Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| PAF!

por josé simões, em 24.11.15

 

 

 

[Via]

 

 

 

 

||| "o meu ego está mais do que satisfeito!" [*]

por josé simões, em 24.11.15

 

sapo.jpg

 

 «António Costa indigitado primeiro-ministro»


[Imagem]


[*] Cavaco Silva, 14 de Junho de 2015

 

 

 

 

||| A criança diverte-se

por josé simões, em 23.11.15

 

karate kid.jpg

 

 

"Presidente tem dúvidas" é, sem dúvida, a piada mais curta de sempre, mas como não é de piadismo mas de brincadeira que se trata, de brincar com coisas sérias, temos o Presidente dual que, e depois de ter empossado um governo minoritário sem garantias de que passasse no Parlamento e antecipadamente sujeito a derrota atrás de derrota por via da maioria de esquerda, exacerba funções e competências e vem para o portador de uma maioria parlamentar com exigências e garantias prontamente respondidas e asseguradas não hoje, just in time, mas nas últimas duas semanas. Como a brincadeira está boa e ainda não tocou para a entrada a criança diverte-se.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Os irresponsáveis

por josé simões, em 23.11.15

 

Tasha Alakoz.jpg

 

 

Não sendo do conhecimento geral qual a quota de cedências que coube aos patrões, ou até se as houve, e que as do Governo ficaram em águas de bacalhau apesar da ameaça de entornar a água ao bacalhau por parte do homenzinho responsável que sucedeu ao homenzinho responsável e que antecedeu o homenzinho responsável.


A UGT mostrou-se mais responsável do que a CGTP?
Não vou dizer que a CGTP foi irresponsável. Cada um de nós mede a sua responsabilidade à medida das suas convicções e da sua disponibilidade para compromissos. Na altura, a UGT entendeu que devia assumir responsabilidades na estabilidade do país, sabíamos que as medidas eram gravosas e reconhecemos que muitas dessas medidas prejudicaram claramente os trabalhadores portugueses. Também por isso, ao final de quatro anos há esta profunda crispação entre a esquerda e a direita, entre o PS e os partidos da coligação (PSD/CDS-PP).


Posto isto, e como continua alegremente na sua yellow brick road em direcção a Emerald City sem se desviar uma vírgula do caminho, conclui-se que ou é tolinho ou cada um é para o que nasce e há quem nasça para ser marioneta ou boneco de ventríloquo.


O ministro Pedro Mota Soares (CDS) sempre que falava fazia questão de destacar o apoio dado pela UGT na manutenção da paz social. Isso não o incomoda?
Incomodou-me. Parece que se criou um conluio, mas isso não corresponde à verdade. A nossa actuação nunca foi defender o interesse dos empresários, mas criar com empresários uma relação de confiança que permita que as sinergias venham ao encontro das necessidades dos trabalhadores.


[Imagem]

 

 

 

 

||| O Dia D

por josé simões, em 21.11.15

 

One year after the D-Day landings in Normandy, Ger

 

 

"O PS não tem nenhuma legitimidade para nos pedir seja o que for. No dia em que o PS tiver de depender dos votos do PSD ou CDS para aprovar alguma matéria importante, o que espero é que o doutor António Costa peça desculpa ao país - que enganou o país na solução que corporizou, ao derrubar o governo anterior, oferecendo um governo instável e minoritário no Parlamento - e se demita"


Ou o dia da morte política de Pedro Passos Coelho, o dia em que um Governo PS, liderado por António Costa, se vir na contingência de levar ao Parlamento qualquer coisa relacionada com o Tratado Europeu, com a União Monetária ou outra qualquer coisa de política e/ ou tratados internacionais, passíveis de levarem com o voto contra do Bloco de Esquerda e do PCP, o dia em que o PSD europeísta e atlantista e defensor dos tratados internacionais e da NATO e blah-blah-bla se vai revoltar contra a direita radical e irresponsável que tomou o partido nestes últimos quatros anos e votar ao lado da bancada socialista. Alguém devia explicar isto a Pedro Passos Coelho, muito devagarinho e se necessário acompanhado de um desenho, que quem deve temer este dia é ele e não António Costa e o Partido Socialista. A ameaça acertou ao lado.


