Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Do “Banco de Horas”

por josé simões, em 26.06.08

 

O “Banco de Horas” no novo Código do Trabalho, é uma figura que não me escandaliza absolutamente nada. Há já mais de 10 anos que o pratico na empresa onde trabalho com evidentes benefícios para ambas as partes. Quando chegam as férias, em vez de 25 dias, temos 30 ou 35; se necessitar de um dia qualquer do mês – mesmo que uma segunda ou sexta-feira – no problem. Mas não é só isso que me trás aqui.

 

Não é só pela mão-de-obra barata que se cria riqueza; não é só a mão-de-obra barata que atrai investimento.

 

Quando era criança, Setúbal era a cidade da indústria conserveira. Fui criado num bairro rodeado de fábricas de conserva. Um barco carregado de peixe podia chegar a que horas chegasse: às cinco da tarde, às nove da noite; às três da manhã; a um sábado ou a um domingo. Tocavam as sirenes nas fábricas a chamar, e toda a gente acorria para a labuta; enquanto houvesse peixe para tratar. Podia-se trabalhar 24, 48 horas seguidas, as que fossem necessárias até dar conta do recado, e depois ficar outras tantas em casa à espera de novo barco.

 

Setúbal, a par do Algarve, tinha a melhor conserva de peixe do mundo e arredores. E exportava.

 

Com a Revolução de Abril, surgiram os contratos colectivos de trabalho, e os trabalhadores conserveiros, apesar da especificidade do sector, acharam que deviam ter um horário de trabalho “como toda a gente”. De segunda a sexta; das 8 às 13, das 14 às 18. Um barco que chegasse à Doca do Comércio, por exemplo, numa sexta às cinco da tarde, tinha o destino traçado: o pessoal na fábrica largava às seis, e só tornava a pegar na segunda às oito. Peixe borda-fora. Prejuízo para o armador; prejuízo para o dono da fábrica.

Em menos de um foguete as fábricas deslocalizaram para Marrocos. Desemprego e miséria em Setúbal.

 

Pronto. Podem chamar-me reaccionário.

 

(Foto de Luís Gonzaga Batista)

 

 

 

7 comentários

Comentar post