Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| Calem-se, por favor, mas de vez!

por josé simões, em 18.04.16

 


«'Portuguesas' e 'portugueses' não é apenas um erro e um pleonasmo: é uma estupidez» É bem verdade, mas apresentemos argumentos um pouco mais científicos.


Com a preocupação de defender os direitos das mulheres, o primeiro-ministro francês fez aprovar o Decreto n.º 84-153, de 29 de fevereiro de 1984, que criou uma comissão de terminologia encarregada de estudar a feminização dos títulos e funções, assim como, de uma maneira geral, o vocabulário respeitante às atividades das mulheres.


A comissão começou a trabalhar com base no pressuposto de que a língua francesa seria machista, assumindo-se que o masculino favorecia um apagamento do feminino, que o masculino se sobrepunha e abafava o feminino. Era essa a ideia do governo francês, e foi com essa ideia que a comissão de terminologia foi criada.


Surpreendentemente para o governo, mas não para os linguistas sérios, a comissão veio declarar que a preferência pelo masculino em nada abafava ou diminuía o valor do feminino. Com efeito, diz a comissão:


«Herdeiro do neutro latino, o masculino mostra-se imbuído de valor genérico, sobretudo nos casos de plural que lhe atribuem a capacidade de referir indivíduos dos dois sexos, neutralizando assim os géneros.»


E continua, a propósito do que refere como «a regra genérica do masculino»:


«Para referir o sujeito jurídico, independentemente da natureza sexual do indivíduo referido, melhor será recorrer ao masculino, uma vez que o francês não tem género neutro.


[...]


A comissão defende que os textos regulamentares devem respeitar o regime da neutralidade das funções.»


Na mesma linha se pronunciou a Academia Francesa, chamando a atenção para a não coincidência do género gramatical e do género natural, que todos os linguistas bem conhecem. De facto, a associação do género gramatical ao género natural (ou sexo) é abusiva. As crianças podem ser do sexo masculino, assim como as vítimas e as testemunhas podem ser homens. Também o príncipe Hamlet é uma personagem shakespeariana. No entanto, a língua marca essas palavras de femininas, independentemente de o referente ser masculino ou não. O crocodilo não é necessariamente masculino nem a mosca necessariamente um animal (ou animala?, para não ser machista) feminino. Em francês, a vítima (la victime) é uma palavra do género feminino, mas a testemunha (le témoin) do género masculino. O género gramatical é uma convenção linguística, tal como o número e o caso, por exemplo.


E contrariamente ao que já foi publicamente dito, não é verdade que «a língua reflete os valores, usos e costumes da sociedade. Promove a desigualdade se usarmos uma linguagem que consagra a ideia do masculino como universal». Não é a língua que promove a desigualdade, é a sociedade que promove a desigualdade. Acusar a língua é deitar poeira para os olhos, dirimindo responsabilidades e deixando a sociedade longe de toda a culpa. A culpa é da língua?! E assim ficarão todos contentes quando falam com os colegas e as colegas.


[Continuar]

 

 

 

||| O futebol e o Carnaval foram ao circo

por josé simões, em 18.04.16

 

Brasil.jpg

 

 

A grande falha, talvez a maior de todas e a imperdoável e merecedora de impeachment, dos governos do PT de Lula e Dilma foi não terem mexido uma palha para reformar o sistema constitucional parlamentar brasileiro.


Um espectáculo ainda mais deprimente que as transmissões de Natal da RTP a preto-e-branco das "províncias ultramarinas para a Metrópole" com os infindáveis "para os meus pais, irmãos, namorada e restante família um bom Natal e um próspero Ano Novo". "Em nome de Deus e do coronel que torturou a Dilma". "Em nome de Deus e dos meus filhos e da Escola de Samba da Mangueira". Em nome de Deus e dos meus netos e dos eleitores de Mato Grosso. "Em nome de Deus e dos unicórnios e do Botafogo". "Em nome de Deus e dos eleitores do Estado de Minas Gerais". "Em nome de Deus e por causa da extinção dos dinossáurios e do Cruzeiro de Belo Horizonte": Por amor de Deus...


[Imagem]

 

 

 

 

||| Piada feita

por josé simões, em 18.04.16

 

 

 

"O Banco de Portugal não deu idoneidade a Jaime Pereira e a Fernando Teles para serem administradores [angolanos] do BIC."