Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A next big thing

por josé simões, em 10.02.19

 

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

Fim-de-semana

por josé simões, em 10.02.19

 

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

Improve Myself. ~ Patrick Fitzgerald

 

[7" vinyl]

 

 

 

 

Relatório e Contas. Resumo da Semana

por josé simões, em 09.02.19

 

impatientfuturist.jpg

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

Porque hoje é sábado

por josé simões, em 09.02.19

 

promise me a land - Clement Chapillon (1).jpg

 

 

Promisse me a land

 

Clement Chapillon

 

 

 

 

A greve do PSD

por josé simões, em 08.02.19

 

Sem Título (1).jpg

 

 

Carlos Abreu Amorim, o residente no Porto eleito deputado do PSD pelo círculo eleitoral de Viana do Castelo, no Twitter a atirar areia para os olhos de quem quer levar com ela, misturando campanha eleitoral com greve, fazendo de conta que o problema é a "vaquinha", nome do crowdfunding antes de haver crowdfunding, e omitindo que a "vaquinha" de António Costa teve a exigência de identificação e recibo passado a todos os doadores.

 

Se dúvidas houvesse de que esta é uma greve de guerrilha orquestrada e delineada pelo PSD é tomar atenção nas redes às contas de deputados, apóstolos, ideólogos, aios e escudeiros, e liberais de pacotilha diversos da ala Passos Coelho, que agora só encontram virtudes no Serviço Nacional de Saúde que antes era para desmantelar e distribuir, com o patrocínio do erário público, pela excelência da iniciativa privada.

 

 

 

 

Malucos do riso

por josé simões, em 08.02.19

 

cds nuno melo europeias.jpg

 

 

No sítio do CDS, Nuno Melo, candidato ao Parlamento Europeu, a lembrar que o deputado do CDS no Parlamento Europeu, Nuno Melo, é "o eurodeputado português que participou em menos votações".

 

 

 

 

Greves inseparáveis

por josé simões, em 07.02.19

 

dead ringers.png

 

 

Depois de a TVI ter revelado uma gravação onde a senhora bastonária da Ordem dos Enfermeiros aparece a acertar estratégias com os sindicalistas, no telejornal da noite na SIC Notícias a senhora dirigente da Associação Sindical dos Enfermeiros utiliza uma expressão que diz tudo e que automaticamente posiciona o sindicato que dirige: "um Governo apoiado pela esquerda". Todas as greves convocadas pela CGTP são greves decididas na sede do PCP à Soeiro Pereira Gomes e que não levam em conta o país que quer trabalhar, nem têm respeito pelos outros cidadãos que, indirectamente e por tabela, se vêm envolvidos nestas manigâncias dos comunistas e dos funcionários públicos, calaceiros que não podem ser despedidos e que vivem bem a expensas do erário público e de todos os outros que se levantam cedo para ir trabalhar, isto só para utilizar alguns dos argumentos a que a direita radical recorre de cada vez que há uma greve que lhe escapa ao controlo. Os enfermeiros terem uma bastonária industriada em S. Caetano à Lapa, e sindicatos por "enfermeiro quadrado" a orquestrarem greves alimentadas por donativos "Jacinto Leite Capelo Rego" é "a justa luta dos enfermeiros" inserida no legítimo direito à greve, que não causa prejuízo a ninguém, nem aos próprios, sem a noção do ridículo, ou do insulto, ao tal do país que se levanta cedo para ir trabalhar, que são os 57 anos para a idade de reforma e um aumento de 400 € de salário. Vai-se ver e, tudo isto dito e reivindicado, a grande maioria até é contra a legalização das drogas...

 

[Imagem]

 

 

 

 

Socialismo bolivariano para o século XXI

por josé simões, em 07.02.19

 

1 (1).jpeg

 

 

2 (1).jpeg

 

 

3 (1).jpeg

 

 

[Imagens]

 

 

 

 

É uma questão de cultura instalada

por josé simões, em 06.02.19

 

Judges by Jerrold Litwinenko.jpg

 

 

Nos idos de Salazar e Caetano havia uma coisa chamada Tribunais Plenários onde os presos políticos, depois de dias, semanas, meses de tortura física e psicológica, eram apresentados aos meritíssimos juízes, às vezes com sinais evidentes da violência física sofrida que só um cego não via, onde eram condenados pela pena que os torturadores da polícia política pediam e não se falava mais nisso. Depois deu-se a revolução de 25 de Abril de 1974 e os mesmo juízes que condenavam a pedido, ignorando a vítima e os direitos humanos, fizeram a transição para a democracia, directamente e sem passar pela prisão como no jogo Monopólio, e ainda com o brinde Caixa da Comunidade, com o tempo a contar para efeitos de progressão na carreira e reforma, só não julgando os antigos torcionários torturadores porque em Portugal os pides tiveram como prémio da democracia uma pensão vitalícia. Quase 50 anos passados sobre o dia da liberdade é muito pouco provável encontrar juízes desse tempo na magistratura, nem sequer se podem comparar os de má-memória Tribunais Plenários com os tribunais da democracia no Estado de direito, mas a cultura instalada, o sentimento de impunidade, o Olimpo onde se colocam e se acham por direito, esse continua a ser o mesmo.

