Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

|| Eu hoje acordei assim

por josé simões, em 05.03.13

 

 

 

 

 

 

 

|| Eu hoje acordei assim

por josé simões, em 03.12.12

 

 

 

 

 

 

 

|| Praga, 21 de Agosto de 1968

por josé simões, em 21.08.12

 

 

 

[Imagem Ladislav Bielik, The End of the Prague Spring]

 

 

 

 

 

 

|| Parentes pouco recomendáveis

por josé simões, em 06.07.12

 

 

 

A maior parte dos "partidos irmãos" que sobraram da família ideológica do PCP depois do desmoronamento da URSS e do Bloco de Leste é daquele tipo de parentes que as famílias comuns se recusam a receber em casa e de quem nem querem ouvir falar.

 

O Partido Comunista da China era, em vida da URSS, um parente de quem o PCP activamente se envergonhava. Mas família é família e os laços de sangue acabam por falar mais forte, sobretudo em situações de orfandade. O PCP tem feito tudo para preservar as relações "fraternais" com o PCC, esticando além dos limites do tolerável o conceito de "assuntos internos" (para não falar do de "construção do socialismo") e apoiando acriticamente na China o capitalismo selvagem e sem regras que condena em Portugal.

 

Pensar-se-ia que os rasgados elogios agora feitos pelo vice-primeiro-ministro, Li Keqiang e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Yang Jiechi, à política de austeridade em Portugal e ao "exemplar cumprimento" pelo governo português daquilo que o PCP justificadamente chama "pacto de agressão" merecessem algum comentário, mesmo que tímido, do PCP.

 

Não mereceram. Nem isso nem as relações bilaterais recentemente formalizadas entre PCC e CDS/PP. Trata-se de relações mais saudáveis e transparentes do que as fundadas numa oportunística consanguinidade ideológica. Ao menos CDS e PCC defendem a mesma coisa, independentemente das latitudes.

 

Manuel António Pina

 

[Imagem de Robert Gligorov]

 

 

 

 

 

 

|| Comunista VIP

por josé simões, em 15.05.12

 

 

 

Conta a anedota que um dia Leonid Brejnev levou a mãe para lhe mostrar a sua datcha, as suas Zil e os seus pavilhões de caça. «É maravilhoso, Leonid – disse-lhe a senhora – Mas e se os comunistas voltam ao poder?».

 

[Imagem]

 

«Senhores, Patrões, chefes supremos, Nada esperamos de nenhum,

Sejamos nós que conquistemos, A terra mãe livre e comum» lai-lai-lai

 

 

 

 

 

 

|| A Sagrada Família

por josé simões, em 07.04.12

 

 

 

"Die Religion Sie ist das Opium des Volkes" [A Religião é o Ópio do Povo], Karl Marx dixit @ Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. Karl Marx que não viveu o tempo suficiente para constatar que o Comunismo é ele próprio uma Religião. Nem para assistir à simbiose entre o Comunismo e a Religião e ao mimetismo dos líderes com o Estado. Devastador.

 

"Dios mío, no me lleves todavía"

 

 

 

 

 

 

|| A "V Internacional"

por josé simões, em 13.02.12

 

 

 

Sabia ao que ia Grigory Zinoviev quando, enquanto secretário do Comité Executivo da III Internacional classificou, logo a seguir ao congresso do Partido Comunista Alemão de 1924, a social-democracia como social-fascismo. Saíram-lhe foi as contas furadas: a ascensão de Hitler na Alemanha e de Mussolini em Itália, a II Guerra Mundial, a Europa destruída e destroçada.

 

A Europa que viria a renascer depois, primeiro sobre os auspícios de governos de partidos social-cristãos ou democrata-cristãos e depois com governos de partidos social-democratas ou em coligação com os democrata-cristãos, naquilo a que alguém já chamou de a mais bela obra que alguma vez o homem construiu à face da Terra – a Europa do Estado-Social e da liberdade de expressão e, por consequência, do esvaziar e do declínio dos fascismos, dos Partidos Comunistas e dos totalitarismos.

 

Zinoviev, esse, já cá não estava para ver, o "camarada" Estaline tinha tratado do assunto no entretanto.

 

A ironia da história da História é que, quase 70 anos passados sobre o final da II Guerra Mundial, podemos vir a assistir ao regresso, pela via eleitoral, dos "herdeiros" de Zinoviev debaixo da bandeira do Estado-Social, numa Europa levada ao suicídio pelas mãos da Alemanha de Angela Merkel, crescida e educada sob o pulso férreo dos herdeiros da III Internacional, que estudou Economia mas que estudou mal, faltou-lhe o "braço" da História. E que se calhar já é tarde para aprender.

