Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| "Assim se vê a força que tem o PC"

por josé simões, em 29.11.15

 

fogo sobre o CDS.jpg

 

Assim mesmo, como se usava, antes de ter perdido o "que tem o" para "do". É o spot promocional que a televisão pública passa em tudo o que é intervalo e separador para depois remeter para o site "A história da extrema-esquerda em Portugal". PCP igual a "extrema-esquerda" no canal público de televisão, repetindo a lengalenga que o pensamento único dominante repete a todas as horas, em todos os espaços de comentário político, em todas as televisões e escamoteando o papel que os comunistas portugueses tiveram na estabilização e consolidação do sistema político, até mesmo como força de contenção à dita extrema-esquerda. E quando a RTP resolver fazer a história da extrema-direita em Portugal abre o spot promocional com imagens do famoso cerco ao congresso do CDS no Porto?


[A imagem é do site]

 

 

||| O mundo ao contrário

por josé simões, em 07.10.15

 

vítor bento.jpg

 

 

[Via]

 

 

 

 

||| Resumo da jornada

por josé simões, em 17.09.15

 

Thomas Michael Alleman.jpg

 

 

O país onde em 4 anos o nível de vida das famílias regrediu para níveis da década de 90 do século XX; o país onde em 4 anos o combate à pobreza regrediu uma década; o país onde em 4 anos a economia regrediu 30; o país onde em 4 anos a emigração regressou a níveis dos anos 60 do século XX; o país mais desigual da União Europeia não deve, não pode, votar em mais ninguém que não na coligação PSD/ CDS contra o risco de deitar tudo o que em 4 anos foi conquistado e adquirido a perder. E estamos nisto.


[Imagem de Thomas Michael Alleman]

 

 

 

 

||| Arroz de tomate e pescadinhas de rabo na boca

por josé simões, em 17.09.15

 

We_by_ixabar.jpg

 

 

O sobrinho de Dias Loureiro entrevista o homem que elogia Dias Loureiro.


[Imagem]

 

 

 

 

||| "E esta, hein?!"

por josé simões, em 28.01.15

 

fernando pessa.jpg

 

 

Disse que na Grécia houve condenados por corrupção no caso dos submarinos. E na Alemanha também, podia ter acrescentado. Adiante. E que os manhosos dos gregos fogem ao fisco. Ricardo Salgado esqueceu-se de declarar 8,5 milhões de euros. Em Portugal. Adiante. Que na Grécia há uma piscina em cada telhado e em cada quintal e em cada logradouro, para já não falar nas que existem nas vivendas e nos condomínios fechados e nas quintas e nos quintais. Adiante. E não eram anedotas sobre montes no Alentejo e no Algarve com piscina e jipes e barcos de recreio e segundas habitações e de casas de turismo rural e de habitação que estão o ano todo com ocupação a 100% , que é de subsídios que falamos também. Adiante. Assim como é de subsídios que falamos quando não disse se na Grécia há empresas formadas para formar pessoal da aviação com subsídios da Europa dos alemães e ongues para formar costureiras no bairro dos pretos e universidades, na terra deles também, também com o dinheiro dos alemães da Alemanha da Europa. Adiante. Não falou de férias pagas por banqueiros a políticos e governantes. Se calhar não teve tempo ou ninguém lhe contou. Adiante. Nem falou de associações de bandidos e malfeitores com nomes de bancos formadas por ilustres do arco e balão da governação. Se calhar na Grécia não há.. Adiante. Nem de mais-valias com acções em empresas não cotadas em bolsa. Adiante. Nem de misteriosas permutas de casas e de não menos misteriosas escrituras desaparecidas. Adiante. A Grécia é um país do caralho. Só lhe faltou terminar a peça com um "e esta, hein?!"


