Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Descubra as diferenças

por josé simões, em 12.02.19

 

Damon Winter The New York Times.jpg

 

 

Dia 13 de Dezembro de 2018:

 

"Privados facturaram 38 milhões de euros a mais e ADSE exige devolução."

 

Hospitais privados contestaram a prática, mas parecer da Procuradoria-Geral da República deu razão à ADSE. Em causa estão facturas de medicamentos, próteses e cirurgias que em 2015 e 2016 ultrapassaram a média.

 

 

Dia 12 de Fevereiro de 2019:

 

"CUF suspende convenção com a ADSE"

 

A José de Mello Saúde formalizou a suspensão da convenção com a ADSE para prestação e cuidados de saúde aos seus beneficiários em toda a rede CUF, podendo evoluir para denúncia definitiva.

 

 

Dia 13 de Fevereiro de 2019:

 

"Luz Saúde termina convenções com ADSE a partir de 15 de Abril"

 

Hospitais e clínicas do grupo deixam de prestar cuidados ao abrigo das convenções com a ADSE a partir de 15 de Abril. Decisão afecta mais de 250 mil beneficiários que apenas poderão usar os serviços em regime livre.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Sitcom PSD

por josé simões, em 15.06.16

 

cheers.jpg

 

 

O PSD quer uma comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos para apurar o que aconteceu durante os quatro anos de Governo PSD – apologista da privatização do banco, a meias com o CDS, e em que o banco do Estado, descapitalizado, sem acesso a crédito nos anos da troika, por ser o maior banco nacional mais exposto à destruição da economia, às falências e ao desemprego, não conseguiu pagar as divídas ao accionista Estado nem limpar dos balanços empréstimos duvidosos - concedidos com a aprovação de nomeados pelo PSD e CDS, ao mesmo tempo que se sujeitava às regras europeias, rigídas com o dinheiro do contribuinte em bancos do Estado, liberais e mãos largas com o dinheiro do contribuinte em bancos privados.


O PSD requereu uma audição urgente do diretor-geral da ADSE no Parlamento para esclarecer o pagamento indevido de 29,7 milhões de euros à Região Autónoma da Madeira - de Governo PSD, por um Governo PSD a meias com o CDS, vulgo maquilhar as contas.


"Não estraguem, por favor, não estraguem!"


[Imagem]

 

 

 

 

||| Por iniciativa da esquerda, pela mão da esquerda, com o apoio da esquerda

por josé simões, em 15.03.16

 

FUR.jpg

 

 

"É assim que de uma forma sub-reptícia e matreira se vai privatizando a saúde"

 

 

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 17.07.15

 

clown shoes.jpg

 

Ou a materialização do mui popular termo "emprestadado":


«Passos admite que ADSE ajudou a equilibrar contas mas nega apropriação»


[Imagem]

 

 

 

 

 

||| Mérito e competência

por josé simões, em 02.01.15

 

carro josé pedro aguiar branco estacionado em cim

 

 

«O PCP acusa o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, de ter feito uma "nomeação ilegal" ao escolher um civil para vogal do Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA).»


«A ADSE, direcção-geral que gere o subsistema de saúde dos funcionários públicos, tem desde 1 de Janeiro um novo director-geral. Carlos Liberato Baptista, até agora vogal do Instituto de Acção Social das Forças Armadas, assume o cargo por cinco anos, em regime de comissão de serviço.»


[Imagem]

 

 

 

 

||| "O Governo não tem um modelo de salários baixos para o país"

por josé simões, em 14.05.14

 

 

 

«Salários do Estado até mil euros caem em 2015», e o pormenor delicioso do "eventualmente": «Antes de o salário eventualmente subir, ainda vai descer». Já dizia o Peter Gabriel em The Carpet Crawlers, "we' ve got to get in to get out"...

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Jogo de sombras, shadow play em "amaricano"

por josé simões, em 13.03.14

 

 

 

Cavaco Silva deve ter pensado para com os seus botões "oh Diabo, mas calha-me sempre a mim ficar nos cornos do boi?!". A até levou aplausos, muitos, da oposição, e tudo. Social-democrata, índices de popularidade abaixo de lixo, os limites aos sacrifícios, os assobios em cada esquina. E tal. Bastão de Molière, truz-truz-truz, siga a representação.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Como dizem os "bifes", life goes on

por josé simões, em 16.02.14

 

 

 

Duas notícias interessantes sobre o estado da saúde em Portugal:

 

O Governo para as empresas e corporações, eleito pelo voto popular, não quer acabar com o "abono de família" das clínicas, laboratórios, e hospitais privados, a pretexto da qualidade do serviço do Sistema Nacional de Saúde, que o Governo para as empresas e corporações, eleito pelo voto popular, quer desmantelar.

 

Mais importante do que saber que a indústria farmacêutica gasta num só ano 20 milhões de euros em publicidade e marketing era saber qual o retorno para a indústria farmacêutica dos 20 milhões de euros investidos gastos, só num ano, em marketing e publicidade.

 

A língua portuguesa é maravilhosa. Até tem expressões tipo "ler nas entrelinhas" e "emprenhar pelos ouvidos".