[Imagem]

 

 

 

 

||| A família é o núcleo da sociedade

por josé simões, em 20.11.15

 

balão.jpg

 

 

Cansei-me de ouvir a direita dizer isto. E antes da direita o professor de Moral e Religião na "primavera marcelista" que acabou depois no CDS, partido da direita que não se cansa de dizer que a família é o núcleo central da sociedade. E hoje a sociedade ganhou mais crianças que ganharam mais famílias que fizeram o núcleo da sociedade mais forte. E até podem um dia acaber em padres ou a votar à direita, que o planeta Terra não é quadrado. Dia histórico. Viva!


[Imagem]

 

 

 

 

||| Sexta-feira, 13

por josé simões, em 13.11.15

 

O_Reviralho.jpg

 

 

Ou duas contrariedades na Revolução Nacional contra o Reviralhismo


«Foi por "não esperar um regresso a grandes desequilíbrios orçamentais", mas apenas "um ritmo de consolidação mais gradual" que a DBRS optou esta quinta-feira manter o rating atribuído a Portugal em BBB- com tendência "estável" [...]»


«"O Partido Socialista em Portugal não é o Podemos ou o Syriza", disse o responsável pela análise de estados soberanos da Standard & Poor’s [...]»


[Foi bom Pedro Passos Coelho ter esclarecido as sua cultura política. Imagem]

 

 

 

 

||| Dia 26 de Setembro de 2015

por josé simões, em 13.11.15

 

expresso.jpg

 

 

"Costa chumba Governo de direita minoritário"


"PS pensa que será Governo se não houver maioria PSD/ CDS. Costa confia na maioria de esquerda e na capacidade para fazer acordos"


A primeira página do jornal do militante n.º 1 uma semana antes das eleições, dia de reflexão incluído..


[Via]

 

 

 

 

||| Por decreto

por josé simões, em 12.11.15

 

Octopus Typewriter by Courtney Brown.jpg

 

 

Por decreto só a mais-valia do patrão via "reforma do IRC".
Por decreto só a mais-valia do patrão via redução do valor da hora extra.
Por decreto só a mais-valia do patrão via redução dos dias de descanso dos trabalhadores.
Por decreto só a mais-valia do patrão via aumento do horário de trabalho.
Por decreto só a mais-valia do patrão via embaratecimento dos despedimentos.
Por decreto só a mais-valia do patrão via estágios financiados pelo dinheiro do contribuinte.

Por decretro só a mais-valia do patrão com as novas contratações com salário pago pela metade para trabalho igual.
Por decreto só a mais-valia do patrão.


"Patrões avisam: salário mínimo não se aumenta por decreto"


[Imagem]

 

 

 

 

||| "Cavaco começa a ouvir personalidades para preparar argumentos"

por josé simões, em 10.11.15

 

ampola.jpg

 

 

O Corpo Nacional de Escutas, a Confraria do Bacalhau, Dias Loureiro, a Associação dos Deficientes das Forças Armadas, o Clube de Campismo de Setúbal, Oliveira e Costa, a Associação de Futebol de Aveiro, a Associação das Famílias Numerosas, José Gomes Ferreira, a Confraria do Queijo de S. Jorge, Duarte Lima, a Comissão de Festas da Nossa Senhora da Atalaia, Isabel Jonet, o Opinião Pública da SIC Notícias, João César das Neves, o Refúgio Aboim Ascensão, o João Duque, a Associação Católica Nossa Senhora de Fátima, a Helena do blogue Blasfémias, a Confraria do Azeite, a Associação Nacional dos Criadores de Suínos de Raça Bísara, Alexandre Soares dos Santos, o Movimento Compromisso Democrático, Luís Caprichoso, a editora Alêtheia, Francisco Sanches, a Federação Portuguesa de Tuning, Alexandre Relvas, o director do Correio da Manha, a Wikipédia, Paulo Baldaia, a Protecção Civil, o Cantiga Esteves, a Ritmos & Blues, Vasco Campilho, a Associação das Profissionais do Regime de Amas, o Zeca Mendonça, a Associação de Comandos, a Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoito, António Carrapatoso, o Ciberdúvidas, o juiz Carlos Alexandre.


