Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Não se esqueçam

por josé simões, em 29.11.19

 

       shopping.jpg

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 28.11.19

 

Princess_TajanaTrapeze.jpg

 

 

Para a comissão presidida por Ursula Von der Leyen fica a mensagem clara: o green deal que ela defende deverá incluir “o objectivo de reduzir em 55% as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, quando o compromisso actual era com uma redução de 40%.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Onde é que pára o PS de esquerda?

por josé simões, em 28.11.19

 

bat.jpg

 

 

Onde é que pára o PS de esquerda que levou os anos da troika, que foram os anos do "poucochinho" Tó Zé Seguro, um quase cúmplice, a gritar que a austeridade estava a matar a Europa e a aprofundar o fosso, não só entre o norte e o sul, mas entre os mais ricos e os mais pobres dentro de cada país, enquanto fomentava o racismo e a xenofobia e era a responsável pelo ressurgimento dos fascismos no continente depois da II Guerra?

 

"Orçamento do Estado só deverá prever um aumento de um por cento para a Administração Interna. Cabrita exige 5% para fazer face às reivindicações sindicais e esvaziar o Movimento Zero."

 

Centeno nega a Cabrita 80 milhões de euros para forças de segurança

 

 

 

 

A chico-espertice dos liberais de pacotilha

por josé simões, em 27.11.19

 

Karl_Marx.jpg

 

 

Do CDS ao Chega passando pelo Iniciativa Liberal e pelas prestimosas colaborações do Livre, já que esta legislatura parece que vai ser a do "vamos brincar aos parlamentos", à chico-espertice da Iniciativa Liberal com o "projecto de lei para que passem a estar plasmados no recibo de vencimento dos trabalhadores por conta de outrem os custos suportados pela entidade patronal no âmbito das contribuições para a Segurança Social", devia a esquerda avançar com outro projecto de lei para que no recibo de ordenado passasse a constar o número de horas diárias que os trabalhadores têm de trabalhar para justificarem o salário que recebem no final do mês, a mui famosa e por vezes esquecida mais-valia. Talvez assim ganhassem consciência do valor do trabalho, da contratação colectiva, da reivindicação, dos direitos e garantias. Já que é para brincar aos parlamentos brinquemos a sério.

 

 

 

 

Open Memory Box

por josé simões, em 27.11.19

 

DDR.jpg

 

 

               415 horas de filmes amadores na Alemanha Oriental entre 1947 e 1990. Open Memory Box.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Há aqui um padrão

por josé simões, em 27.11.19

 

Lim Qi Xuan.jpg

 

 

"Apesar de 60% da população estar isenta de taxas moderadoras no Serviço Nacional de Saúde (SNS), são as classes média, média baixa e baixa que mais contratam seguros, ou seja, a motivação não se prende com a poupança". E é a mesma classe média baixa e baixa que toma o pequeno almoço fora de casa, que compra bilhete a bordo nos transportes públicos ao invés do passe mensal, que faz refeições habituais nas cadeias de fast food, que só veste roupa de marca e com a marca bem visível, e por aí. Portanto há aqui um padrão e tem a ver com educação, organização, economia e gestão do orçamento familiar, não ter nada a ver com a denominada "falência do Estado" e a "degradação do Serviço Nacional de Saúde", argumentos usados pela direita para cavalgar a notícia, na esperança de que ninguém se lembre das décadas de políticas de desmantelamento do Estado social em prol de interesses privados, nos seguros de saúde, na saúde negócio a cargo de privados, nos planos privados de reforma, de que ninguém se lembre que a falência do Estado e a degradação do SNS têm pai e mãe, não nasceram de geração espontânea.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Da falta de noção no PIEC - Processo de Inchamento em Curso

por josé simões, em 27.11.19

 

rafaelestevesmartinstwitter.jpg

 

 

A confusão entre a "missão" de serviço público, inerente ao cargo de deputado eleito da Nação, e um qualquer emprego na vida privada, por alguém que não sabe, nem quer saber, o que é ser deputado eleito, e por outrem que não sabe, nem quer saber, o que é ser assessor de imprensa de um deputado eleito por uma partido político. Siga a marcha.

