Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Amor de embaixador

por josé simões, em 30.08.16

 

mae tattoo.png

 

 

Perfeito, perfeito teria sido a mãe a enviar as flores à outra mãe. De mulher para mulher, de mãe para mãe, o sofrimento, o amor de mãe, como nas tatuagens, o sofrimento da mãe na sabedoria de Salomão. Calava bem fundo no coração da mãe, nos corações das mães. Mas a cultura e a religião, a cultura moldada pela religião não permite à mulher protagonismos desta natureza. À mulher, depósito de esperma. À mulher-mãe, máquina de fazer filhos. E isto, mais do que uma falha nesta estratégia, em construção pelo embaixador do Iraque em Portugal na tentativa de minimizar estragos por via de um oficioso extra-judicial, mostra uma falta de respeito pela cultura e tradições do país que o acolheu enquanto representante de um Estado estrangeiro, pelo desprezo de nem se dar ao trabalho de ter tentado minimamente perceber como as coisas funcionam, aqui.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

O respeitinho é muito bonito, capítulo II

por josé simões, em 30.08.16

 

Elementos_da_escola_salazarista.JPG

 

 

A abertura do leque dos que, nas "redes sociais" [gloup], da direita à direita à esquerda à esquerda, se mostram perplexos com a decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, é duma tal amplitude que, só por si, explica aos mais distraídos a razão pela qual Salazar foi eleito "o maior português de sempre" pelos portugueses num programa de televisão - a única eleição que venceu.


[Imagem]

 

 

 

 

O respeitinho é muito bonito

por josé simões, em 30.08.16

 

Salazar.jpg

 

 

Quase 50 anos passados sobre a morte do velho de Santa Comba:


Portugal é dos países que mais condenações sofre por parte do Tribunal Europeus dos Direitos Humanos (TEDH) por violação da liberdade de expressão. Entre Janeiro de 2005 e final de Agosto deste ano o Estado português já foi condenado 20 vezes, mantendo uma média muito superior aos restantes países da União Europeia (UE).

 

 

 

 

Tudo como dantes

por josé simões, em 30.08.16

 

the_independent.jpg

 

 

usa_today.jpg

 

 

newyork_times.jpg

 

 

 

 

 

 

 

Guardar