 

«O fogo alastra praça Syntagma acima»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Resumindo e concluindo

por josé simões, em 13.01.12

 

 

 

O "capitalismo mundial e desenvolvido", na busca contínua do lucro fácil, mudou-se de armas e bagagens para a China para, aproveitando-se das vítimas da fome e dos famélicos da terra, que é como quem diz dos baixos salários da ausência de direitos, de códigos laborais, de organização sindical, e da inexistência de leis de protecção ambiental, amealhar mais uns milhões e dar a amealhar muitos mais milhões ao Partido Comunista Chinês, à nomenclatura dirigente, e às famílias que giram à volta com ligações ao partido, ficando assim a China com o pior dos dois mundos: o da exploração capitalista totalmente desregulada e sem quaisquer direitos e/ ou garantias, e o da ausência de liberdade e democracia imposto por Mao em 1 de Outubro de 1949 e a que deu o pomposo nome de popular e comunista. É isto, não é?

 

[Na imagem cartaz chinês de propaganda]

 

 

 

 

 

 

 

|| A religião é o ópio do povo

por josé simões, em 28.12.11

 

 

 

Já nem vou pelo "pássaro branco, maior do que uma pomba, [que] apareceu de repente e limpou a neve que cobria os ombros da estátua do líder", por cá também há quem acredite e jure a pés juntos ter visto a Virgem Maria em cima de uma árvore. Religião é religião e cada qual tem a sua e é livre de acreditar no que muito bem entender. A minha dúvida é se no céu, dando de barato que um torcionário não vai para o Inferno, terá à espera um harém com 70 virgens, à imagem das que corriam atrás dele em vida com um sorriso e um we love you nos lábios.

 

«À passagem do cortejo uma multidão de norte-coreanos ia chorando e caindo de joelhos, em desespero.»

 

 

 

 

 

 

 

|| Keeping Communism Alive, Kim

por josé simões, em 12.09.11

 

 

 

Museum of Communism

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| “a memória de um tempo novo [e] a revisão da história”

por josé simões, em 23.06.11

 

 

 

Independentemente da ideologia, independentemente das diferenças [que as há, e não são assim tão poucas] entre o nazismo e o comunismo, independentemente do nazismo e do comunismo eles próprios, a cegueira ideológica destas alminhas impede-as de perceber que a vitória do Exército Vermelho sobre o nazismo significou para os outros povos, os povos “libertados”, apenas uma troca de “libertador”, que é como quem diz apenas a troca de opressor. É que terminada a guerra os amAricanos foram embora, os russos ficaram. E impuseram o regime. Um pormenor.

 

«300 mil […] morreram a combater as hordas nazi-fascistas», falta a contabilidade dos centos de mil que morreram por não aceitarem a construção da «memória de um tempo novo» nem «a revisão da história» a partir do ano de 1924.

 

A independência, a soberania nacional e mais o direito dos povos à auto-determinação são coisas para português ouvir nos debates no Parlamento.

 

(Na imagem “The figures of Soviet soldiers at the base of a Soviet Army monument have been transformed into superheroes in Sofia, the capital of Bulgária”»

 

 

 

 

 

|| Proibir por proibir

por josé simões, em 01.10.10

 

 

 

Se vamos pela via da proibição, além do fascismo e do comunismo, outra ideologia totalitária a ser proibida seria o Jardinismo-Laranjismo.

 

 

 

 

 

|| Da série “Noticias que não saem no Avante!”

por josé simões, em 22.07.10

 

 

 

Faz hoje 40 anos que Bernard Becker foi libertado duma prisão de alta segurança da Stasi (a polícia política da ex-RDA) onde passou quase dois anos acusado de distribuição de propaganda subversiva.

 

How i survived na East German prision

 

(Imagem)

 

 

 

 

 

|| Nonsense

por josé simões, em 20.03.10

 

 

 

Nonsense é o comunismo ter implodido nos idos de Gorbachov e ouvir comunistas falar em aprofundamento da crise capitalista.

 

Nonsense é dizer-se pela Paz e ser contra o principal responsável pelo maior período de Paz na história da Europa: a NATO.

 

Nonsense é eu todas as quintas-feiras ler este jornal.

 

 

 

|| A religião é o ópio do povo (*)

por josé simões, em 18.12.09

 

 

 

«There is a simple cross marked with his name and a red star (…)»

 

(*)