Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

|| "A Europa tem que flexibilizar algumas das suas regras"

por josé simões, em 13.12.12

 

 

 

"não é aceitável que, em prol da nossa política ambiental ou política comercial, a Europa tenha perdido indústria desnecessariamente para outras partes"

 

[Imagem "BP's newGulfofMexico Beach Resort Comein crude, go home refined", autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| A herança que deixamos às gerações vindouras

por josé simões, em 10.12.12

 

 

 

Só temos um problema com a herança que deixamos às gerações vindouras ao nível da dívida contraída com o investimento em infra-estruturas rodoviárias, ferroviárias e aeroportuárias, ou infra-estruturas para a saúde e educação. Quando toca à protecção da natureza e do meio ambiente as gerações vindouras podem muto bem [tentar] sobreviver num país saqueado e sem qualidade [de]vida que daí não vem grande mal ao mundo. Ao mundo dos mortos, que é como vão estar, no médio/ longo prazo, mesmo com o aumento da esperança de vida, todos os que apostaram na industrialização por cima de toda a folha verde, ignorando e desrespeitando regras ambientais atrás do lucro rápido e das mais-valias colossais, escudados no argumento do crescimento e da criação de emprego. Sabem perfeitamente disso e quem vier atrás que feche a porta.

 

Não lhe passou pela cabecinha fazer da Europa, como ainda acontece com a democracia e os direitos humanos, um bloco de pressão pelo respeito e defesa da natureza e do ambiente, do ar que respiramos, da água dos rios e dos oceanos com que nos banhamos, das florestas e dos habitats, da qualidade de vida que deixamos como herança às gerações vindouras.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| "muito más"

por josé simões, em 26.11.12

 

 

 

Depende do ponto de vista. Do da sociedade que vai receber de mão beijada um hotel velho novinho em folha pronto a estrear a explorar e a facturar, e que por acaso e só por acaso é uma sociedade de capitais alemães, de certeza que não é um mau negócio… "Reconstruir um hotel velho no Algarve…". Pornografia.

 

 

 

 

 

 

 

 

|| Medo

por josé simões, em 16.10.12

 

 

 

Se nos limitarmos a um estudo, pela fisionomia, expressões faciais, tom de voz e ritmo do discurso, de dois dos ministros deste nosso Governo e titulares de pastas cruciais para uma boa governação, o ministro Vítor Gaspar nas Finanças e o ministro Álvaro Pereira na Economia, um olhar vazio e um rosto sem exprimir sentimentos, aliado a um discurso embrulhado em termos técnicos e com um ritmo discursivo monótono, com o pitch calibrado no -8, no primeiro caso; um olhar azougado combinado com um sorriso lunático, e um discurso errante e repleto de bordões linguísticos e de expressões anafóricas, no segundo caso, e, em ambos os casos, imbuídos de um espírito de cruzada, portadores da luz e da salvação [exemplo], a gente fica, no mínimo cheiinha de medo. Não acho que seja necessário recorrer a exemplos na história recente da Europa, mas que há um padrão comum a outras personagens, noutros tempos, noutras latitudes, que levaram nações ao caos e à desgraça, lá isso há. Medooooo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Conta-me como foi

por josé simões, em 29.06.12

 

 

 

Ainda sou do tempo em que havia sempre uma boa razão, um descontentamento mais que justificado, um povo injustiçado, em última instância, a liberdade de expressão e de manifestação e "fascismo nunca mais!", para os assobios a José Sócrates, Augusto Santos Silva, Correia de Campos, Maria de Lurdes Rodrigues, e que me perdoem os que ficaram esquecidos. Mas agora há o memorando para além do entendimento, e o desmantelamento do Estado entre o inner circle patronal empresarial próximo da elite dos partidos do "sentido de Estado", e a imagem que passamos de nós para os outros já cá dentro, que de lá do estrangeiro nos vieram salvar a juros de pele e osso.

 

[Imagem de Peter Hapak]

 

 

 

 

 

 

|| O Coiso

por josé simões, em 18.05.12

 

 

 

O pior é o "e tal, bago de uva". Digo eu.