 

[Rafael Esteves Martins no Twitter]

 

 

 

 

A caminho do partido tribalista

por josé simões, em 26.11.19

 

                                             

 

 

A doutora Joacine, que não sabia como votar na questão "a culpa é como Israel", absteve-se por dificuldades de comunicação com o partido que mantém mãos cheias de dezenas de militantes activos no Twitter 24 horas por dia. Se isto não é ridículo é no mínimo ridículo. A doutora Joacine, que foi eleita sozinha sem precisar do partido para nada, nem sequer de Rui Tavares, o fundador do partido e a cara do partido, que andou meses com a doutora Joacine ao colo para a mostrar urbi et orbi  e para promover a imagem de alguém que foi não precisa de Rui Tavares nem do partido para nada, não sabe o sentido a dar ao seu voto na questão, a seguir ao futebol, onde toda a gente tem opinião formada - "a culpa é como Israel". "Eu é que sou o presidente da Junta". E a doutora Joacine também não conhece Zeca Afonso, caso contrário a questão do sentido de voto, de quem não precisa de partidos para nada, nem se colocava. Se isto não é ridículo é no mínimo ridículo. A doutora Joacine, entretida em trabalho de campo com a meritória transladação de Aristides de Sousa Mendes para o Panteão Nacional, ó ironia, um facilitador de passaportes a judeus ainda a questão da "culpa de Israel" não se colocava, falhou a entrega do projecto sobre a lei da nacionalidade, em campanha eleitoral uma das bandeiras do partido de que a doutora Joacine não precisa para nada e pelo qual foi eleita. As minorias, "racializadas" ou não, podem esperar pelo ego da doutora Joacine ou que o ego da doutora Joacine vote no projecto de outro partido de esquerda, com ou sem indicação do sentido de voto do partido pelo qual a doutora Joacine foi eleita. Se isto não é ridículo é no mínimo ridículo. A doutora Joacine, que foi eleita sozinha sem precisar do partido para nada, quebrou unilateralmente o blackout decidido entre a sua pessoa e o partido de que não precisa para nada, para o acusar de falta de camaradagem e de promover um golpe contra a sua pessoa, "não sou descartável", estou aqui para ficar, "eu é sou o presidente da Junta". Se isto não é ridículo é no mínimo ridículo.

 

 

 

 

A qualidade dos trafulhas que em Portugal dão pelo nome de "empresários"

por josé simões, em 26.11.19

 

Baby With A Handgun” by BiP in San Francisco.jpg

 

 

"Quase dez horas por semana a mais do que a média europeia – é o tempo que os bebés e as crianças portuguesas passam nas creches, amas e jardins de infância", sendo que nalguns países abaixo de Portugal, norte da Europa, as creches ficam na fábrica, na empresa, no local de trabalho dos pais, e não aceitam crianças com menos de 12 meses de idade, que é exactamente o tempo mínimo da licença parental. E isto diz muito da qualidade dos trafulhas que em Portugal dão pelo nome de "empresários".

 

[Imagem]

 

 

 

 

Report: Disinformation during Portugal’s 2019 Elections

por josé simões, em 26.11.19

 

On Monday, March 3, Alamo Drafthouse Kalamazoo takes you back to the the early 1950s, when 3D movies were still a hot novelty.jpg

 

 

During this period, two Facebook pages – Direita Política and Mário Gonçalves – stood out as the most influential in spreading disinformative content. Among the public Facebook groups monitored, the group Grupo de Apoio ao Juiz Carlos Alexandre was by far the most influential.

 

[Imagem]

 

 

 

 

É o mercado a funcionar, dizem eles

por josé simões, em 25.11.19

 

Dennis Hopper X Ilse Ruppert.jpg

 

 

    "Com a compra da TVI, o grupo COFINA vai passar a deter cinco jornais, três revistas, dois canais de televisão e um partido político."

 

[Dennis Hopper na imagem]

 

 

 

 

O regresso dos palermas ou "25 de Abril Sempre!"

por josé simões, em 24.11.19

 

cartaz_iniciativa_liberal_25_novembro (1).jpg

 

 

