Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| As desculpas esfarrapadas de um pantomineiro

por josé simões, em 06.12.13

 

 

 

Só quem nunca teve o jantar temperado todas as noites, durante meses a fio, com as imagens que chegavam nos telejornais dos confrontos no Soweto, com a polícia do apartheid a disparar a torto e a direito sobre tudo o que respirava [e quem nunca teve pode procurar no tubo ou nos arquivos das televisões para ter uma ideia] é que engole a pantominice das «reservas [pelo] incentivo à violência».

 

E nem vale a pena recorrer a Bertolt 'lugar-comum' Brecht "do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento, mas ninguém chama violentas às margens que o comprimem", blah-blah-blah, ou à 3.ª Lei de Newton, "para toda interacção, na forma de força, que um corpo A aplica sobre um corpo B, dele A irá receber uma força de mesma direcção, intensidade e sentido oposto", blah-blah-blah também, para perceber onde é que estava a origem da violência.

 

É que há coisas que têm a ver com a ética, com a igualdade, com o respeito e com a tolerância, com o humanismo, ou para o caso e para os personagens em questão, com o "humanismo cristão", sempre mui pio na primeira fila da igreja mesmo frente ao ambão.

 

[Imagem]

 

Adenda: Outra pantominice, a da "preocupação da diplomacia de Lisboa em relação à comunidade portuguesa na África do Sul" foi desmontada por Ramalho Eanes, Presidente da República, depois de receber Thabo Mbeki com honras presidenciais no Palácio de Belém, com Mandela preso e o ANC na clandestinidade, mais ponto menos vírgula, porque "uma guerra revolucionária nunca é ganha pelo poder instituído e temos de projectar o futuro de 600 mil portugueses".