Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

“Nome às coisas”: Louçã, Sócrates e Kalaf

por josé simões, em 17.01.08

 

Hoje dei conta que Kalaf tem coluna na P2. Não sei se a coisa dura há mais tempo e por distracção minha só hoje reparei; adiante. A de hoje, de nome, Nome às Coisas, gira em torno da eficácia da escolha dos nomes; da sua dificuldade (Kalaf) em atribuir um nome às coisas; dos complexos que carregou ao longo da vida, motivados pelo seu próprio nome, por nunca alguém lhe ter explicado, por nunca ter percebido porque é que se chamava assim. “Até que, num dia como outro qualquer”, perceber “que metade do mundo se chama José e Maria.
 
Serve a crónica de Kalaf para chegar à moção de censura ao Governo, apresentada ontem pelo Bloco na Assembleia da República, a propósito do referendo-que-Sócrates-prometeu-e-afinal-já-não-faz, ao Tratado de Lisboa.
 
Quando Louçã & Cia perceberem que no final; daqui por um ano e picos; chegar a hora da verdade e formos todos a votos, no deve e haver de mais de “metade do mundo”, o referendo ao Tratado vale zero. De todas as promessas prometidas (assim mesmo) por Sócrates, e não cumpridas, menos de “metade do mundo” se vai lembrar do referendo. No deve e haver dos eleitores vai pesar o aumento de impostos, os não-aumentos salariais, o desemprego, os encerramentos das maternidades e dos centros de saúde; a título de exemplo, e para não ser maçudo.
 
Assim, usar uma moção de censura no início de uma legislatura, para censurar um Governo de maioria absoluta, a propósito de um referendo a um tratado europeu, é desperdiçar munições; dar tiros para o ar.
 
Recorrendo outra vez à crónica de Kalaf, “assim, enquanto a maioria dos miúdos só queria saber de onde vinham os bebés, eu só queria que me respondessem de onde vinha o meu nome”.
 
Se fosse dado a estas coisas da psicologia diria que Louçã sofre do “sindroma de Kalaf”.
 
(Imagem via San Diego Historical Society)