Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O jornal "O Setubalense", os Setubalenses e a Arrábida

por josé simões, em 08.09.06

É no mínimo indecente toda a campanha que o jornal O Setubalense tem vindo a desenvolver em defesa dos proprietários de barcos de recreio/ motas de água, pretensamente prejudicados com a criação do parque Marinho da Arrábida e consequente implementação de novas normas.

Desde o nascimento do Parque, digam Vªs Exas qual foi a edição do jornal que não publicou nas suas páginas um artigo e/ ou uma reportagem em que o tema não fosse os marinheiros de fim-de-semana-de-verão.

Acaso nas páginas do jornal, alguma vez saiu publicado algo que fosse, uma entrevistazinha, uma reportagem de um parágrafo só, em que fosse pedida opinião a meia dúzia dos milhares de banhistas que frequentam as praias da Arrábida desde Albarquel a Sesimbra, sobre como é estar na praia sem o insuportável zumbir dos motores dos barcos, sem as acrobacias e diabruras palermóides das motas de água, sem o cheiro a gasóleo? Pois é...

E a constante perseguição aos roazes.

E a fúria dos proprietários vai toda canalizada, pela pena do jornalista, para a Policia Marítima, qual instituição Pidesca, cujo crime maior é fazer cumprir a Lei da República e do Estado de Direito!

Face à arrogância e prepotência com que alguém era tratado na praia pelos motoqueiros aquáticos, barqueiros e concessionários (sim, porque eles alugam as motas!), quando reclamava que a praia era para as pessoas, e que fossem fazer barulho pra lá da Anicha, até que as autoridades têm sido bastante corteses.

E depois são os coitadinhos que não podem exercer a arte da pesca junto à serra e à praia!

Nem é preciso apelar ao uso de muita inteligência para se perceber que é precisamente nestas áreas que os peixes nidificam e procriam. Aprende-se na primária ou no canal Panda.

Mas não! era um fartar vilanagem! Fazendo uma interpretação básica do velho ditado "tudo o que vem à rede é peixe", eram polvos tamanho da palma da mão, sarguetas e e chocos de aquário, nem os gudiões escapavam!

Que interesse e/ ou interesses defende um jornal, supostamente da cidade,  para fazer lobbie pela facção que desde sempre demonstrou não ter qualquer respeito pelo rio, pela serra, pelas pessoas?

Responda quem souber.

2 comentários

Comentar post