Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

|| José Pacheco Pereira

por josé simões, em 01.10.09

 

 

 

«as enormidades de que fala o JPP... Hm... Eu não sabia que ele gostava do Polga... *blushing, olhos no chão, um pé desenhando riscos*»

 

Marta Spínola aka Pinilla

 

(Na imagem The Original Inspiration For Batman’s Joker, German Actor Conrad Veidt)

 

 

 

|| Da Campanha

por josé simões, em 24.09.09

 

 

 

Agora, e uma vez que António Vilarigues também é «colunista do jornal», ficamos todos à espera da presença do senhor director marque presença numa acção de campanha da CDU. Mas tem de ser rápido que a campanha acaba já amanhã à meia-noite.

 

(Imagem Hulton Deutsch via Collection Corbis)

 

 

 

 

|| Escutas com interferências

por josé simões, em 22.09.09

 

 

 

Quando disse o que disse não foi aquilo que nós pensámos que queria dizer. A senhora “verdade” é lá capaz dessas coisas. Nem uma coisa tem, teve, ou poderá ter a ver com a outra.

 

E como diz o povo, quando o barco vai ao fundo os primeiros a fugir são os ratos.

 

(Imagem Amplifiers at Bolling Field, 1921.Two giant horns with ear tubes, evidently designed to listen for approaching aircraft. Via National Photo Co.)

 

 

 

|| A fuga para a frente

por josé simões, em 15.09.09

 

 

 

O problema da senhora não é o meter os pés pelas mãos, versão Pachequiana «enreda-se… tropeça… Manuela Ferreira Leite tem direito a uma interpretação especial», não é o cometer os erros –  toda a gente comete –, não é o dizer umas gafes –  toda a gente diz –, não. O problema é depois ensaiar fugas para a frente por falta de humildade política em reconhecer os erros e por ter dito aquilo que não devia, como no caso do TGV.

 

E o problema deste PSD são as pessoas – cultas e com um nível intelectual elevado – do círculo próximo à líder, arranjarem as desculpas, as explicações e os argumentos mais mirabolantes que se possam imaginar, para justificar a fuga.

 

A explicação no entanto é simples: a possibilidade, ainda que remota, da conquista do Poder e a consequente distribuição de benesses.

 

“Estado a mais”, o quê?!

 

(Imagem El corredor Manuel Pólo, La Cruz de Ceares, Gijon, España)

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 09.07.09

 

 

 

“Vamos rasgar e romper com todas as soluções que têm estado a ser adoptadas em termos de política económica e social”

 

"Não há nenhuma medida anunciada por este Governo com a qual eu discorde. Eu nunca disse que rasgaria políticas sociais. Não há nenhuma medida a que o PSD se tenha oposto ou que tenha criticado sequer".

 

Ou a senhora está apostada em dar razão àqueles que dizem que o PS está a implementar as medidas políticas que o PSD gostava de ter implementado e por falta de coragem nunca foi capaz de fazer; ou a senhora não diz coisa com coisa; ou isto é linguagem cifrada e vamos precisar de um decifrador de hieróglifos laranja para que se perceba exactamente o alcance das palavras.

 

Seja como for, isto é para levar a sério?

 

(Image from Tim Burtons Alice in Wonder Land, Disney)

 

|| O índice do situacionismo

por josé simões, em 29.06.09

 

 

 

Não ter vergonha nenhuma na cara é Pacheco Pereira usar um programa de televisão para fazer exactamente aquilo que passa a vida a criticar e a apontar aos outros: condicionar a informação consoante a sua agenda política. Está encontrado o herdeiro de Arnaldo Matos como “Educador da Classe Operária”.

 

Dois em um: a 3 meses de eleições promove amigos e camaradas e malha no PS e no primeiro-ministro. Diz o povo que “quem espera sempre alcança” e Pacheco Pereira alcançou finalmente o seu “momento Chávez”.

 

(Na imagem a loira do regime de então: Monroe In Bed, 1953, by Andre De Dienes)

 

 

|| As loiras que não são burras

por josé simões, em 22.06.09

 

 

 

É preciso andar muito a leste do dia-a-dia da política nacional para achar desproporcionada a reacção de Pacheco Pereira à primeira página do i.

 

Não foi Pacheco Pereira um dos principais artífices da candidatura de Manuela Ferreira Leite à liderança do PSD?

Não é Pacheco Pereira um dos “ideólogos” da estratégia da líder do PSD?

Não foi Manuela Ferreira Leite que disse: "Não pode ser a comunicação social a seleccionar aquilo que transmite"?

 

Como diz “a outra” da anedota: Por esse preço querias o quê; camarão?

 

(Imagem John Springer Collection via Corbis)

 

 

 

 

 

|| Rock 'n' Roll Suicide (*)

por josé simões, em 16.06.09

 

«Precisa de escolher listas de deputados qualificadas, constituindo equipas com gente velha e nova, mas que seja reconhecida pelo país, pelos grupos profissionais, pelas elites e pelo homem comum, pelos que precisam de melhor política, como dedicados, capazes, impolutos e estando ali pelo interesse público.»

(Link)

 

Vira o disco e toca o mesmo

 

(*) –  «"Rock 'n' Roll Suicide" is a song by David Bowie, (…) It detailed Ziggy’s final collapse as an old, washed-up rock star and, as such, was also the closing number of the Ziggy Stardust live show.» (Negrito meu)

 

Banda sonora do dia

 

 

|| Da Hidrofobia

por josé simões, em 15.06.09

 

«A raiva ainda anda só pelo Twitter e não tem coragem de vir à luz, mas virá.»