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Extraordinariamente solidários

por josé simões, em 03.01.14

 

 

 

O roubo de 5% e 6%, respectivamente, aos subsídios de doença e de desemprego, não é roubo é "contribuição". O aumento de impostos aos funcionários públicos, por via dos descontos para a ADSE, como forma de compensar o chumbo do Tribunal Constitucional aos cortes nas pensões, não é aumento de impostos é "contribuição". O esbulho aos pensiomistas da Caixa Geral de Aposentações não é esbulho é  "Contribuição Extraordinária de Solidariedade", e o esbulho generalizado não é esbulho generalizado é "alargamento da base de incidência".

 

Isto no país em que o trabalhador não é trabalhador mas colaborador, não vende a sua força de trabalho ao patrão, colabora com o empresário. Colaborar é as tarefas divididas lá em casa entre o casal, e os filhos se ou houver, por exemplo.

Contribuição de solidariedade é quando os meninos vestidos de parvos, vulgo escuteiros, andam na rua com as caixinhas a catar moedas para a Liga Portuguesa Contra O Cancro, e o povo dá porque lhe apetece dar e porque sim, também por exemplo.

 

A novilíngua vai de vento em popa. O mexilhão, além de se lixar como diz o provérbio, ainda leva com a novilíngua pela proa. E a passividade com que tudo isto é aceite é resumida na perfeição pelo corrector do Word quando quer alterar novilíngua por novilhada.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| ADSE is the new awesome

por josé simões, em 30.07.13

 

 

|| A questão que o anónimo cidadão-contribuinte-eleitor gostaria de ver esclarecida

por josé simões, em 20.01.13

 

 

 

Por que razão/ razões é que 2/3 que já pagam consultas, análises, radiografias, todo o género de exames médicos e taxas moderadoras, do seu próprio bolso, ainda têm de co-financiar, via impostos, o subsistema de 1/3?

 

«[…] a reforma e reestruturação da ADSE, bem como de todos os outros subsistemas de saúde, é para si "uma questão essencial", mas disse ter que "reconhecer aquilo que tem sido o esforço que os funcionários públicos têm feito para o seu próprio sistema", contribuindo com uma parte do seu salário para o seu financiamento.»

 

Entretanto podem continuar a brincar com as palavras, sem perceber que cidadão-contribuinte-eleitor já está vacinado [com a vacina paga do seu próprio bolso e ainda mais impostos] e, acima de tudo, já esgotou a paciência.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Governo amigo do funcionalismo público, este

por josé simões, em 10.08.11

 

 

 

Quer-me parecer que o ministro está só a oficializar uma coisa que já ninguém faz. É que reembolso é tão ridículo no SNS que a gente prefere guardar as facturas para deduzir no IRS. Se o objectivo fosse mesmo poupar dinheiro acabavam com a divisão entre portugueses de primeira categoria na ADSE e portugueses de segunda categoria no SNS.

 

Comparação do SNS, Seguros Privados de Saúde e ADSE

 

Tabelas de comparticipação na ADSE

 

(Imagem de autor desconhecido)

 

 

 

 

 

 

|| Estado Social

por josé simões, em 02.03.11

 

 

 

 

 

Trinta e sete – 37 – trinta e sete anos depois da revolução de Abril de 1974 parece que os portugueses de 1ª vão passar a ter o mesmo tratamento que os portugueses de 2ª.

 

Deve ser a isto que o Duo Ouro Negro Avoila & Picanço se refere de cada vez que fala em mais uma etapa – de uma estratégia montada – para denegrir a imagem dos funcionários públicos aos olhos da população.

 

(Na imagem Charles B. Tripp the armless man and Eli Bowen the legless man. Both men traveled with the Ringling Brothers and Barnum and Bailey circuses, 1890)

 

 

 

 

 

 

 

|| Solidariedade

por josé simões, em 10.11.10

 

 

 

"vai debilitar todo o sistema de protecção na saúde, que tem sido solidário"

 

Não podia estar mais de acordo com os sindicatos: mais de um milhão e 300 mil funcionários e familiares, cidadãos de 1.ª classe, que usufruem de um sistema de saúde sem limites e com reembolsos até 80%, suportado pelos impostos solidários dos outros milhões de cidadãos de 2.º classe, utentes do Serviço Nacional de Saúde, com os limites impostos pelo salário de cada um e a guardar o recibo para “meter” no IRS.

 

E conseguem dizer estas barbaridades sem corar de vergonha.

 

(Na imagem Rodolfo Valentino e Agnes Ayres via Museo Nazionale del Cinema di Torino)

 

 

 

 

 

|| Bettencourt não compreende o picanço…

por josé simões, em 24.06.10

 

 

 

A indignação não se prende com o facto de haver portugueses de primeira e portugueses de segunda categoria e que o sistema de saúde dos portugueses de primeira categoria seja suportado pelos impostos dos portugueses de segunda.

 

«Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado indignado com descontos para ADSE em períodos de baixa médica»

 

(Imagem de Elliott Erwitt)