensões e reformas do que conseguisse amealhar entre o nascer e morrer a trabalhar sem horário, folgas e férias, filhos para a guerra colonial e respeitinho é muito bonito porque manda quem pode e obedece quem deve.

 

Como diz o "povo honesto", Deus quando deu a cabeça não foi só para pôr o chapéu.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Socorro, vem aí o Ventas!

por josé simões, em 10.04.21

 

Here’s Johnny! The Shining Cuckoo Clock.jpg

 

 

Que o Estado de direito democrático deve abdicar de sê-lo e condenar a pedido da turba só porque se não o fizer vai favorecer a ascensão do Chaga, é o argumento mais espantoso que se tem ouvido nestes dias, desde anónimos a políticos super star com assento e acento no prime time, passando por jornalistas. O medo do populismo de extrema-direita para se passar a actuar como se vivêssemos num Estado governado por um partido populista de extrema-direita é um jogo perigoso de se jogar e o Ventas, percebendo isso melhor que os anónimos, os políticos super star e os jornalistas, chapéu, começa a capitalizar por antecipação e força ainda mais com pressões inaceitáveis sobre o tribunal guardião da Constituição da República sob a forma de manifestações.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A entronização do Duce

por josé simões, em 10.03.21

 

mussolini.JPG

 

 

"Qual é o universo de eleitores?
Não tenho esses dados ainda porque estou a receber o total disso, não tenho esses números

 

Então mas os 97,3% dizem respeito a quantos votos?
Dos eleitores que estavam habilitados a votar, os que têm quotas pagas.

 

Certo, mas qual é o número?
Este foi o número que recebi da empresa, da empresa que gere isto. Nós temos uma empresa que gere estes números e  deu-me estes números em Excel.

 

E quando vamos ter os números?
Provavelmente, a Patrícia [assessora] diz-lhe ainda hoje."

 

"André Ventura foi reeleito com 97,3% dos votos ou, pelo menos, assim foi anunciado no sábado. Mas três dias depois, o partido ainda não comunicou o universo de eleitores, delegando a responsabilidade da contagem a uma empresa cujo nome também não foi revelado."

 

O estranho caso dos resultados das eleições no Chega

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

"Cavaco Silva está velho"

por josé simões, em 09.03.21

 

Sem Título.jpg

 

 

"Cavaco Silva está velho". A frase dita por Jerónimo de Sousa acabou por se revelar a análise mais lúcida de todas as que foram feitas à saída do ex Presidente da República do esquife onde se encontra depositado. Curta e certeira. E tão acertada foi que a aparição foi prontamente compreendida pelo deputado mais velho que alguma vez se sentou nas bancadas da Assembleia da República em todos os anos da sua existência.

 

[Link na imagem]