Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| 25 de Abril sempre, troika nunca mais!

por josé simões, em 04.05.14

 

 

 

Descontando aquela parte do sussurro de Marco António Costa a Pedro Passos Coelho "ou chumbas o PEC IV e fazes cair o Governo ou nunca mais vamos ao pote" e, portanto, o PSD e Pedro Passos Coelho e Marco António Costa não tiveram nada a ver com a vinda da troika nem tampouco foram eles quem a chamou; descontando as palavras ditas ao Expresso no dia 28 de Maio de 2011 [curiosa data para uma "revolução" em Maio] "a mudança, hoje, está facilitada por aquilo que é o programa de ajustamento da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional. Está muito facilitada porque aquilo que eu tenho vindo a dizer que é preciso fazer está, em parte, neste documento. [...] De certa maneira o PSD ganhou um aliado, que foi o programa de ajustamento. [...] O nosso programa vai muito para lá do programa da troika, é verdade", salvámos o 25 de Abril, salvámos o espírito do 25 de Abril, salvámos o Estado social e, o próximo dia 17 de Maio de 2014 passa à história como um dia muito muito muito importante, mais importante que o 1 de Dezembro de 1640 [já não há Vera Lagoa para subir os Restauradores e Paulo Portas vale zero desde que tenha gabinete], ou o 25 de Novembro de 1975 [já não há Jaime Neves para mostrar os caninos], que o próprio 25 de Abril de 1974 cujo espírito foi salvo pelo pote de Marco António Costa e pelo dia 17 de Maio de 2014, ou até que o 25 de Dezembro já que o Pai Natal nunca desce pela chaminé. Até podia ser feriado nacional, alguns anos havia de calhar a uma segunda-feira e outros anos a uma sexta-feira.

 

Adenda: o prémio "Mais Rápido Do Que A Própria Sombra" vai para o PCP que 30 segundos passados sobre o histórico discurso do histórico dia 17 de Maio de 2014 já estava a reagir com a leitura de um comunicado redigido em10 páginas A4, contas por baixo.

 

 

 

 

 

 

||| Fim-de-semana

por josé simões, em 04.05.14

 

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

Black Is Black ~ Los Bravos

 

[7" vinyl]

 

 

 

 

 

 

||| O Governo patriota e amigo

por josé simões, em 04.05.14

 

 

 

A troika" impediu Governo de aumentar ainda mais o IVA", que não era para o Estado porque o "IVA social está definido na Lei" – quem o disse foi o vice-trampolineiro, mas como contrapartida exigiu um aumento da TSU, que "não é para o Estado, mas para proteger a sua pensão de amanhã" – foi também o vice-trampolineiro quem o disse, isto após 3 anos do sucesso do ajustamento da troika e de 3 anos do ajustamento de sucesso de "ir mais além da troika" ter arrasado a economia do país e posto em causa a sustentabilidade da segurança Social e "a sua pensão de amanhã". É caso para se dizer "ó borracho, estás protegido por cima e protegido por baixo!".

 

Do aumento do IVA, impedido pela troika, e da contrapartida do aumento da TSU, exigida pela troika, ficámos a saber pela boca do chocalho do Governo que, era capaz de jurar, ter ouvido há 15 dias, no mesmo canal de televisão, criticar o Governo por não ter coordenação e por se saber tudo cá fora.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Tempos modernos

por josé simões, em 04.05.14

 

 

 

[Manu Fernandez para a AP Photo]

 

 

 

 

 

 

 

||| Exigência, mérito e rigor

por josé simões, em 03.05.14

 

 

 

O que vale é que os profs vão passar a fazer prova de avaliação, o cheque-ensino vai distribuir democracia e possibilidades de escolha a eito pelas famílias, o ministro Crato vai tirar mais um exame da cartola [a Educação Física no 6.º ano?], a Maria Filomena Mónica vai escrever mais um romance sobre a escola pública e a mobilidade social e isto vai tudo entrar nos eixos:

 

