Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 20.12.13

 

 

 

Os madeirenses viviam lá as suas vidinhas, muito bem descansados no meio dos peixes e dos passarinhos com as partes pudicas descobertas, chegaram os portugueses nas suas naus, ergueram um padrão, hastearam uma bandeira, construíram uma igreja, e meteram toda a gente a trabalhar o trabalho escravo para eles, os malandros:

 

 

«O responsável declarou que o programa de ajustamento económico e financeiro imposto à Região foi «indecente (...) depois do Estado português ter retirado da Madeira o que retirou durante cinco séculos e meio (...), como se não fosse Portugal».

«Isso foi indecente e foi mais um episódio do colonialismo aqui na Região Autónoma da Madeira», reforçou.»

 

[Imagem, Clara Bow in clown costume for Dangerous Curves, 1929]

 

 

 

 

 

 

|| O cão de Pavlov

por josé simões, em 07.11.13

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 21.09.13

 

 

 

O presidente da única região em Portugal onde o dia 25 de Abril nunca foi comemorado nem sequer assinalado.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Psicopatas no poder

por josé simões, em 09.09.13

 

 

 

O dia em que ficámos a saber que uma micro alga tóxica é mais eficaz na protecção da reserva natural das ilhas Selvagens, contra os ataques predadores da frota castelhana do que a fiscalização portuguesa e o fechar de olhos das autoridades espanholas, é o mesmo dia em que ficámos a saber que a Gambierdiscus toxicus não consegue proteger a nossa zona económica exclusiva da cegueira ideológica dos psicopatas actualmente no poder, e que, à mingua de empresas públicas para privatizar saquear, porque não nascem do chão como os cogumelos e porque o "investimento privado" requer muito investimento privado, se propõem agora saquear privatizar o património natural comum.

 

Parafraseando José Saramago: "Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo... e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos."

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 18.08.13

 

 

 

Há 35 anos consecutivos no poder, sem cuidar do ordenamento do território e da prevenção, culpa o governo central por não haver "pena de morte" ou "prisão perpétua" nas Ilhas Adjacentes.

 

Só já falta dizer que os bandidos e criminosos vieram do cont’ nente, o que até seria uma narrativa credível, mais, muito mais credível, e que não pode/ pôde ser usada nas cheias de 2010 e nas suas dezenas de mortes, vítimas de mesmo desordenamento do território e da mesma política de desenvolvimento, não sustentável e inimiga do ambiente.

 

[Imagem "Scary Clowns Halloween Parade in New York City", Gonzales Photo]

 

 

 

 

 

 

|| "Quando alguém nasce, Nasce selvagem, Não é de ninguém, De ninguém, lai-lai-lai"

por josé simões, em 16.07.13

 

 

 

Palavras-chave: Cavaco Silva + Ilhas Selvagens + epicentro + crise.

 

Isto em Cavaquês, e nas entrelinhas, deve querer significar alguma coisa. Deve. Mas como nem as pitonisas, oficiais e oficiosas, se atrevem deitar a adivinhar resta-nos esperar por um prefácio.

 

Ou então podemos começar por aqui:

 

«Mais do que a um país, que a uma família ou geração, Mais do que a uma passado, Que a uma história ou tradição, Mais do que a um partido, que a uma equipa ou religião, Tu pertences a ti, Não és de ninguém». Lai-lai-lai também. E resistência.

 

[Na imagem Larry, the Anaconda, personagem de The Wild]

 

 

 

 

 

 

|| Calma!

por josé simões, em 01.07.13

 

 

 

Quem o garante é o líder regional José Manuel Rodrigues, não o líder nacional Paulo 'Viriato' Portas, herói da luta contra a ocupação estrangeira. Continua assim a haver espaço para a "ginástica olímpica".