[Fernando Pessa na imagem]

 

 

 

 

||| As aventuras do ministro para a RTP nas caixas de comentários dos jornais online

por josé simões, em 21.12.14

 

musical jolly chimp.jpg

 

 

Ao invés de andar por aí, com a complacência dos "jornalistas", a dizer baboseiras ao nível dos comentários nas caixas de comentários dos jornais online, devia o ministro explicar ao contribuinte se o dinheiro do contribuinte, ganho pela RTP com a transmissão dos jogos da Liga dos Campeões, chega para pagar a indemnização a Alberto da Ponte e ao restante Conselho de Administração, ou se a indemnização vai ser paga pelo bolso da incompetência dos ministros do Governo.


É que quando é prejuízo é sempre "o dinheiro do contribuinte" ou "o dinheiro dos impostos dos cidadãos" ou "o bolso dos portugueses" mas, quando toca a lucro, nunca é "o lucro do contribuinte", quando é ganho "o bolso do cidadão" nunca entra na equação, é "uma coisa qualquer" que se esfuma no abstracto.


«Quem tem mais influência sobre o Conselho Geral da RTP? Para Poiares Maduro é o Bloco de Esquerda»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Uma administração naïf

por josé simões, em 16.12.14

 

 

 

Uma administração naïf que não percebe que a RTP não é para ser rentável nem viável nem para concorrer em pé de igualdade com as televisões privadas;


Uma administração naïf que não percebe que a RTP não é para promover nem para prestigiar, antes pelo contrário, é para descredibilizar ao olhos das audiências até ao ponto em que a opinião pública seja maioritariamente a favor da privatização que há-de ser pelo preço da uva mijona que os “investidores” a mais não estão dispostos por uma empresa que vale zero;


Uma administração naïf que nem sequer soube ver que foi nomeada e empossada por um Governo público ao serviço dos interesses privados:


«De acordo com um estudo de viabilidade pedido pela estação pública, o retorno ascende a 5,8 milhões de euros por ano, 2,8 de publicidade e 3,3 milhões de custos de oportunidade.


A transmissão da Liga dos Campeões "é rentável e sustentável para a RTP"»

 

 

 

 

||| Da cobardia

por josé simões, em 04.12.14

 

Art Basel - Florida - Miami - PixelPancho.jpg

 

 

Como se não bastasse “a incompetência do fanatismo ideológico que nos governa” há ainda, a rematar, a cobardia dos fanáticos que nos governam.


Não fomos nós [eles, Governo], foi o Banco de Portugal e o seu Governador, Carlos Costa.


Não fomos nós [eles, Governo] foi o Conselho Geral Independente e o seu presidente, António Feijó.


Nem as crianças.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Tudo resumido

por josé simões, em 03.12.14

 

do_your_best_linen_banner.jpg

 

E se dúvidas ainda houvesse, a RTP não é para ser financeiramente equilibrada e sustentável, o serviço público de televisão nunca foi uma variável da equação, a RTP é para desmantelar e destruir, sair da frente e não atrapalhar [por concorrer em pé de igualdade com] as televisões privadas. A verdadeira face do Governo da direita, eleito em eleições livres e democráticas: ao serviço dos interesses privados em prejuízo do interesse público.


«Governo aceita demissão de Alberto da Ponte da RTP»


[Imagem]

 

 

 

 

||| A incompetência do fanatismo ideológico que nos governa

por josé simões, em 02.12.14

 

Werner Egels.jpg

 

 

O Conselho Geral Independente [lol], nomeado pelo Governo para a RTP, tem carta branca, do Governo que o nomeou, para demitir Alberto da Ponte, presidente nomeado pelo Governo para a RTP, por cumprir um despacho do Governo para a RTP, assinado pelo ministro Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional do Governo e com a tutela da Comunicação Social.