 

[Via]

 

[Na imagem Vincent Price em The Tingler, 1959]

 

 

 

 

 

 

|| O dia a seguir ao Dia das Mentiras

por josé simões, em 02.04.12

 

 

 

Em Espanha, a linha com bitola de 1,435 metros, que é 23 centímetros mais curta que a bitola ibérica, [só] começa em Barcelona…

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Sinais

por josé simões, em 17.03.12

 

 

 

Confesso que não li a entrevista do ministro da Economia e Emprego, Santos Pereira que já foi Álvaro, ao Expresso. Bastou-me a fotografia que a ilustra. No seu ministerial gabinete, ou no que é suposto ser o seu ministerial gabinete, uma bandeira portuguesa, uma bandeira da União Europeia, e uma mesa de jogo com um candeeiro de luz mortiça. Se uma imagem vale mil palavras, toda a "palha" que enche as páginas do semanário era dispensável. É assim que é decidido o futuro [?] da economia nacional, à mesa do jogo, na penumbra. «sinto que o que estamos a fazer incomoda». A mim incomoda.

 

 

 

 

 

 

|| Na falta de melhor argumento vai-se buscar a rotunda

por josé simões, em 16.03.12

 

 

 

A rotunda é uma solução barata de engenharia: facilita a fluidez do trânsito em cruzamentos complicados, serve de travão artificial a velocidades excessivas em zonas habitacionais, e é muito mais barata que uma instalação de semáforos, que a construção de cruzamentos desnivelados ou túneis e, quando aliada a projectos de arquitectura e design, contribui para a qualidade de vida das populações. Não consigo perceber qual é problema com as rotundas…

 

[Na imagem The Magic Roundabout,Swindon,England]

 

 

 

 

 

 

|| Santos Pereira, Alvaro’s issues

por josé simões, em 05.03.12

 

|| A oeste nada de novo

por josé simões, em 04.03.12

 

 

 

Em tempo de vacas gordas e de distribuir dinheiro a rodos o ministro da Economia tem a importância que tem, em tempo de vacas magras e de cortar a eito o ministro da Economia tem a importância que tem.

 

Já da Economia e das Finanças ficarem nas mesmas mãos dizem que é má aposta e que dá mau resultado.

 

[Imagem “Men working the floor at the Merchandise Mart, Stanley Kubrick,Chicago, 1949]

 

 

 

 

 

 

|| Spam

por josé simões, em 23.02.12

 

 

 

Enlarge your penis

 

 

 

 

 

 

 

|| Para bom entendedor meia palavra basta, vox populi

por josé simões, em 26.01.12

 

 

 

Os novos castelhanos andam aí, é a V Dinastia ou a Dinastia dos Mercados. A igreja regressou em força mascarada de IPSS. Dia da Restauração da Independência e dia da implantação da República. Há mais povo que Miguéis de Vasconcelos.

 

 

 

 

 

 

|| Suicidas

por josé simões, em 18.01.12

 

 

Apelidar de "dia histórico" a espoleta que pode detonar o período de maior instabilidade [social, política e económica] da história da jovem democracia portuguesa e, com indisfarçado orgulho, dizer que se foi ainda mais longe que o acordado com a troika, num documento aprovado com falta de quórum, revela, no mínimo, total desconhecimento daquilo que se anda a fazer e um enorme défice de sentido de responsabilidade ou, deitando mão de um termo caro aos protagonistas, falta de sentido de Estado.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Um Governo de pastéis

por josé simões, em 16.01.12

 

 

 

Há mais de 30 anos, ou há 30 anos atrás como agora se usa, andava o nosso primeiro-ministro a frequentar o curso de aprendiz de feiticeiro e o ministro da Economia a jogar ao berlinde, ido de Portugal, com uma mão à frente e outra atrás, o senhor Carlos abriu em Portobello, Londres, mesmo na rua em que Notting Hill, com Hugh Grant e Julia Roberts, foi filmado, e à época uma espécie de Zona J lá do sítio, o café Lisboa, a vender galões, bicas, pastéis de nata e outra doçaria tradicional portuguesa, e, mesmo em frente, do outro lado da rua, uma mercearia portuguesa, com bacalhaus na porta e tudo.

 

E fez uma casa que, sendo frequentada por portugueses, não é ponto de encontro da comunidade portuguesa, é universal e cosmopolita numa cidade com mais de 10 milhões de habitantes. E, mais importante, não precisou do Governo português para nada, nem de um ministro da Economia idiota [do grego idiótes, o homem privado - em oposição ao homem de Estado, ou público], sublinhado e assinado por baixo por um primeiro-ministro não menos idiota.

 

[Na imagem print screen do Google Earth com a localização do café Lisboa e do café Porto, também propriedade de um emigrante português. Logo a seguir à curva, no canto superior direito, fica a sede do Sporting, mas como não há cidades perfeitas…]