 

«Paulo Portas vetará entrega da RTP Madeira a Jardim»

 

[Imagem "Orange, Virginia, circa 1910, Woodberry Forest Gym Team" by Harris & Ewing]

 

 

 

 

 

 

|| Um fascista velho. Um velho fascista

por josé simões, em 20.06.13

 

 

 

O sobrinho e afilhado do representante da Acção Nacional Popular na ilha adjacente da Madeira e director do jornal Voz da Madeira, onde se arranjou um lugarzinho para o jovem escrevinhar umas crónicas a enaltecer o fascismo, depois de concluído o curso, à rasquinha e depois de muito tempo, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, confortavelmente hospedado numa casa da Mocidade Portuguesa, dispensado que foi de combater na Guerra Colonial e colocado num quartel da ilha adjacente da Madeira, departamento Acção Psicológica Militar, graças a uma vaga caída do céu e que lhe permitia dar aulas no liceu [há gente com muita sorte na vida], como ia a dizer, o sobrinho-afilhado quer fazer com as greves o que se deixou de fazer com as greves logo a seguir ao dia 25 de Abril de 1974, quando os sobrinhos-afilhados e os seus tios e pais e mães foram metidos no devido lugar.

 

[Na imagem Alberto João Jardim com a t-shirt da organização terrorista FLAMA]

 

 

 

 

 

 

 

|| Insultar a inteligência dos portugueses

por josé simões, em 25.11.12

 

 

|| Tecnoforma reloaded

por josé simões, em 25.11.12

 

 

 

«apontou os problemas do mau aproveitamento dos fundos comunitários, considerando que "muita gente supôs que se podia viver de forma contínua acima das suas possibilidades e construíram-se muitas infraestruturas que se calhar não eram muito necessárias

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O pote das ilhas adjacentes

por josé simões, em 04.11.12

 

 

 

Passou despercebida na generalidade da comunicação social, e na blogocoisa, a declaração de derrota de Alberto João Jardim, desvalorizando e atribuindo a expressiva votação em Miguel Albuquerque, nas directas para o PSD-Madeira, a um hipotético descontentamento devido aos acessos ao porte se encontrarem vedados a quem nunca deu o corpo ao manifesto pelo partido nas ilhas:

 

«houve aqui uma divisão entre o PSD militante, que esteve em todas as acções desde o início da sua fundação, e um PSD que talvez, que estava inscrito, que nunca se viu chamado para atribuição de algumas funções e que portanto estava descontente com a condição política»

 

Pode ser que sim pode ser que não, certo é que tudo isto acontece num altura de crise, recessão, depressão e austeridade, com o país e a Região Autónoma sobre resgate financeiro, e que estamos a falar de um universo de 3859 militantes do partido, 1644 deles, a fazer fé nas declarações de Jardim, homeless partidários, excluídos do pote da promiscuidade entre Governo regional e empresas propriedade, ou com ligações a membros do Governo e à elite dirigente do PSD-Madeira, para uma população total de 267.785 de habitantes. Cada um que tire as suas conclusões sobre a autonomia regional desde 17 de Março de 1978.

 

[A imagem é de uma instalação de Ron Terada e um conselho aos hipotéticos 1644 homeless partidários, partidários de Miguel Albuquerque]

 

 

 

 

 

 

|| Não explica tudo mas ajuda a perceber

por josé simões, em 15.10.12

 

 

 

Nos alvores do séc. XXI, numa época dominada pelo Facebook, pelo Twitter, e pelo Istagram, da televisão no telemóvel, da partilha da informação, da informação à roda do planeta, em segundos e ao alcance de um click.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Octophant

por josé simões, em 26.09.12

 

 

 

Com a benção do Governo do Cont’ nente, o Octophant, verdadeiro e ao vivo, ou como Alberto João Jardim já não está sentado ao lado de Paulo Rangel.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Avante camarada!

por josé simões, em 25.09.12

 

 

|| Já ontem era tarde

por josé simões, em 21.08.12

 

 

 

E caso seja necessário confirmar resultados, fazer também, no Cont’ nente e ao contribuinte português, sobre a independência das ilhas adjacentes:

 

«O presidente do governo regional da Madeira, Alberto João Jardim, desafiou hoje o Estado português a realizar um referendo na Madeira sobre a autonomia.»

 

[Imagem]