Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

|| Two-dogs policy

por josé simões, em 29.10.13

 

 

 

«Para uma Nação próspera e poderosa, e para uma família feliz, por favor pratique o planeamento canino»

 

«For a prosperous, powerful nation and a happy family, please practice pet planning»

 

[Também em inglês por causa do pessoal dos "vistos dourados"]

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Change

por josé simões, em 29.10.13

 

 

 

[Via]

 

 

 

 

 

 

|| Uma certa ideia de Europa

por josé simões, em 28.10.13

 

 

 

Podia ter sido "antes ser português do que cigano", ou "antes ser francês do que muçulmano", ou "antes ser inglês do que preto", ou "antes ser húngaro do que judeu", calhou ser "antes ser celta do que grego", o que vai dar exactamente ao mesmo sítio. É o que temos.

 

[Imagem de Dan Witz]

 

 

 

 

 

 

|| Gabba Gabba Hey!

por josé simões, em 28.10.13

 

|| A gente diz que sim

por josé simões, em 28.10.13

 

 

 

Acusar o "poder financeiro de ter capturado o poder político" na casa da central sindical que em 35 anos de vida mais não fez do que o papel de "idiota útil" ao poder político em todo o processo de captura pelo poder financeiro. A gente diz que sim.

 

 

 

 

 

 

 

|| Numa imagem de Kazuki Guzmán

por josé simões, em 27.10.13

 

 

|| Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 27.10.13

 

 

 

A capa da ShortList magazine

 

 

 

 

 

 

|| Fim-de-semana

por josé simões, em 27.10.13

 

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

Vicious ~ Lou Reed

 

[7" vinyl]

 

 

 

 

 

 

|| In Memoriam

por josé simões, em 27.10.13

 

 

 

Lou Reed

 

1942 – 2013

 

 

Na memória, entre outras, guardo o mítico concerto de 3 horas e meia no Dramático de Cascais aos 22 dias do Ano da Graça de 1980, e o dia em que entrei no já desaparecido café A Brasileira, à Praça de Bocage em Setúbal, não menos mítico e local de poiso de bandos de freaks e hippies e outras aves raras,  com o vinyl de Rock N Roll Animal debaixo do braço e o "Velho Chucha" [agora por falar nisso, nunca soube o verdadeiro nome do "velho"…], cromo da cidade que "vivia" no café desde que abria portas até fechar, com lugar cativo e "dono" de mesa estrategicamente colocada à entrada, com ângulo de visão a abarcar a praça toda, me disse ao ver a imagem e a posse na capa: "não sabia que também gostavas de Amália… rapaziada da tua idade não ouve fado!".

 

 

 

 

 

|| O porta-voz do Governo e da troika para os assuntos religiosos

por josé simões, em 27.10.13

 

 

 

O cardeal «José Policarpo afirmou hoje em Setúbal que Portugal só tem dinheiro para mês e meio em caso de incumprimento das metas estabelecidas no pedido de resgate» e, como prova da boa fé e do empenho da Igreja Católica em contribuir para a superação deste mau momento da Nação, anunciou que a Conferência Episcopal Portuguesa, por razão de equidade e justa repartição no esforço fiscal a que os portugueses estão sujeitos, resolveu denunciar unilateralmente o artigo 26 da Concordata e passar a pagar impostos sobre o seu vasto património imobiliário e sobre os seus rendimentos milionários, activando assim o artigo 27 da Concordata: "A Conferência Episcopal Portuguesa pode exercer o direito de incluir a Igreja Católica no sistema de percepção de receitas fiscais previsto no direito português". E rematou citando o Evangelho de Mateus. "Pois mais fácil é passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no Reino de Deus", porque os princípes da Igreja querem ir para o Céu quando morrerem.

 

[E, dia 25 de Dezembro à meia-noite, o Pai Natal desce p’la chaminé. Não desce mas também não tem importância porque a maioria dos "fiéis" tem o presépio na sala e o homem da Coca-Cola na varanda e nem sequer sabe distinguir uma coisa da outra]

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| A "linha vermelha" que o Governo não pode passar

por josé simões, em 27.10.13

 

 

 

Trabalhar vinte e quatro dias consecutivos, sem folgar, até cerca de dez horas por dia, pagando menos de metade do acordado e menos do que o salário mínimo em vigor, em Espanha, França, Alemanha, Holanda, e Inglaterra não, que é trabalho escravo. Diz o Governo da criação de emprego a 300 euros por mês, 8 dias por semana, feriados incluídos, sem subsídio de alimentação e de transporte, apalavrado e sem contrato de trabalho, com muita muita muita sorte a cargo de empresas de trabalho temporário, e que aconselhou os cidadãos a emigrar. Sobre quantas famílias dividem uma mesma casa para economizar na renda e de quantos em quantos dias tomam banho, não há registos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O melhor que nos aconteceu foi o primeiro

por josé simões, em 26.10.13

 

 

 

Conversão da dívida privada em dívida pública e recapitalização dos bancos.

 

"O pior que nos podia acontecer era um segundo resgate"

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Relatório e Contas. Resumo da Semana

por josé simões, em 26.10.13

 

 

 

[Via]

 

 

 

 

 

|| Porque hoje é sábado

por josé simões, em 26.10.13

 

 

 

Gérald Bloncourt

 

Jour de lessive - Immigrés portugais étendant leur linge. Ils habitent dans ce baraquement de chantier du bâtiment. - Région parisienne – 1970

 

 

 

 

 

 

|| Dar-se ares de importante

por josé simões, em 25.10.13

 

 

 

Se um senhor fulano não tem uma ideia, por mais vaga que seja, sobre a Europa e o mundo e as causas da crise económica que nos assolam, um simplório, um indigente intelectual. E se esse senhor fulano tem no Governo, como parceiro de coligação, outro senhor fulano que ostenta no palmarés uma 'Distinguished Public Service Award', atribuída pelo Dart Vader de George W. Bush como reconhecimento pelo papel que desempenhou como adjunto do mordomo Durão Barroso na Cimeira das Lajes que inventou uma guerra onde ela não existia, logo um senhor fulano fiável e de confiança, só por masoquismo, ou voyeurismo tipo Correio da Manhã [cada uma por si ou as duas em conjunto], é que os serviços secretos iam perder o seu preciso tempo a ouvir conversa da treta.

 

[Imagem]