Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| Ainda o pantomineiro que agora faz uma pausa na intervenção partidária

por josé simões, em 13.03.16

 

poster-supervisao.jpg

 

 

A partir de agora, e só a partir de agora, vai ser possível a qualquer um, desde que líder do CDS, legitimamente ser "primeiro-ministro vírgula" de um Governo "geringonça", algo que Paulo Portas já tinha tentado em 2011 sem sucesso, mas agora também ninguém se lembra disso, muito menos a comunicação social caixa de ressonância do pensamento único dominante..


A geringonça de esquerda fez, faz, continua a fazer, uma pressão inaceitável sobre o Governador do Banco de Portugal, transmitindo para o estrangeiro, e para os investidores, a imagem, errada, da tentativa de condicionar a sua independência face ao poder político e de ter à frente do banco central um yes man, que falhou nas suas competências, antigas, de supervisionar, e que só foi reconduzido, contra vontade de Paulo Portas, porque tinha em mãos novas competências, vender um banco que só o é por resultado da sua falha na supervisão ao BES. E, para evitar que casos destes se repitam, há que mexer na Constituição, ignorar o Parlamento e a sua função de escrutínio, e passar a nomeação dos futuros governadores para as mãos do Presidente da República, tipo um Cavaco Silva qualquer e os seus amigos banqueiros.


É preciso continuar a "rui machetar" com os PALOP’s, na generalidade, e com Angola, em particular, e a não deixar judicializar as relações entre os dois países soberanos. A justiça que pense duas vezes antes de fazer justiça àquela imagem da senhora com a balança na mão e a venda nos olhos e à sua suposta independência em relação ao poder político, aquela coisa do Estado de direito.


E depois chorou e levou muitas palmas e tornou a chorar e a levar muitas palmas e a partir de agora temos "um CDS disponível para amar", disse Bernardo Ferrão, um palerma promovido a director de não-sei-o-quê na televisão do militante n.1, a SIC Notícias.


[A imagem é daqui]