Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 01.02.13

 

 

 

ARTIGO 83.º

(Nacionalizações efectuadas depois de 25 de Abril de 1974)

 

  1. Todas as nacionalizações efectuadas depois de 25 de Abril de 1974 são conquistas irreversíveis das classes trabalhadoras.

 

Lisboa, 2 de Abril de 1976

 

 

Por estar num processo de aprendizagem e por não ter um passado de conhecimento, suficientemente "rico", para ter conhecimento e aprendido um mínimo dos mínimos sobre o passado, um puto - ainda que vestido com roupa de homem e com os óculos de aros suficientemente grossos na cara para lhe conferir respeitabilidade - investido de funções de Governo, é sempre um puto:

 

«Governo quer reformas irreversíveis no futuro»

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 31.01.13

 

 

 

Para que o Governo interfira na independência editorial da RTP recomende à televisão pública, os partidos que suportam a maioria recomendam ao Governo.

 

A linha de tempo [1960 – 1990] dada como exemplo é fabulosa. Desde Salazar até Cavaco.

 

[Na imagem cartaz de propaganda do Estado Novo]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 24.01.13

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 28.12.12

 

 

 

O perturbador é que os burlões que actualmente nos governam, e enquanto adolescentes nas jotas, tiveram posters da senhora na parede do quarto, assim a modos que a sua Pasionaria [o lugar de Che Guevara estava preenchido por Ronald Reagan], e depois, já adultos, fotos emolduradas nas secretárias e nas paredes dos escritórios e gabinetes. Basta ler os panegíricos publicados nos blogues de onde saíram as centenas que neste momento infestam os ministérios, secretarias de Estado, empresas públicas e institutos. Esta gente é perigosa, muito perigosa.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 22.11.12

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 09.11.12

 

 

 

Corria o ano de 1990 e chegavam, vindas da Europa, caravelas carregadas de ouro como no tempo do ouro do Brasil. Era primeiro-ministro o senhor Aníbal Cavaco Silva que assistia, por detrás das vidraças da marquise na Travessa do Possoilo, à criação do Banco Alimentar Contra A Fome no intervalo de receber o bispo de Setúbal, vermelho de clamar contra a miséria e o desemprego, no Palácio de S. Bento com um almoço de jaquinzinhos com arroz de tomate.

 

Vinte anos depois o mesmo senhor Aníbal Cavaco Silva, agora Presidente da República, propõe que se recolham os restos dos restaurantes para alimentar os famintos e deserdados do sistema que criou, depois de medalhar no dia da Pátria a senhora Isabel Jonet, que não vai ao rock para aforrar para a radiografia e para a água que não soube ensinar os filhos a poupar.

 

Como se pode ver nada disto é novo, já bem de trás, de muuuuuito atrás. Há é muita fraca memória.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 12.10.12

 

 

 

Em 1938, Adolf Hitler, o então chanceler alemão, foi nomeado para o Prémio Nobel da Paz por E.G.C. Brandt, deputado ao parlamento sueco. Um no depois, 1939, começa a II Guerra Mundial e o resto é História, e História construída em cima das cinzas e dos escombros de uma Europa destruída pela guerra mais devastadora de que há memória.

 

Em 2012, uma União Europeia à beira da implosão porque e subjugada pela política económica de uma Alemanha, reconstruída e recuperada da destruição da II Guerra Mundial pelos Aliados, e igual entre os iguais na Europa para evitar que o passado fosse presente e futuro, é a vencedora do Prémio Nobel da Paz 2012 pelo seu papel histórico na união do continente.

 

Sempre a Alemanha.

 

[Imagem "Hitler viewing the victory", Hugo Jaeger, Time & Life Pictures]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 04.10.12

 

 

 

Paulo Portas já reagiu às novas medidas de austeridade anunciadas […] pelo Governo., considerando que "isto é um bombardeamento fiscal na nossa economia".

 

O líder do CDS-PP, criticou duramente as declarações do primeiro-ministro, enumerando as medidas de cariz fiscal - agravamento do IVA, IRC e IRS - Portas pergunta: "Isto é um pequeno esforço?".

 

Depois disse, no Parlamento, desconfiar que o agravamento do IRS visa tanto os trabalhadores no activo como os pensionistas.

 

[…]

 

"Lamento profundamente que os portugueses cheguem à conclusão que o Governo não tem palavra em matéria fiscal", afirmou.

 

"Não me digam que o aumento de impostos é inevitável", declarou Portas, defendendo que o Governo podia ter feito "mais e melhor" na contenção das despesas do Estado."

 

[Imagem]                                                                                                                                                                                                                 [Via]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 28.09.12

 

 

 

Demorou 37 anos para que os filhos e netos da Direita mais retrógrada e reaccionária conseguissem pela via eleitoral o que os seus pais e avós não conseguiram pela via golpista. Curiosamente, ou talvez não, hoje ninguém assinala o 38.º aniversário.

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 27.09.12

 

 

 

Salvo erro, desde a crise académica de 1969 que os gorilas não entravam no campus universitário.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 13.09.12

 

 

 

[Edward Abbey]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 08.09.12

 

 

 

«Privatize-se tudo, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo… e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.»

 

José Saramago, Cadernos de Lanzarote – Diário III

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 30.08.12

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 25.08.12

 

 

 

Lebensraum. Na Galícia. Ou na última ditadura da Europa. Como quiserem.

 

[Imagem]