Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| A perestroika e glasnost laranja

por josé simões, em 13.07.14

 

 

 

No partido onde um deputado é deputado porque o pai foi deputado e o avô já era deputado, ainda no tempo em que não havia deputados; no partido onde o jovem empresário tem 50 anos de idade e é filho do empresário, o velho, que já era empresário porque o avô também o era; no partido onde o "pioneiro" jota vai trabalhar para a empresa, para o banco [e não é atrás do balcão a receber depósitos e pagar cheques], ou estagiar para o escritório de advogados por causa do mérito e das competências adquiridas pela militância na jota; no partido do chamar a troika para justificar a transferência da dívida pública do sector privado para o sector público, porque um sector bancário limpo e saudável é essencial ao bom desempenho da economia e porque o investimento feito pela banca privada na partido e na formação de "pioneiros", com responsabilidade e "sentido de Estado", há-de um dia dar frutos, para a banca e para os próprios, no regresso a um emprego, de prestígio e bem remunerado, depois de acabada a comissão de serviço na administração da cousa pública :

 

"Cada vez mais os bancos olham ao mérito dos projectos e aqueles que não olham pagam um preço por isso. As empresas que olham mais aos amigos do que à competência pagam um preço por isso, mas esse preço não pode ser imposto à sociedade como um todo e muito menos aos contribuintes"

 

 "que a democracia chegue à nossa economia e que haja verdadeiras oportunidades para todos, então não deveria contar ser filho de A ou de B quando se trata de bater à porta do banco para obter o empréstimo"

 

Dizer uma coisa e fazer o seu contrário, a saga continua. Ou então é alguma perestroika e glasnost laranja e continua a escapar-nos estarmos na presença de um Mikhail Gorbatchev lusitano.

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post