 

Sanção de advertência: Esta é a deliberação para juiz que invocou a Bíblia em caso de violência doméstica

 

[Imagem "Judges" by Jerrold Litwinenko]

 

 

 

 

A licença do isqueiro reloaded

por josé simões, em 06.02.19

 

licença isqueiro.jpg

 

 

Bloco de Esquerda defende a criação de um imposto sobre os gigantes da economia digital, como a Google ou o Facebook. Objetivo é taxar "determinados serviços digitais".

 

[Imagem]

 

 

 

 

Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 06.02.19

 

a bola.jpg

 

 

Uma primeira página de A Bola assinada por Stan Lee?

 

 

 

 

"Senhor Presidente, condena a violência no bairro Jamaica?"

por josé simões, em 05.02.19

 

selfie_de_marcelo_com_solange_moradora_do_bairro_da_jamaica.jpeg

 

 

marcelo jamaica.jpg

 

 

"Senhor Presidente, condena a violência no bairro Jamaica?", pergunta a líder do CDS, Procissão Cristas, depois de ter publicamente declarado o apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa.

 

[Imagens]

 

 

 

 

Hakuna matata, o liberalismo é lindo

por josé simões, em 04.02.19

 

hiena.jpg

 

 

E depois temos o Iniciativa Liberal, um partido de banda-desenhada nascido nas "redes", contra o centralismo e o socialismo, contra o centralismo e o colectivismo, contra o centralismo e a carga fiscal, que vê um artigo de opinião do líder, Carlos Guimarães Pinto, contra o centralismo e o socialismo, contra o centralismo e o colectivismo, contra o centralismo e a carga fiscal, receber o endosso [em print screen por causa das moscas] da filha dilecta da cleptocracia corrupta angolana que em quase 50 anos de independência deixou o país em todos os índices abaixo da era colonial. Hakuna matata, o liberalismo é lindo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Estado de direito sob a égide do regionalismo-futeboleiro

por josé simões, em 04.02.19

 

 

 

Diz Rui Moreira, presidente eleito da Câmara do Porto, a propósito do chumbo do Tribunal de Contas ao projecto para o antigo matadouro industrial do Porto, que "não é possível governar uma cidade cumprindo a palavra dada ao cidadão eleitor, se se continuar a permitir que órgãos não eleitos extravasem as suas funções e violem o princípio da separação de poderes", de uma assentada mandando à merda a Constituição da República Portuguesa e defendendo a inauguração de uma nova era no Estado de direito democrático:

 

- a da eleição dos juízes dos tribunais pelo voto popular depois de animada campanha patrocinada pelos caciques e barões diversos dos partidos?

- a da instituição de um tribunal a jeito por cada futura região administrativa a criar, caso o povo se decida por votar "Sim" em novo referendo à regionalização?

 

Não perguntaram os jornalistas nem explicou o caudillo Moreira, critico do anacrónico modelo de voto português e apologista da regeneração do sistema político pela ditadura, que é só uma questão de léxico já que "quando o Salazar chegou ao poder [...] criou o nome ditadura nacional e não era nada insultuoso".

 

[Imagem]

 

 

 

 

Do ponto de vista de quem passa 25 anos a trabalhar para pagar escrupulosamente o empréstimo que contraiu

por josé simões, em 03.02.19

 

Frank Horvat.jpg

 

 

Independentemente da responsabilidade política e da responsabilidade dos políticos, nomeados administradores pelo cartão da universidade do partido, do ponto de vista de quem passa 25 anos a trabalhar para pagar escrupulosamente o empréstimo que contraiu e que de repente se encontra numa situação de desemprego, ou com salários em atraso, não interessa, numa situação de incumprimento, e vê o olho da rua como habitação e o banco a ficar-lhe com a casa, às vezes já paga, o resto eram os juros, dar de caras com Joe Berardo, um dos metralhas da Caixa Geral de Depósitos, na porta da Quinta da Bacalhoa a receber Manuel Luís Goucha com sorriso de orelha-a-orelha enquanto o contribuinte se desunha para injectar 13, 4 mil milhões de euros na banca.

 

[Imagem]