Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Resumo da jornada

por josé simões, em 26.05.19

 

eleiçoes-pe-hungria.jpg

 

 

O Bloco de Esquerda vale metade do PSD e vale uma leitura colectiva do "A Doença Infantil do Comunismo - O Radicalismo de Esquerda" na Soeiro Pereira Gomes; do PSD das "direitas encostadas" que desencostou o CDS e o deixou com os calcanhares encostados ao PAN, depois de uma gloriosa campanha eleitoral com a "extrema-esquerda" o "Sócrates" e o "25 de Novembro"; do PAN, dos charlatães das "medicinas alternativas" e do "fascismo animal", com 1/ 4 do tempo de antena da direita radical - o CDS, no único país da Europa onde a extrema-direita não tem expressão eleitoral, no pasa nada; O PAN que insiste em ir a votos sozinho e não disfarçado de "verde" numa coligação que serve para dar ao PCP tempo a dobrar nos debates quinzenais no Parlamento; Santana Lopes, que não foi a votos, nem sequer o partido que lidera meteu alguém no Parlamento Europeu, consegue ter mais tempo de antena no rescaldo eleitoral - 10 minutos, que João Ferreira da CDU, interrompido para mostrar um gráfico de barras com percentagens; interrompido Paulo Rangel ao minuto e meio de discurso pelas mesmas razões; Paulo Rangel que sem saber a diferença entre o pretérito perfeito e o presente do indicativo atribui culpas ao mau resultado eleitoral ao surgimento dos novos partidos na área do PSD, depois de Manuela Ferreira Leite na noite eleitoral da TVI ter querido contabilizar o Aliança nos votos do PSD, e à "nacionalização" das europeias. Como diria o Jaime Pacheco, "uma faca de dois legumes" para o PSD, já que em Outubro nas nacionais não vai haver uma europeização das legislativas.

 

Continuam alegremente a tratar os cidadãos como atrasados mentais, antes e depois das eleições, no único país da Europa onde a abstenção aumentou. No pasa nada.

 

No entanto nem tudo está perdido, parafraseando Jerónimo de Sousa em 2015 "o Partido Socialista Europeu só não dá a vassourada no Partido Popular Europeu se não quiser".

 

[Imagem]