Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Do desemprego em Cabo-Verde e na Ucrânia (II)

por josé simões, em 03.11.08

 

 

Estranho que a esquerda portuguesa Obamanizada não tenha aprendido absolutamente nada com a estratégia do candidato à Sala Oval: centrar o debate na Economia.

 

Manuela Ferreira Leite abre a boca para dizer meia verdade e toca de embarcar toda a gente a reboque duma estratégia “à lá Bloco”. É (foi?) uma oportunidade única para desmontar as contradições do discurso da líder do PSD: o apoio às empresas e aos empresários, quando pela ganância do lucro são esses mesmos empresários e essas mesmas empresas, encostadas ao Estado, dependentes das Obras Públicas, que pela politica dos baixos salários, boicotam (a criação de) o emprego ao contratarem imigrantes, na grande maioria das vezes ilegais e sem contratos de trabalho assinados, pela metade do preço que teriam de pagar a um trabalhador indígena.

 

Qual Haider, qual Pinto Coelho, qual Diabo que os carregue! Um dia destes, quando forem a caminho do vosso emprego experimentem entrar na primeira obra que vos apareça pela frente e a falar com quem lá trabalha. Português só se for “o engenheiro”, mas esse chega depois das 11 porque é “chefe”.

 

O Haider há-de chegar num futuro mais ou menos próximo, por causa mesmo deste discurso idiota da “Xenofobia”, construído e alimentado pela Esquerda que temos.

 

(Na foto Reconst Engineer and Workers at Tunnel 1911, daqui)

 

Adenda: Curioso que no dia em que Manuela Ferreira Leite profere as declarações, aliás já anteriormente proferidas por Miguel Beleza mas sem o mesmo impacto mediático, um televisão tenha emitido um programa que girava à volta do tema “onde é que estão os trabalhadores que construíram a Expo 98, os estádios do Euro 2004 e as auto-estradas?”, o que inevitavelmente nos levou a “ de onde vieram?”. O repórter era xenófobo. Só pode.

 

Post-Scriptum: este post de Pacheco Pereira

 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post