Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"Não foi um crime de ódio racista"

por josé simões, em 01.08.20

 

MASSACRE DE WIRIYAMU.jpg

 

 

Em Angola, matei vários como este

 

[Imagem]

 

 

 

 

Assim se constrói o discurso do ódio

por josé simões, em 27.07.20

 

1 (84).jpg

 

 

No Parler, "Free Speach Social Network", também conhecido por Fachobook, a rede para onde a direita radical está a migrar por causa da "Censura imposta pelo FoiceBurqa" [sic] agora que o Facebook, timidamente, começa a impor restrições ao discurso do ódio e às contas falsas criadas pelos minions de Trump, Bolsonaro e pelo Ventas do Chaga, ainda que para isso tenha sido obrigado por via da quebra de receitas publicitárias imposta pela grandes marcas pressionadas pelos consumidores. Um albergue de alucinados só comparável ao hospício de Twelve Monkeys.

 

 

 

 

Nos dias do medo e do ódio

por josé simões, em 19.09.18

 

 

 

"He's made of bones, he's made of blood, He's made of flesh, he's made of love, He's made of you, he's made of me, Unity!"

 

Nos dias do medo e do ódio de Trump, de Salvini, de Orbán, de Farage e da English Defense League, fazer uma canção de protesto e denúncia, hit, com uma letra assim e meter as rádios a tocá-la. Chapéu!

 

"My blood brother is an immigrant, A beautiful immigrant. My blood brother's Freddie Mercury, A Nigerian mother of three.

 My best friend is an alien (I know him, and he is!), My best friend is a citizen, He's strong, he's earnest, he's innocent.

 My blood brother is Malala, A Polish butcher, he's Mo Farah"

 

"O medo leva ao pânico, o pânico leva à dor, A dor leva à raiva, a raiva leva ao ódio".

 

 

 

 

E os imbecis aplaudem

por josé simões, em 23.04.17

 

 

 

Temos assim um ex hooligan ex activista de claques [segundo a página Wiki, depois da legitimação dinástica do longo rol de graus de parentesco e de sucessões]  eleito presidente de um clube que, aquando de uma derrota ou de um resultado menos positivo da equipa de futebol, a primeira coisa que faz é atravessar o relvado em direcção à bancada para pedir desculpa aos hooligans à claque, a acusar o presidente de outro clube inimigo rival de ser refém de claques de futebol. Siga o circo.