"Comunismo nunca mais!" uma frase que não posso gritar. Lamento. Nunca vivi sob um regime comunista, não sei o que isso é. Do marcelismo fascista lembro-me, era puto mas lembro-me. Lembro-me de familiares presos e torturados por reivindicarem coisas tão banais como a liberdade de expressão e de associação, lembro-me dos meus pais a ouvirem rádios estrangeiras à socapa, com o som muito baixinho dentro da própria casa. Lembro-me dos homens de plantão 24 sobre 24 horas na porta da rua, semanas seguidas, só porque o pai acompanhou o Vitória de Setúbal na Taça UEFA com o Spartak de Moscovo, "lá está ele", dizia a mãe depois de espreitar por detrás do cortinado. Tinha estado com os russos era comunista merecedor de vigilância, a lógica da PIDE. Lembro-me das cargas da GNR a cavalo no 1.º de Maio na "Ladeira das Fontainhas", a rua das conserveiras em Setúbal. Lembro-me dos tiros disparados contra as varinas vestidas de preto e de tamancos, em dias de greve pelo aumento de 2 tostões, "hoje não vais brincar para a rua", dizia a mãe. Lembro-me da fome e da miséria no Bairro Santos Nicolau do ir ao mar antes da moda do peixe assado no carvão ao preço dos olhos da cara, e lembro-me de ser o único a usar sapatos na turma de filhos de pescadores e de varinas das fábricas, na "escola do Sousa" ao lado do agora Rei do Choco Frito, à época uma taberna de chão de areia, calcetada a caricas de gasosa AUA para traçar tintos goelas abaixo, nas bocas de cigarros Três Vintes, Quentuques [de Kentucky] e Definitivos. Descalço o ano todo quando o Inverno ainda não tinha morrido às mãos das alterações climáticas. Os mais afortunados usavam chinelos de enfiar no dedo, se fosse hoje era bué chic, usavam Havaianas. Lembro-me dos funerais no cemitério da Nossa Senhora da Piedade dos soldados mortos na Guerra Colonial, com as salvas de G3 pelo pelotão formado no meio da rua, trânsito cortado, e as varinas que andavam sempre de luto, o luto eterno porque morria sempre algum familiar e o luto nunca acabava, a chorarem atrás do caixão que ninguém abria. Lembro-me das bolas de futebol caídas no quintal da PIDE, frente onde é hoje a sede do PSD ao Bairro Salgado, do tempo de jogar à bola na rua, tocarmos à campainha "olhe, se faz favor, a bola caiu no quintal" e do PIDE regressar de sorriso de orelha a orelha com a bola rasgada à navalhada na mão "toma lá". O tempo dos filhos da puta. Lembro-me do dia das matrículas, e das carradas de folhas que era preciso entregar, a mãe preencher as minhas e ainda mais algumas de colegas meus que depois eram assinadas "com o dedo" pelas respectivas mães. Lembro-me dos meus amigos que, terminada a 4.ª Classe, foram para o mar com o pai ou ser servente numa qualquer profissão, que sempre era melhor futuro que andar ao sabor das marés. Lembro-me dos rapazes para um lado e raparigas para outro na escola, e lembro-me do padre de Moral e Religião, avesso a Jaroslav Hasek, que distribuía carolada pela turma como se não houvesse amanhã, e que andou depois a distribuir propaganda do CDS. E não me esquecendo disto mas não conseguindo lembrar-me de outras memórias mais dolorosas, por mais que me esforce, é um mecanismo de defesa do cérebro, dizem, reparo que de cada vez que os suadosistas querem desvalorizar a importância do 25 de Abril aparece sempre uma palhaçada qualquer a evocar o 25 de Novembro. Portanto, 25 de Abril Sempre, Fascismo Nunca Mais!

 

[Imagem]

 

 

 

 

Fim-de-semana

por josé simões, em 24.11.19

 

Killing Joke - Eighties.jpg

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

Eighties ~ Killing Joke

 

[7" vinyl]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 24.11.19

 

Paul_Jung.jpeg

 

 

Fui eu que ganhei as eleições, sozinha, e a direcção quer ensinar-me a ser política

 

[Imagem]

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 23.11.19

 

Eduardo Nascimento.jpg

 

 

Eduardo Nascimento

 

1943 - 2019

 

 

Eu era criança e vi, com estes olhos que a terra há-de comer, como dizem as velhas, o Eduardo Nascimento na televisão ganhar o Festival da Canção a cantar O Vento Mudou, e aprendi a letra mesmo antes de saber ler e escrever, com a simplicidade com que as letras simples são aprendidas, numa altura em que nas papelarias se vendiam papéis impressos com as letras das canções. E uns dias depois, nas conversas que ouvia na rua com os ouvidos de criança, soube que o Eduardo Nascimento, que eu tinha visto na televisão a cantar e depois a falar e na foto do jornal que o pai comprava todos os dias, era preto. O Eduardo Nascimento era preto. E esse longínquo dia de 1967 foi o dia em que o vento mudou para mim.