Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| A arte da agit-prop

por josé simões, em 04.11.15

 

Kim Mickey.jpg

 

 

A arte da agit-prop de direita em passar para a opinião pública um Governo com um cadastro de 4 anos de inconstitucionalidades, mentira e manipulação como um Governo honesto, fiável e de boa-fé.


«Programa do Governo abre margem para negociar com PS»


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

|| Operação Fellatio [Cap. II]

por josé simões, em 19.02.12

 

 

 

A economia está a falhar, as exportações estão a quebrar, o défice continua a aumentar, o desemprego já vai em 13, 6%, mas nenhum membro do actual Governo tem cartão de crédito pago pelo erário público. Podemos todos dormir mais descansados.

 

Para a semana o primeiro-ministro vai às compras a uma mercearia em Massamá e, por coincidência, vai lá estar, também às compras, um jornalista e um fotógrafo. E Pedro Passos Coelho vai pagar em cash. Por causa das coisas.

 

[Operação Fellatio, cap. I]

 

 

 

 

 

 

 

|| Agit-prop [Com um coelho matar duas cajadadas]

por josé simões, em 13.07.11

 

 

 

Primeiro foi o elogio do enorme feito que foi o Governo ter sido feito sem que nada transpirasse, às mijinhas como é(ra) da tradição, para a comunicação social. Só no próprio dia e depois do conhecimento prévio do Presidente da República. Um bom começo, escreveu-se e disse-se por tudo o que é poiso de paineleiros e politólogos. Estava tudo embalado de boca cerrada e de 5.ª velocidade metida e eis senão que, transpira por todos os poros e sem que tenha sido dado cavaco prévio a Cavaco Silva, uma colossal fuga de informação sobre um colossal desvio nas contas públicas. Se formos todos burros [atenção ao “se”] ficamos desde já preparados para a má nova que é o Governo não conseguir cumprir os objectivos acordados [por causa de] e para o colossal novo imposto que vai ser suado pelos portugueses [por causa de]. Os 50% que sobram do 13.º mês?

 

(Imagem cartaz chinês de propaganda “Sing revolutionary war songs with fervor, and move forward in victory”)

 

 

 

 

 

 

|| Agit-prop

por josé simões, em 25.06.11

 

 

 

Pedro Passos Coelho, para dar o exemplo à plebe e um sinal à troika, «vai voar sempre em económica na Europa» apesar de ser «prática corrente os ministros e os secretários de Estado serem dispensados do pagamento de bilhete nas deslocações oficiais» em que utilizam os serviços da TAP. Soube o jornal «junto de fonte ligada ao anterior Executivo». Fonte, ligada, anterior executivo. Foi assim frustrada, de modo simples e eficaz, a primeira acção de agit-prop do novel executivo, com uma acção de guerrilha, limpa e sem danos colaterias, ao alcance de um telemóvel ou de um e-mail. Siga a dança.

 

(Imagem “1970’s Southwest Airlines”, Hulton Archive/ Getty Images)

 

 

 

 

 

 

|| Para que conste

por josé simões, em 18.06.11

 

 

 

WAR KILLS PEOPLE

 

 

 

 

 

|| DEMOCRACIA

por josé simões, em 12.06.11

 

 

 

 

EAT THE RICH / KILL THE POOR

 

 

 

 

 

 

 

A “Revolução” é ali ao lado… (II)

por josé simões, em 14.03.08

 

A propósito da não-aposta de João Pedro Graça na caixa de comentários do post:
 
Obviamente que ao PCP interessa a agitação de rua; ou melhor, agitar o descontentamento das pessoas. Mas dentro de certos limites. E os limites certos para o PCP são: desde que as manifs e os protestos sejam enquadrados pelas chamadas organizações de base; sejam elas os sindicatos, colectividades, ou outro tipo de organizações, (de preferência infiltradas por militantes do Partido, ou pelos chamados independentes, mas com ligações fortes à organização comunista. E a prova-provada (vox populi) é que em 34 anos de Democracia, o PCP, a primeira vez que convocou e organizou uma manif a solo, e sem a capa dos sindicatos foi no dia 1 deste mês.
 
O dilema do PCP em relação às manifs convocadas por sms e e-mail agora tão em voga é, exactamente o mesmo que tinha em 1974/ 75 com as manifs convocadas por grupelhos esquerdistas (léxico Hotel Vitória). Fomentam a agitação da qual o PCP pode vir a tirar proveitos, mas ao mesmo tempo pode vir a ser-lhes prejudicial se a coisa se descontrolar e com isso ganhar uma imagem negativa na opinião pública. É por isso que o PCP não comete erros de palmatória em apoiar “manifs” dos Verdes Eufémios, ou dos Anarkas-Okupas do Chiado, como fez por exemplo o Bloco pelas palavras de Miguel Portas (curiosamente um ex-PCP…), no caso do milho transgénico, sendo depois obrigado a vir desdizer-se devido ao impacto negativo da “manif”.
 
Sobre o comentário de Barão (última parte):
 
Pois. O problema é o mimetismo quase perfeito entre o líder partidário e o primeiro-ministro, ou entre o militante partidário e o ministro. E não me estou a referir especificamente ou exclusivamente a este / estes (deste) Governo. O mal tem tantos anos quantos o 25 de Abril. As peles confundem-se; principalmente em épocas de pré-campanha e ás vezes mesmo em campanha eleitoral. Onde é impossível distinguir o candidato do governante. Dá-lhes jeito… Os assobios não são mais do que levar por tabela. Fomentaram o mimetismo; os assobiadores aproveitam-se dele.
 
(Foto fanada no El País)