 

Um historiador que, mais do que ignorar, tem “raiva” ao fenómeno Twitter, não é historiador nem nada. É um contador de estórias. Deus tenha piedade da sua alma.

 

(Exemplo I; Exemplo II)

 

A vacina contra a Raiva foi aprovada pela Academia de Medicina de Paris em 15 de Agosto de 1884.

 

|| Abrupto!

por josé simões, em 24.05.09

 

Proletários de todos os países UNI-VOS!

O Abrupto vai mudar de nome. Vai passar a ser Abrupto!

 

(Às 23 horas eram 107 – cento e sete – 107 as fotos, Às 24 horas ia em 158 – cento e cinquenta e oito – 158. E dura, dura, dura, dura…)

 

(Imagem fanada no New York Times)

 

 

 

 

“Presos políticos”

por josé simões, em 19.03.09

 

«Tudo na longa manutenção de prisão preventiva de Mário Machado é estranho e aponta para razões puramente políticas, o que é inadmissível numa democracia.»

 

Pacheco Pereira no Abrupto em17 de Setembro de 2007

 

«Suspeitas de ofensas corporais qualificadas, incluindo um tiro na perna de um membro do grupo motard Hell's Angels, foram o motivo que levou a Polícia Judiciária a deter esta quarta-feira Mário Machado.»

 

Sol, edição on-line

 

A História está repleta de exemplos de delinquentes e bandidos que saíram directamente do submundo para o activismo político, ou que usaram o activismo político como capa para as actividades fora da Lei.

 

Mas quem sou eu para dar lições de História a um historiador? Para mais quando ele gosta da vestir a pele que veste.

 

(Foto de Paul Taggart)

 

O Mundo (deles) É Ao Contrário

por josé simões, em 10.02.09

 

 

Introduzi umas pequenas-grandes alterações ao post roubado a Pacheco Pereira:

 

«Classificar, nomear, chamar um nome é um poder. Em Portugal ninguém tem problemas em chamar à extrema-esquerda, extrema-esquerda. Mas nunca se chama à extrema-direita, extrema-direita. Mas ela existe, é o CDS/ PP. O discurso de Portas é um típico discurso de extrema-direita como ela é hoje. Tem as mesmas ideias do passado, a mesma visão da sociedade, a mesma mescla ideológica, mas não usa os rótulos e não quer que ninguém os use. A comunicação social situacionista também os evita com muito cuidado.»

 

Isto só para dizer que o que me preocupa a mim é que José Sócrates «possa vir a ficar refém» do CDS e de Paulo Portas.

 

Ou se calhar isto resume-se tudo a uma questão (de uso) de gravatas…

 

(Foto de Guglielmo Sandri)

 

 

 

Passado antifascista

por josé simões, em 08.02.09

 

Eu também tenho um passado antifascista.

Tinha para aí 9 ou 10 anos de idade e costumávamos ir brincar “ao Bonanza” para um descampado próximo lá de casa. Um dia chegámos e encontrámos o descampado coberto por um manto de papéis com um palavreado estranho e com um símbolo no cabeçalho: uma foice e um martelo.

 

Levei uns quantos para casa, o meu pai e a minha mãe leram e depois – coisa estranha! – puxaram-lhes fogo que “é por causa das moscas”; justificaram.

 

Como podem ver, também andei a lutar contra a ditadura. Não me consigo é lembrar do debate Nixon – Kennedy.

 

A Traição

por josé simões, em 01.02.09

 

Anda Pacheco Pereira há mês e meio - pelo menos - a malhar no Diário de Notícias por causa da alegada promoção que o jornal sistemática e programadamente tem vindo a fazer a Pedro Passos Coelho (PPC), e não é que o Público resolve oferecer com a edição de hoje uma revista com o PPC na capa?!

Plenitude, de nome; bem estampado ao nível da cabeça de PPC. Plenitude! Isto não se faz. Pacheco Pereira não merecia esta traição da parte de José Manuel Fernandes.

 

«Verdades até então ocultas»

por josé simões, em 30.01.09

 

Naquele célebre e histórico dia em que Pacheco Pereira foi director do Público, a propósito da trapalhada do Casino Lisboa com Telmo Correia, obrigou os meninos na Redacção a fazer, e passo a transcrever:

 

«(…) uma cronologia relacional, exaustiva de todo o processo. Reunir todos os documentos, todas as datas, todas as declarações, todas as notícias dos jornais, e com isso desenhar um gráfico, um mapa. Depois procurar as falhas, os espaços em branco, os dados contraditórios. No fim, extrair conclusões. Verdades até então ocultas: notícias. É um método da ciência histórica»

 

O que se tem verificado com os recentes acontecimentos, é que os meninos à roda da Redacção esqueceram rapidamente os ensinamentos; o prof. Pacheco Pereira à roda do Abrupto ignora ostensivamente o que tentou ensinar com tanto esmero.

 

Como já aqui escrevi, faça-se a investigação a partir desta base de trabalho: qual a razão para que num distrito com uma área de 5064 km² (8º maior distrito português), se escolhe um concelho com 128 km² de área, para construir um centro comercial, e precisamente numa ZPE?

 

(Na imagem o distrito de Setúbal; o Freeport fica lá em cima, sensivelmente a pé das letras OC de Alcochete)