«Frequentar uma escola privada no secundário permite uma subida das notas de acesso ao ensino superior que pode chegar a ser superior a um valor. Esta inflação nas classificações tem permitido a estes alunos ganhar a competição com outros colegas, permitindo-lhes ultrapassar mais de 450 colegas na lista de seriação dos candidatos em cursos mais concorridos.»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| "Missão Cumprida"

por josé simões, em 03.05.14

 

 

||| Relatório e Contas. Resumo da Semana

por josé simões, em 03.05.14

 

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

 

 

||| Porque hoje é sábado

por josé simões, em 03.05.14

 

 

 

Love Kills, 1979

 

Jill Freedman

 

 

 

 

 

 

||| Mission Accomplished

por josé simões, em 02.05.14

 

 

 

Talvez inebriado pela 'Distinguished Public Service Award' que lhe foi atribuída por Donald Rumsfeld [vá-se lá saber porquê], não resistiu a vir proferir as mesmas palavras proferidas pelo criminoso de guerra George W. Bush depois de ter inventado uma guerra onde ela não existia e de ter deixado um país e um Estado soberano numa atoleiro de terrorismo islâmico e ódio sectário e religioso, até hoje. Faz todo o sentido o Mission Accomplished do campeão de ginástica olímpica e contorcionismo, depois de ter deixado a economia em tal estado que faz lembrar um país saído de uma guerra. Para o cenário ter sido perfeito era as palavras terem sido ditas em cima da proa de um submarino.

 

 

 

 

 

 

||| Da encenação

por josé simões, em 02.05.14

 

 

 

«Paulo Portas anuncia que Portugal passou na 12.ª e última avaliação ao programa de ajustamento.

 

O Governo vai reunir-se em Conselho de Ministros no domingo ao final da tarde para formalizar o modelo de saída do programa de resgate financeiro.»

 

[Imagem]

 

[O pormenor de, no linguajar de Passos Coelho e Paulo Portas, ontem as pensões eram despesa do Estado, ideia difundida e papagueada por toda corte de aios e escudeiros na comunicação social e de hoje, por causa dos aumentos, que são "para proteger a sua pensão amanhã, não é para a despesa do Estado". É o "chamar a atenção para o que é que as coisas servem"]

 

 

 

 

 

 

||| Por certo uma coincidência

por josé simões, em 02.05.14

 

 

 

O 1.º de Maio é vermelho e o Benfica, que era encarnado até ao dia 25 de Abril de 1974 para não ser vermelho porque Salazar não gostava, jogou no Dia do Trabalhador em Turim, a capital do capitalismo italiano, assim a modos que uma Detroit europeia, jogou equipado à anarco-sindicalista.

 

 

 

 

 

 

||| Da série "Coisas Verdadeiramente Surpreendentes"

por josé simões, em 01.05.14

 

 

 

Pedro Passos Coelho consegue discursar para trabalhadores, ditos social-democratas, no dia do trabalhador, sem ser assobiado e vaiado.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| O gesto é tudo

por josé simões, em 01.05.14

 

 

 

Esta gentinha que pensa e fala em inglês também faz gestos em inglês para português ver.

 

E depois a frase assassina, dita e repetida ontem pela ministra das Finanças e por um dos vice-escudeiros do vice-trampolineiro, à frente do Ministério do Trabalho e da Segurança Social, nomeado para preencher a quota do CDS no desmantelamento e destruição do Estado social: "Mais impostos para aliviar pensões e salários no Estado", como quem diz "Estão a ver? Isto tudo é por causa  dos calaceiros dos funcionários públicos – o cancro, e daqueles que por lá passaram uma bela vida e agora vivem de papo para o ar na reforma – a peste".

 

O privado contra o público, os bons contra os maus. O discurso manhoso do ódio, revertido em votos nas urnas no dia das eleições: os "bons" porque acreditam piamente nos trabalhos por que o Governo passa para pôr os "maus" na linha, os "maus" porque acreditam, piamente também, que o Governo se preocupa genuinamente com eles, com a sua condição e com a condição das suas famílias. Ainda não perdi a fé na inteligência do povo português.

 

O que vale é que é de "estratégia orçamental" que se trata…

 

 

 

 

 

 

||| 1.º de Maio

por josé simões, em 01.05.14

 

 

 

 

 

 

Pág. 8/8