[Imagem]

 

 

 

 

||| O "Tribunal Constitucional" da RTP

por josé simões, em 02.12.14

 

tv.jpg

 

 

Descontando aquela parte do Conselho Geral Independente da RTP ser de nomeação governamental [do Governo que acha que os juízes do Tribunal Constitucional devem corresponder aos anseios da maioria que os nomeou], em alternativa à nomeação por dois terços da Assembleia da República, "o que não garantia pessoas genuinamente independentes mas antes pessoas de nomeação multipartidária" [não, não estou a gozar], não percebo como é que no affair Liga dos Campeões aparece sempre, mas sempre, em letras gordas os 18 milhões de euros pagos pela RTP e nunca, mas nunca, o quanto a empresa vai ganhar em audiências, as previsões das receitas com a publicidade e com os direitos de retransmissão e resumos, como se Alberto da Ponte, que era o melhor gestor do mundo e arredores, apesar de ter passado a vida a vender Heineken e Schweppes, passasse, em menos de um fósforo, a gestor incompetente e irresponsável.


A ideia não é ter um serviço público de televisão, com qualidade, uma empresa sustentável e competitiva, a ideia é destruir e desmantelar a RTP para dar margem e receita às televisões privadas.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Mas isso sou eu que vejo política em tudo, claro

por josé simões, em 27.11.14

 

alentejo.jpg

 

 

Justiça poética é o Cante ser declarado património da humanidade precisamente no dia em que morre quem mais ignorou o Alentejo, as suas gentes, a sua cultura e as suas tradições. Mas isso sou eu que vejo política em tudo, claro.

 

 

 

 

||| O lucro é bom. Alínea a)

por josé simões, em 21.11.14

 

 

 

 

E a esquerda tem fobia e horror ao lucro e estigmatiza o lucro e condena quem ousa ter lucro e negócios que dão lucro e o coise e tal. À falta de melhor argumento para contrapor e como justificação mal-amanhada ao por-cima-de-toda-a-folha e vale-tudo-e-até-arrancar-olhos neoliberalista, em prol da mais-valia do patrão e do accionista, é lengalenga que os ideólogos de Pedro Passos Coelho e os apóstolos de Paulo Portas costumam atirar à cara dos oponentes em qualquer frente-a-frente ou debate ou fórum nas televisões e nas rádios. Mas como a mentira tem perna curta e, ao contrário do que dizem, uma mentira não passa a verdade mesmo que mil vezes repetida, basta introduzir na equação uma empresa pública, num concurso público, em pé de igualdade com outras privadas da mesma área, para se perceber que há lucro e lucro e lucro mais lucro do que o lucro, quem na realidade tem fobia e horror ao lucro e estigmatiza o lucro e condena quem ousa ter lucro e negócios que dão lucro, numa empresa pública, de serviço público, gerida por um privado – o supra-sumo da gestão que ia acabar com o regabofe e com o despesismo, de nomeação governamental, do Governo que luta, contra a esquerda, pelo lucro, e que faz contas - outra coisa que a esquerda não sabe fazer, o argumento a seguir ao argumento do lucro, e que percebe que as receitas em publicidade e revenda de direitos compensam o investimento na compra.

 

Da próxima vez que os ideólogos de Pedro Passos Coelho, os apóstolos de Paulo Portas - e os próprios, vierem, enfunados, com a máxima reluzente de que “o lucro é bom” acrescentamos à frente "alínea a)".

 

 

 

 

 

 

 

||| Mais máximas salazarentas

por josé simões, em 23.06.14

 

 

 

"o calado vai longe", "a minha política é o trabalho", "tu não queres trabalho, queres emprego", "estás cá é para trabalhar, para pensar está o chefe" e, por contraponto ao "quem quer trabalhar arranja sempre trabalho" havia a subversiva, do reviralho, "o trabalho não azeda".

 

«Quem trabalhar não tem receios. Vai ter sempre lugar na RTP». Sim, chefe.

 

 

 

 

 

||| República Popular da Coreia

por josé simões, em 10.06.14

 

 

 

O Presidente é o da República.

O Presidente é, ou pelo menos deveria ser, o de todos os portugueses.

A cerimónia é pública e quer-se de cariz popular.

O dia é o de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, para o povo, o Dia da Raça para o Presidente.

A televisão é o canal público e presta, ou pelo menos deveria prestar, um serviço público de televisão.

Na hora do presidencial fanico desviam as câmaras e mostram uma paisagem de fardas e de botas da tropa.

Já chegámos à Coreia?