"O presidente da República vai começar a ouvir, nos próximos dias, personalidades de várias áreas da vida pública, na iminência da queda do governo recém-empossado de Pedro Passos Coelho"


[Imagem]

 

 

 

 

||| O regresso da União Nacional

por josé simões, em 10.11.15

 

 

 

Pelo conceito de democracia e do funcionamento do sistema parlamentar-constitucional português, segundo a interpretação da coligação Pafiosa [PSD/ CDS] que, convenientemente, finge ignorar ignora a diferença entre ganhar e ficar em primeiro lugar, transformaria o PS numa espécie de Ala Liberal da direita no Parlamento. No futuro, quando confrontados com a sua participação no segundo acto da destruição do país e do desmantelamento do Estado social, restaria aos socialistas e ao que restasse do partido com o mesmo nome, a mesma resposta dada pela Ala Liberal da União Nacional quando, no pós 25 de Abril, vulgo o PREC, era confrontada com o colaboracionismo no Estado Novo: ah e tal, eu fumei mas não inalei.


[Na imagem os deputados do PS bom, segundo a interpretação da coligação Pafiosa]

 

 

 

 

||| Estamos a ouvir, estamos a ouvir...

por josé simões, em 09.11.15

 

Martine Franck. Bibliothèque pour enfants, Clamar

 

 

"Portugal não é diferente de outras democracias na União Europeia. Há eleições e depois os governos são formados. Portugal foi tão bem sucedido, ao longo dos últimos anos, que estou completamente convencido de que prosseguirá este caminho de sucesso"


"Não há muito que eu possa dizer. Trata-se de política nacional em Portugal. [...]. Como sempre, há um governo legítimo em cada país, e é com esse governo que trabalhamos. Resta-nos aguardar"


[Imagem]

 

 

 

 

||| E no entanto

por josé simões, em 09.11.15

 

secretlife.jpg

 

 

Devíamos estar todos muito mais preocupados com as vozes silenciosas no Partido Socialistas do que os chocalhos de Francisco Assis.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Eu queria ter arranjado um título para isto

por josé simões, em 08.11.15

 

lenine.jpg

 

 

Com o Bloco de Esquerda a ultrapassar o PCP, não pela direita, não pela esquerda, mas bem pelo meio, ao passar a terceira força política no Parlamento e com isso a obrigar Jerónimo de Sousa a chegar-se à frente no day after às eleições legislativas ao dar um sinal a António Costa de que o PS só não seria Governo se não o quisesse; com o Bloco de Esquerda, ao longo de um mês de negociações com o PS, sempre um passo à frente do PCP e sempre a passar para a opinião pública a ideia de mais abertura que os comunistas, é melhor ir reescrever literatura e escrever a história do papel decisivo do Bloco de Esquerda, e de Catarina Martins, como forças de pressão, decisivas, que levaram o radical PCP de Jerónimo de Sousa a sair da extrema onde estava acantonado ou aguardamos pela "palavra dada–palavra de honra" dos comunistas e pelo momento em que vai ser o próprio Bloco de Esquerda, pela sua natureza de "saco de gatos", a pôr um ponto final na maioria de esquerda que "criou"?


[A imagem é minha]

 

 

 

 

||| A derrota de Warhol

por josé simões, em 08.11.15

 

Warhol.jpg

 

 

«In the future everyone will have their fifteen minutes of fame». Álvaro Beleza já vai com 15 dias.